Bélgica aperta o cerco sanitário

Bélgica aperta o cerco sanitário
Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Novas restrições com serviços de emergência sobrelotados.

PUBLICIDADE

Na Bélgica, o número de infeções por Covid-19 disparou nas últimas duas semanas. Hospitais estão a cancelar operações e os serviços de emergência estão a ficar sobrelotados. As escolas encerram a 18 de dezembro para que os professores possam receber uma dose de reforço da vacina.

Os grandes agrupamentos são proibidos, à exceção de casamentos, funerais e reuniões na casa de alguém. Eventos ao ar livre, como feiras de Natal, ainda podem acontecer, mas apenas com apresentação do certificado de saúde. Bares e restaurantes podem ficar abertos até as 23h.

Entretanto, o virologista belga, Marc Van Ranst, disse à Euronews que até agora o impacto dos sintomas da variante ómicron em pessoas vacinadas na África do Sul é leve, mas a situação pode mudar. Defende a ventilação e a vacinação.

Segundo os especialistas, vai demorar mais duas semanas até que o mundo saiba o verdadeiro impacto da variante ómicron tanto para a Bélgica como para o mundo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Salas de espetáculos na Bélgica voltam a ter público. Setor saúda decisão de tribunal

Milhares protestaram em Bruxelas contra fecho de cinemas e teatros

Cimeira: Líderes querem criar novo "pacto de competitividade" para a UE