Monitorizar pandemia via telemóvel sem perda de privacidade

Monitorizar pandemia via telemóvel sem perda de privacidade
Direitos de autor Steven Senne/Copyright 2020 The Associated Press. All Rights Reserved
De  Isabel Marques da SilvaJack Parrock
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os eurodeputados apoiam as orientações que a Comissão Europeia enviou, há um mês, aos Estados-membros, aconselhando o uso da tecnologia bluetooth em vez do GPS, porque o último levanta mais preocupações sobre armazenamento de dados.

PUBLICIDADE

O rastreio de contactos via aplicações para telemóvel, com o objetivo de monitorizar a progressão da pandemia, preocupa o Parlamento Europeu, que debateu o tema, esta quinta-feira, e exige medidas de proteção da privacidade.

“Se os Estados-membros partilharem informações sobre os padrões de propagação da pandemia, com base nos dados recolhidos por aplicações de rastreio para telemóvel, terão de garantir que os dados permanecem anónimos. De maneira nenhuma se podem partilhar informações relativas à saúde dos cidadãos europeus sem o seu consentimento. É absolutamente proibido", afirmou Juan Fernando López Aguilar, eurodeputado espanhol de centro-esquerda que preside à Comissão das Liberdades Cívicas do Parlamento Europeu.

Os eurodeputados apoiam as orientações que a Comissão Europeia enviou, a 16 de abril, aos Estados-membros, aconselhando o uso da tecnologia bluetooth em vez do GPS, porque o último levanta mais preocupações sobre armazenamento de dados.

A importância da interoperabilidade das aplicações

Os 27 países já chegaram a acordo sobre critérios para garantir a interoperabilidade das aplicações quando os cidadãos viajam dentro da União.

"Mais do que a questão de saber quando é que as pessoas atravessam fronteiras, é importante que as aplicações permitam interoperabilidade entre países. Mais do que a localização geográfica, importa a proximidade via bluetooth. Por exemplo, no caso de um alemão que viajou para a Bélgica, com uma aplicação desenvolvida na Alemanha, deve poder usá-la em rede com a aplicação belga usada pelas pessoas em seu redor", explicou Jennifer Baker, conselheira em tecnologia digital da Comissão Europeia.

Os responsáveis pelos sistemas operadores Apple e Android estão disponíveis para colaborar com os programadores destas novas aplicações para telemóvel com o objetivo de criar a interoperabilidade.

Os eurodeputados prometem manter o escrutínio sobre as novas aplicações dedicadas a ajudar a monitorizar o progresso da pandemia quando for aumentando o nível de desconfinamento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Governos da UE não podem recolher dados dos telemóveis dos cidadãos

UE debate equilíbrio entre saúde pública e privacidade

Polícia de Bruxelas tenta evitar conferência populista de direita que inclui PM Orbán