EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

TJUE: Pais do mesmo sexo e filhos devem ser considerados como família

TJUE: Pais do mesmo sexo e filhos devem ser considerados como família
Direitos de autor Vadim Ghirda/Copyright 2018 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Vadim Ghirda/Copyright 2018 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Caso chegou ao Tribunal de Justiça da União Europeia depois de as autoridades búlgaras se recusaram a dar a certidão de nascimento à filha bebé de um casal do mesmo sexo

PUBLICIDADE

O Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) reconheceu formalmente que os pais do mesmo sexo e os respetivos  filhos devem ser considerados como uma família em todos os Estados-membros da União Europeia (UE).

Numa decisão histórica, hoje conhecida, o TJUE referiu que se um país reconhece uma relação parental com uma criança, os restantes Estados-Membros devem fazer o mesmo para garantir o direito da criança à livre circulação.

O caso chegou a tribunal depois de as autoridades búlgaras recusarem dar uma certidão de nascimento à filha recém-nascida de um casal do mesmo sexo.

Alegaram que uma criança não pode ter duas mães.

A búlgara Kalina Ivanova e a britânica Jane Jones, nascida em Gibraltar, estão ambas registadas como mães de Sara, que nasceu em Espanha em 2019.

Mas nenhuma das mães é descendente de espanhóis, o que significa que a cidadania no país não é permitida e que, de acordo com a Lei da Nacionalidade Britânica de 1981, Jones não pode transferir a cidadania britânica para a sua filha porque nasceu em Gibraltar.

Ivanova acabaria por solicitar a cidadania búlgara para a sua filha, que foi posteriormente rejeitada porque casamentos e uniões entre pessoas do mesmo sexo não legalmente reconhecidos na Bulgária.

Sara ficou em risco de se tornar apátrida, sem acesso à cidadania, sem poder sair do país de residência da sua família, Espanha, e sem documentos pessoais, limitando o acesso à educação, saúde e segurança social.

O TJUE também determinou que a criança deveria receber um passaporte búlgaro.

Na sequência da decisão, Arpi Avetisyan, chefe de contencioso da organização não governamental ILGA-Europa, disse: "O julgamento trouxe o esclarecimento há muito aguardado de que a paternidade estabelecida num Estado-Membro da UE não pode ser descartada por outro, sob o pretexto de proteger a 'identidade nacional'."

"Esta é uma verdadeira prova de que a UE é uma união de igualdade e esperamos ver as famílias do mesmo sexo desfrutar do direito à liberdade de circulação e de outros direitos fundamentais em pé de igualdade com todas as outras pessoas. É importante que a decisão do julgamento seja implementada em breve, não só  para a bebé Sara e a sua família, como também para outras famílias que enfrentam lutas semelhantes em toda a UE."

As duas mães falaram, através de um comunicado, "num grande passo em frente para todas as famílias LGBT+ na Bulgária e na Europa."

Esta "decisão terá um efeito na vida de 100 mil a 150 mil crianças em toda a UE", reagiu no Facebook a associação búlgara para a defesa dos direitos LGBT+, Deystvie.

O caso não é passível de recurso.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Europeias 2024: Candidatos à Presidência da Comissão Europeia em debate

Reconhecimento do Estado da Palestina é único caminho para a paz, diz primeiro-ministro da Irlanda

Emmanuel Macron em missão no Pacífico para travar os motins na Nova Caledónia