Bruxelas quer criar base de dados de saúde da UE até 2025

Comissão Europeia quer que a iniciativa comece a funcionar até 2025
Comissão Europeia quer que a iniciativa comece a funcionar até 2025 Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Alberto De Filippis com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Comissão Europeia apresentou, esta terça-feira, uma proposta para a criação de um Espaço Europeu de Dados de Saúde que diz ser benéfica para cidadãos, médicos ou investigadores

PUBLICIDADE

Bruxelas quer criar, até 2025, uma base de dados de saúde em toda a União Europeia (UE). A Comissão Europeia apresentou, esta terça-feira, uma proposta para a criação de um Espaço Europeu de Dados de Saúde.

Na prática, pretende-se, entre outras coisas, facilitar o acesso ao historial médico em qualquer Estado-membro.

Significa que no futuro próximo o acompanhamento e tratamento de doentes no estrangeiro pode ser agilizado, sem necessidade de se repetir exames médicos custosos, que podem ser partilhados digitalmente para o diagnóstico nos 27.

Além dos cidadãos, diz a Comissão Europeia, saem também a ganhar reguladores, a indústria, investigadores e médicos.

"Informações sobre saúde são poder e os dados são o sangue que corre nas veias dos nos nossos sistemas de saúde. A nossa proposta para criar um Espaço Europeu de Dados de Saúde é a primeira do género em todo o mundo. É um marco para a nossa transformação digital e uma verdadeira revolução na história da medicina europeia", sublinhou o vice-presidente da Comissão Europeia, Margaritis Schinas, durante uma conferência de imprensa na cidade francesa de Estrasburgo.

Stella Kyriakides, a comissária europeia com a pasta da Saúde, acrescentou: “se uma pessoa que vive em Portugal adoecer em Paris um médico local poderá aceder ao seu historial médico em francês e prescrever o medicamento certo.”

O problema é que os Estados-membros avançam a diferentes velocidades, motivo pelo qual se esperam vários obstáculos pelo caminho até à harmonização.

Organizações de defesa dos direitos dos utentes como a France Assos Santé falam em riscos, ainda que também reconheçam os benefícios da iniciativa.

"Os utentes estão inclinados a partilhar os dados de saúde, mas não de qualquer maneira. E, por isso, é verdade que, em última análise, esta estrutura permite criar um espaço de saúde europeu de confiança no qual podemos partilhar os dados de saúde em benefício de todos, porque é realmente o benefício para o maior número. Há também uma forte expectativa por parte dos cidadãos. E é desta forma que este espaço pode contribuir, seja em questões de segurança, seja em questões de redistribuição do valor desses dados", ressalvou, em entrevista à Euronews, Arthur Dauphin, da France Assos Santé.

O valor acrescentado, lembra Bruxelas, pode passar também, pelo desenvolvimento de tratamentos novos e revolucionários.

A proposta ainda precisa da "luz verde" do Parlamento e do Conselho Europeu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cimeira: Líderes querem criar novo "pacto de competitividade" para a UE

Política da UE. Parlamento Europeu terá novas regras mas há poucas mudanças para as mulheres

Líderes da UE sob pressão de Zelenskyy para reforçar as defesas aéreas da Ucrânia