EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Bruxelas reforça combate à lavagem de dinheiro

Bruxelas reforça combate à lavagem de dinheiro
Direitos de autor VINCENZO PINTO/AFP
Direitos de autor VINCENZO PINTO/AFP
De  Pedro Sacadura
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Comissão Europeia apresenta pacote legislativo que contempla criação de nova agência de supervisão de branqueamento de capitais no bloco

PUBLICIDADE

Para a Comissão Europeia, é tempo de resolver, de forma "eficiente", os problemas relacionados com lavagem de dinheiro no bloco comunitário. Pelo menos em teoria.

Após série de escândalos, incluindo o embaraçoso caso de lavagem de 200 mil milhões de euros que envolveu o banco dinamarquês Danske Bank, o executivo comunitário quer criar uma nova agência de supervisão de dinheiro sujo no bloco comunitário, AMLA (Anti-Money Laundering Authority) no acrónimo em inglês.

A iniciativa faz parte de um pacote de propostas legislativas apresentado, esta terça-feira, para fortalecer as regras existentes e focado, também, no combate ao financiamento do terrorismo.

"Por detrás da história do dinheiro sujo estão crimes que são terríveis para os cidadãos, para a sociedade, para as famílias e comunidades. Por isso, combater a lavagem de dinheiro é combater o crime de raiz. Analisámos onde existem lacunas no nosso quadro regulatório e dissemos: basta", sublinhou, em conferência de imprensa, a comissária europeia Mairead McGuinness, com a pasta dos Serviços Financeiros, Estabilidade Financeira e União dos Mercados de Capitais​.

A nova agência deverá herdar alguns poderes da Autoridade Bancária Europeia (EBA), acusada de ser ineficaz e de lentidão.

De acordo com o pacote de propostas, a AMLA irá, entre outras coisas, supervisionar atividades financeiras transfronteiriças, podendo impor multas, monitorizar atividades relacionadas com criptomoedas, coordenar autoridades nacionais de supervisão e apoiar a cooperação entre Unidades nacionais de Inteligência Financeira.

De acordo com o pacote proposto, haverá ainda um limite de pagamentos em dinheiro até 10 mil euros.

Com uma base legal comum para por termo à fragmentação, os países que não adotaram devidamente as diretivas já existentes contra a lavagem de dinheiro terão de passar a aplicar as regras de modo uniforme.

Um elemento crítico para evitar o fiasco da iniciativa, de acordo com o eurodeputado socialista finlandês Eero Heinäluoma, que integra a Comissão dos Orçamentos do Parlamento Europeu.

"Ainda há Estados-Membros que não transpuseram a 4ª e a 5ª diretivas e a diretiva europeia de combate ao branqueamento de capitais. Por isso, temos de estar certos de que temos as mesmas regras e a mesma possibilidade de apanhar alguém, se houver este tipo de dinheiro criminoso a ser transferido de um país para outro", insistiu Heinäluoma.

O tempo é literalmente dinheiro, até porque cerca de 1% da riqueza europeia (mais de 150 mil milhões de euros) está ensombrado por atividades financeiras suspeitas.

A nova agência deve estar operacional em 2024, para começar a trabalhar depois. Mas para que isso aconteça, é preciso "luz verde" dos Estados-membros e do Parlamento Europeu.

Começará, depois, a luta para saber que cidade europeia vai acolher a nova entidade. Frankfurt e Paris estão entre as favoritas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Disputa na UE por agência de controlo do branqueamento de capitais

Competitividade jurídica em foco na reunião informal dos ministros da Justiça da UE

Descida alarmante do nível da água na barragem de Messara, em Creta