Euroviews. Poderá Taylor Swift travar ascensão da extrema-direita na Europa?

Taylor Swift actua durante a abertura da sua digressão Eras em Glendale, AZ, março de 2023
Taylor Swift actua durante a abertura da sua digressão Eras em Glendale, AZ, março de 2023 Direitos de autor AP Photo/Euronews
De  Georgios Samaras
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor e não representam a posição editorial da Euronews.
Artigo publicado originalmente em inglês

As próximas eleições europeias são um teste crucial para as forças políticas estabelecidas, nomeadamente em França e na Alemanha, que navegam em território desconhecido pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial, escreve Georgios Samaras.

PUBLICIDADE

À medida que as eleições europeias de junho se aproximam, a ansiedade entre os líderes do continente está a aumentar, e com boas razões.

Na Alemanha, o partido AfD ultrapassa sistematicamente os 20% e o Rally Nacional de Marine Le Pen, em França, continua a ganhar força - ambos na continuação de uma tendência observada em vários Estados-membros.

No que parece ser um apelo desesperado de última hora, Margaritis Schinas, Vice-Presidente da União Europeia (UE), deu o seu apoio à ideia de recrutar a estrela pop Taylor Swift para sensibilizar as pessoas para as próximas eleições.

O apoio surge no meio de avisos de que o parlamento pode enfrentar sérios desafios de governação.

A verdade é que a UE está perante umas eleições complicadas. O aumento do apoio aos partidos de extrema-direita é frequentemente atribuído a preocupações com a migração, com guerras culturais agora firmemente enraizadas no discurso dominante.

Dua Lipa e Stromae em socorro?

Os eleitores também parecem dar prioridade às promessas de segurança oferecidas por vários partidos de extrema-direita em toda a Europa, com um manual comum que enfatiza o chauvinismo do bem-estar e medidas rigorosas contra os requerentes de asilo que ligam a maioria desses partidos.

No entanto, é fundamental reconhecer que as forças tradicionais na Europa, em particular os partidos europeus mais tradicionais, maioritariamente de centro-direita, têm flertado com alguns destes elementos ideológicos há anos. Esta normalização contínua do discurso de extrema-direita resultou num esbatimento das fronteiras entre as entidades de direita.

Os perigos de ignorar a retórica associada às ideologias de extrema-direita devem ser reconhecidos e devem ser tomadas medidas estratégicas para contrariar a tendência a longo prazo.

A questão que se coloca é a seguinte: haverá uma forma eficaz de lidar com as consequências desta normalização e de mitigar a ameaça crescente da extrema-direita antes das eleições?

Embora se diga que Bruxelas está a considerar a possibilidade de mobilizar outras celebridades europeias, incluindo Rosalía, Måneskin, Dua Lipa e Stromae, para ajudar a levar os eleitores às urnas este ano, a questão parece muito maior do que algo facilmente resolvido pelo apelo popular.

Provavelmente, Taylor Swift não pode fornecer soluções e, como a janela antes das eleições está a fechar-se, é imperativo que o centro-direita europeu empreenda urgentemente o processo exigente de redescobrir a sua identidade.

Dua Lipa performs at the United Center in Chicago, March 2022
Dua Lipa performs at the United Center in Chicago, March 2022Rob Grabowski/2022 Invision via AP

Os perigos de ignorar a retórica associada às ideologias de extrema-direita devem ser reconhecidos e devem ser tomadas medidas estratégicas para contrariar a tendência a longo prazo.

Uma mudança de orientação

Há muitos exemplos de como os partidos políticos de centro-direita adaptaram estrategicamente as suas agendas políticas para se alinharem com as ideologias de extrema-direita.

Um caso notável é a controversa lei da imigração aprovada em dezembro em França, que constitui uma manifestação flagrante deste fenómeno.

Perante as divisões internas do partido e as reacções apaixonadas, o Presidente Emmanuel Macron viu-se enredado numa crise ideológica ao propor medidas rigorosas em matéria de migração.

Vice-primeiro-ministro italiano, populista de direita, Matteo Salvini, em palco com líder da direita francesa, Marine Le Pen, em Itália, em setembro de 2023.
Vice-primeiro-ministro italiano, populista de direita, Matteo Salvini, em palco com líder da direita francesa, Marine Le Pen, em Itália, em setembro de 2023.Claudio Furlan/LaPresse via AP

O projeto de lei introduz, nomeadamente, alterações nos critérios de elegibilidade para determinadas prestações de segurança social para estrangeiros. Le Pen considera o projeto de lei um triunfo da sua posição ideológica.

Ao garantir a reeleição para um segundo mandato em 2022, Macron reconheceu abertamente que o apoio que obteve dos eleitores não foi necessariamente um endosso das suas próprias ideias, mas sim um movimento estratégico para contrariar a ascensão da extrema-direita.

Este reconhecimento evidencia uma contradição notável na sua posição política, sublinhando uma indefinição ideológica que é ainda mais acentuada pela sua popularidade significativamente desfavorável.

