EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

UE prepara sanções contra golpistas no Níger

Chefe da diplomaciaq da UE, Josep Borrell
Chefe da diplomaciaq da UE, Josep Borrell Direitos de autor chema Moya/EFE/CHEMA MOYA
Direitos de autor chema Moya/EFE/CHEMA MOYA
De  Mared Gwyn JonesIsabel Marques da Silva (trad.) com DPA
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A União Europeia (UE) vai tentar impor contra o Níger o mesmo tipo de medidas punitivas que a Comunidade dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) decidiu impor, disse o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, quarta-feira, após uma reunião dos ministros da Defesa.

PUBLICIDADE

A UE está a trabalhar em planos para sancionar os líderes militares que tomaram o poder no Níger, em julho, disse Josep Borrell, após uma reunião informal dos ministros da Defesa do bloco, em Toledo, Espanha. Antes da reunião da UE, a Alemanha e a França, em particular, tinham defendido as sanções. 

A CEDEAO e a União Económica e Monetária da África Ocidental introduziram sanções financeiras desde que os golpistas derrubaram o governo democraticamente eleito do Presidente Bazoum, suspendendo as transações financeiras e congelando os bens nacionais. Os membros da Guarda Presidencial responsáveis pelo golpe também foram proibidos de viajar.

Borrell disse que tinha proposto aos ministros um novo quadro legislativo que permitiria à UE impor as suas próprias sanções aos golpistas.

Estamos a avançar com um regime de sanções autónomo para tomar medidas contra os golpistas, o trabalho já começou e amanhã os ministros dos Negócios Estrangeiros vão avançar com isso.
Josep Borrell
Chefe da diplomacia da UE

"Cabe à CEDEAO tomar decisões para contrariar este golpe militar e nós segui-lo-emos, tentando aplicar o mesmo tipo de sanções que eles decidiram", afirmou Borrell.

"Estamos a avançar com um regime de sanções autónomo para tomar medidas contra os golpistas, o trabalho já começou e amanhã os ministros dos Negócios Estrangeiros vão avançar com isso", acrescentou.

Michel Euler/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Mohamed Bazoum, Presidente do Níger que foi deposto pelos militares golpistasMichel Euler/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.

Quando questionado sobre se a UE estaria disposta a financiar uma intervenção militar da CEDEAO, Borrell não descartou essa possibilidade. "Estamos prontos a considerar qualquer proposta", afirmou.

O presidente da CEDEAO e o Ministro dos Negócios Estrangeiros do Níger juntar-se-ão aos Ministros dos Negócios Estrangeiros da UE para novas discussões em Toledo, na quinta-feira.

O Níger é um país muito pobre, com cerca de 26 milhões de habitantes, que tem sido um parceiro importante da UE na luta contra o terrorismo islâmico e a migração ilegal.

Mais um golpe, agora no Gabão

A reunião teve lugar horas depois de os militares do Gabão terem afirmado na televisão nacional que estavam a anular os resultados das eleições presidenciais e a tomar o poder neste país da África Central.

"É evidente que o golpe de Estado no Níger está a abrir uma nova era de instabilidade numa região que já é muito frágil", afirmou Borrell.

O Níger era visto como o último bastião da democracia na região do Sahel quando se tornou a mais recente de uma série de Estados que caíram nas mãos de juntas militares. 

A UE apelou à reintegração do Presidente Bazoum e suspendeu o seu apoio orçamental e a cooperação em matéria de segurança.

Estima-se que cerca de 40% do orçamento total do país deverá provir de apoio orçamental externo e de empréstimos.

Apoio à Ucrânia

Durante a reunião, os ministros da defesa da UE debateram, também, os compromissos a longo prazo de apoio à segurança na Ucrânia. Borrell revelou que a missão de assistência militar da UE deverá atingir o objetivo de formar 30 mil soldados ucranianos até ao final de outubro, propondo-se aumentar esse objetivo para 40 mil até ao final do ano.

A UE pretende formar pilotos ucranianos para utilizarem caças F-16 como parte da sua missão, afirmou.

Os ministros debateram, igualmente, a necessidade de aumentar o investimento europeu em munições. Foram fornecidas à Ucrânia munições no valor de cerca de 1,1 mil milhões de euros, o que fez baixar muito o stock dos Estados-membros e que exige novos acordos-quadro com a indústria de defesa europeia para colmatar as lacunas nas aquisições.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Agravamento das relações UE-Níger pode ter sério impacto migratório

Macron diz que França vai retirar tropas e embaixador franceses do Níger

UE preocupada com golpe militar no Gabão