EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Israel não viola direito humanitário em Gaza, garante embaixador junto da UE

Haim Regev, Chefe da Missão de Israel junto da UE e da NATO, em 7 de abril de 2022, durante uma reunião com a Comissária Europeia para as Parcerias Internacionais, Jutta Urpilainen.
Haim Regev, Chefe da Missão de Israel junto da UE e da NATO, em 7 de abril de 2022, durante uma reunião com a Comissária Europeia para as Parcerias Internacionais, Jutta Urpilainen. Direitos de autor EC - Audiovisual Service
Direitos de autor EC - Audiovisual Service
De  Mared Gwyn JonesSandor Zsiros
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Israel não está a violar o direito humanitário na contraofensiva contra o Hamas, garantiu Haim Regev, embaixador de Israel junto da UE, em entrevista à euronews. O diplomata reagiu às palavras do Alto Representante da UE para a Política Externa, Josep Borrell.

PUBLICIDADE

"Vamos utilizar todos os meios para eliminar o Hamas e salvar o nosso povo. Não se pode lutar contra os terroristas com as mãos atadas atrás das costas", afirmou o embaixador de Israel junto da UE e da NATO, Haim Regev, que rejeitou as críticas, terça-feira, feitas por Josep Borrell, de que a intenção de cortar o acesso a água, alimentos e energia à Faixa de Gaza é uma violação da lei internacional e que coloca pressão na sociedade civil que já vive em emergência humanitária. 

"Vamos ser muito duros, vamos ser muito agressivos. Faremos tudo o que for preciso para libertar os reféns e eliminar o Hamas. Faremos o nosso melhor para não ferir inocentes. Faremos tudo isso. Somos um país democrático. Estamos vinculados ao direito internacional", acrescentou o diplomata.

O grupo militante Hamas, que controla a Faixa de Gaza desde 2007, matou mais de mil israelitas e fez mais de cem reféns durante um ataque surpresa no fim de semana. O Hamas é considerado uma organização terrorista pela União Europeia e pelos EUA, entre outros membros da comunidade internacional.

O Hamas está a usar pessoas inocentes como escudo humano, e isso é algo que teremos em consideração. A nossa guerra não é contra o povo palestiniano, é contra o Hamas.
Haim Regev
Embaixador de Israel junto da UE e da NATO

Regev afirmou que o objetivo de Israel é eliminar o Hamas: "O povo palestiniano não é nosso inimigo e faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para evitar ferir pessoas inocentes", disse Regev. 

"Mas este é um ambiente muito complicado. O Hamas está a usar pessoas inocentes como escudo humano, e isso é algo que teremos em consideração. A nossa guerra não é contra o povo palestiniano, é contra o Hamas", acrescentou.

Necessidade de uma resposta "dura" da UE

O diplomata é a favor de uma revisão dos fundos que a UE concede para apoiar os palestinianos ao nível de cooperação para o desenvolvimento (saúde, educação, função pública, etc), anunciado pela Comissão Europeia depois de um escânadalo de comunicação em que um dos comissários defendeu a suspensão imediata de toda a ajuda.

Regev afirmou que é necessária uma revisão exaustiva para garantir que os fundos não caem inadvertidamente nas mãos do Hamas.

"Nesta fase, a melhor coisa a fazer é rever - como a UE decidiu fazer - toda a assistência. Neste momento, não sabemos para onde vai a assistência", afirmou Regev.

"Instamos os Estados-membros e as instituições da UE a prosseguirem com esta revisão e a verificarem exatamente para onde vai esta assistência", acrescentou.

O chefe da diplomacia da UE afirmou que a "esmagadora maioria" dos países da UE apoia a continuação do envio de ajuda humanitária e de desenvolvimento para os territórios palestinianos, que incluem a Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas, e a Cisjordânia, governada pelo Presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas. 

A Áustria é o único Estado-membro que suspendeu a sua ajuda à Palestina.

Por outro lado, Regev considera que a UE pode desempenhar um papel importante na "pressão" sobre o Hamas e garantir a libertação dos reféns israelitas detidos em Gaza: "Neste momento, o Hamas precisa de ser pressionado e, mais do que isso, todos os atores internacionais e regionais precisam de ver uma resposta dura da UE".

Dois "vetores" no Médio Oriente

O embaixador considera que os outros Estados árabes do Médio Oriente também têm um papel fundamental a desempenhar para mostrar que não toleram o terrorismo.

"Existem dois vetores no Médio Oriente. Um é moderado: Egipto, Jordânia, Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Marrocos e, esperemos, os sauditas. O outro é patrocinado pelo Irão", afirmou.

"O Irão apoia o Hamas. O Irão apoia o Hamas financeira e politicamente", explicou.

O Hamas cometeu um grande erro. O Hamas cometeu um erro crasso, calculou mal a força de Israel e penso que este é o fim desta organização. Depois de eliminarmos o Hamas, penso que não voltaremos a assistir a este ciclo de violência em Gaza.
Haim Regev
Embaixador de Israel junto da UE e da NATO

O nível de planeamento necessário para lançar o ataque em grande escala durante o fim de semana levou muitos a questionar se o Hamas poderia tê-lo feito sozinho. 

A milícia armada xiita Hezbollah, apoiada pelo Irão, e considerada aliada paramilitar do Hamas, tem trocado ataques com Israel desde o início do conflito, o que faz temer uma escalada.

Referindo-se à afirmação do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, de que a contraofensiva de Israel irá "mudar o Médio Oriente", Regev confirmou que tal significava travar a influência de Teerão.

PUBLICIDADE

"Mudar o Médio Oriente é apoiar as forças moderadas e travar o Irão, eliminar o Hamas e todas essas organizações", afirmou.

"O Hamas cometeu um grande erro. O Hamas cometeu um erro crasso, calculou mal a força de Israel e penso que este é o fim desta organização. Depois de eliminarmos o Hamas, penso que não voltaremos a assistir a este ciclo de violência em Gaza", concluiu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Gaza precisa de "mais ajuda humanitária, não menos", diz chefe da diplomacia da UE

Missão da Palestina na UE "não condena" Hamas enquanto Israel não mudar atitude

Bruxelas faz marcha-atrás e não suspende ajudas aos palestinianos