Centro-direita continua a afastar-se das suas raízes

No verão de 2023, Friedrich Merz, líder da CDU alemã, flertou brevemente com a ideia de colaborar com a AfD de extrema-direita, nomeadamente ao nível das autarquias locais.

PUBLICIDADE

Este afastamento da tradição suscita preocupações quanto ao enfraquecimento da determinação da CDU, marcando uma evolução significativa na política conservadora após a Segunda Guerra Mundial.

Uma tendência semelhante surgiu em Espanha, onde o Partido Popular, conservador, esteve perto de formar um governo de coligação com o partido de extrema-direita Vox.

Apoiantes de extrema-direita do VOX acenam durante o comício de encerramento da campanha na praça Colon, em Madrid, em julho de 2023.
Apoiantes de extrema-direita do VOX acenam durante o comício de encerramento da campanha na praça Colon, em Madrid, em julho de 2023.AP Photo/Manu Fernandez

O Vox, conhecido pela sua agenda anti-LGBTQ+ e pelo seu forte negacionismo climático, dissuadiu os eleitores, acabando por conduzir a uma vitória inesperada da esquerda e do primeiro-ministro Pedro Sanchez.

Entretanto, a Nova Democracia grega, de centro-direita, está a passar por uma notável mudança em relação às suas raízes tradicionais de centro-direita. Um escândalo de escutas telefónicas manchou o primeiro mandato do Primeiro-Ministro Kyriakos Mitsotakis e o governo enfrenta acusações de ter efectuado controlos nas fronteiras.

Mais recentemente, o partido está a enfrentar sérias resistências no seio das suas fileiras, uma vez que a sua fação ultraconservadora se recusa a apoiar a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo, o que sublinha ainda mais a abertura do partido à extrema-direita.

PUBLICIDADE

Uma União ingovernável?

Apesar da viragem à direita observada internamente em muitos partidos tradicionais de centro-direita, o Partido Popular Europeu (PPE) destaca-se pelo seu empenhamento na sua ideologia.

Nomeadamente, o PPE rejeitou encetar negociações com o Grupo dos Conservadores e Reformistas Europeus ou com o Identidade e Democracia, distinguindo-se assim do panorama político interno mais flexível do centro-direita.

A ameaça de um aumento súbito da influência da extrema-direita em junho representa um desafio formidável que poderá ser difícil de resolver nas eleições seguintes.

As sondagens recentes indicam que o PPE e os Socialistas e Democratas deverão obter 171 e 141 lugares, respetivamente. A possibilidade de formar uma coligação com os liberais sublinha o empenhamento do PPE em manter as alianças tradicionais no Parlamento Europeu.

No entanto, de acordo com sondagens recentes, cerca de 25% dos lugares do Parlamento Europeu deverão ser conquistados pelos dois grupos de extrema-direita. É importante notar que este número não tem em conta os partidos não afiliados a estes grupos, como o Fidesz húngaro, que alinha com os ideologicamente diversos Não-Inscritos no Parlamento Europeu.

Os perigos de uma maior diluição das fronteiras entre o centro-direita e a extrema-direita na Europa não estão fora de questão e, sem dúvida, a normalização da ideologia poderá infiltrar-se também na agenda política do Parlamento.

PUBLICIDADE
Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, profere o seu discurso anual sobre o estado da UE no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, em setembro de 2023.
Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, profere o seu discurso anual sobre o estado da UE no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, em setembro de 2023.AP Photo/Jean-Francois Badias

Águas desconhecidas

A abertura à extrema-direita tem-se revelado um empreendimento arriscado para as entidades europeias de centro-direita.

A atual ascensão em toda a Europa, incluindo a ascensão dos neofascistas Fratelli d'Italia, em Itália, e Geert Wilders, nos Países Baixos, mostra que os partidos de centro-direita enfrentam uma pressão significativa da extrema-direita e têm de se adaptar ideologicamente à evolução da paisagem política.

As próximas eleições europeias são um teste crucial para as forças políticas estabelecidas, nomeadamente em França e na Alemanha, que navegam em território desconhecido pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial.

A ameaça de um aumento súbito da influência da extrema-direita em junho representa um desafio formidável que poderá ser difícil de resolver nas eleições seguintes.

Se a extrema-direita ganhar força substancial no parlamento em junho e mantiver a sua influência depois disso, a Europa poderá encontrar-se a navegar em águas desconhecidas dentro das suas próprias fileiras.

PUBLICIDADE

As repercussões de uma tal mudança poderão ecoar por todo o continente, remodelando a paisagem política e introduzindo novos desafios para a União Europeia no seu conjunto.

Georgios Samaras é Professor Assistente na International School of Government, King's College London.

Na Euronews, acreditamos que todas as opiniões são importantes. Contacte-nos em view@euronews.com para enviar propostas ou submissões e fazer parte da conversa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rede social X restaura pesquisas por Taylor Swift após bloqueio temporário

Scholz junta-se a milhares de pessoas em manifestação contra extrema-direita em Potsdam

Extrema-direita poderá subir a segunda força no Parlamento Europeu