Política da UE. Mais de 50% da política alimentar da Comissão Europeia por cumprir

A estratégia "Do prado ao prato" tinha por objetivo tornar a alimentação europeia mais sustentável, transformando a produção, a distribuição e o consumo.
A estratégia "Do prado ao prato" tinha por objetivo tornar a alimentação europeia mais sustentável, transformando a produção, a distribuição e o consumo. Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Gerardo Fortuna
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os atrasos nas promessas legislativas e os protestos dos agricultores colocam em dúvida a estratégia emblemática "Do prado ao prato" que a Comissão Europeia visava implementar na sua política alimentar.

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia revelou a sua estratégia alimentar "Do prado ao prato" em 2020, mas mais de metade das suas promessas ainda não foram cumpridas, segundo uma análise da Euronews. É supostamente um elemento emblemático do Pacto Ecológico Europeu, centrado numa produção ambientalmente sustentável, mas tem havido uma reação negativa dosagricultores.

Das 31 acções prometidas no âmbito da iniciativa "Do Prado ao Prato", 15 não foram concretizadas e uma delas, uma proposta controversa sobre pesticidas, foi mesmo retirada pela presidente da Comissão, Ursula von der Leyen.

Esta estratégia tinha como objetivo tornar a alimentação europeia mais sustentável, transformando a produção, a distribuição e o consumo. Na realidade, apenas os elementos relacionados com a agricultura - a vertente "agrícola" - foram avançados de forma inequívoca.

Um plano de ação deveria ser apresentado antes do final do mandato da atual Comissão, tendo passado das 27 propostas originais para 31. Embora um calendário publicado pela Comissão indique que quase todas as iniciativas estão concluídas, em muitos casos o executivo da UE pouco mais fez do que trabalhar numa avaliação de impacto - um documento analítico que apresenta os prós e os contras de diferentes opções políticas.

É provável que mais de dois terços da estratégia permaneçam inacabados antes da tomada de posse da nova Comissão, em novembro, estando a legislação ainda a ser discutida pelos legisladores.

O que está por fazer

Se os elementos da estratégia fossem uma refeição, muitos deles ainda não estariam no prato de entrada.

A Lei dos Sistemas Alimentares Sustentáveis, supostamente a espinha dorsal de toda a estratégia, está ausente. Foi colocada no topo da lista de acções da Comissão, mas após repetidos atrasos, foi adiada indefinidamente.

As propostas da UE para reduzir para metade a utilização de pesticidas foram apresentadas em 2022, mas von der Leyen anunciou recentemente o seu arquivamento. Também faltam leis sobre o bem-estar dos animais de criação, apoiadas por 1,4 milhões de assinaturas numa série de petições recentes.

Um plano para introduzir rótulos de saúde na parte da frente das embalagens de alimentos também foi adiado indefinidamente após um clamor de oposição liderado pela Itália. Outras iniciativas de rotulagem - sobre sustentabilidade, indicação de origem e marcação de datas - tiveram o mesmo destino.

Nada parece estar a ser feito em relação às promessas de estimular a procura de alimentos sustentáveis, através das escolas, dos contratos públicos e das promoções.

Um porta-voz da Comissão Europeia disse à Euronews que foi cumprida a promessa de reformular os alimentos processados e estabelecer níveis máximos para certos nutrientes, citando um Código de Conduta voluntário acordado para os processadores de alimentos, operadores de serviços e retalhistas, que entrou em vigor em julho de 2021.

No entanto, o plano para 2020 descreveu-as como duas iniciativas com calendários diferentes. Uma análise da Euronews às 30 páginas do texto final do Código não mostra qualquer menção a níveis máximos de nutrientes, enquanto o conceito de reformulação é citado apenas uma vez.

Ainda a ser analisado

Outras sete iniciativas que a Comissão se comprometeu a adotar em 2020 foram publicadas mas ainda não foram formalmente fechadas.

É possível que o executivo comunitário tenha feito o seu trabalho neste domínio, embora os governos da UE e o Parlamento Europeu ainda precisem de dar o seu aval final antes de as iniciativas serem transpostas para a legislação.

Apenas duas delas - as normas de comercialização de produtos para o pequeno-alomoço e as regras de diligência devida das empresas - deverão ser aprovadas antes do final do mandato, embora mesmo esta última pareça estar em dúvida após hesitações da Alemanha e da Itália.

Também muito avançadas estão as novas regras sobre a certificação da remoção de carbono nas explorações agrícolas, onde se espera um acordo entre legisladores e governos antes de abril - embora não a tempo de serem finalizadas antes das eleições de junho.

Mais atrasadas estão as leis sobre novas técnicas genómicas e desperdício alimentar, em que os legisladores chegaram a acordo sobre a sua posição, mas os Estados-membros reunidos no Conselho da UE ainda não. Outras três propostas nem sequer chegaram a esse ponto.

Café e bolachas

A estratégia registou alguns êxitos. Oito iniciativas finalizadas dizem respeito à política agrícola, o que sugere uma taxa de conclusão de 72,7% para a vertente "agricultura".

PUBLICIDADE

Nalguns casos, como as recomendações dirigidas a cada Estado-membro sobre os planos estratégicos da Política Agrícola Comum e as propostas relativas aos dados de sustentabilidade das explorações agrícolas, estas complementam outras leis importantes.

A Comissão também apresentou reformas das estatísticas sobre pesticidas e das regras de comercialização dos biopesticidas, embora estas devessem ser acompanhadas de uma reforma mais vasta, que parece agora abandonada.

Noutros domínios, houve progressos importantes, como os planos de emergência para o abastecimento alimentar, que abordam as preocupações de segurança relacionadas com a pandemia de Covid-19. A Comissão adoptou novas orientações antitrust sobre os acordos de sustentabilidade agrícola em dezembro último.

O executivo da UE também afirma ter sido bem sucedido em alguns dos domínios mais vagos da estratégia. A reforma da organização do mercado comum e um fórum anual de boas práticas sobre as cadeias de abastecimento cumpriram o compromisso de melhorar a transparência, disse um porta-voz.

Estatuto incerto

Os objetivos políticos da iniciativa "permanecem válidos", disse um porta-voz da Comissão Europeia à Euronews, acrescentando que "as modalidades exactas, os prazos e os processos legislativos para os alcançar continuam a ser objeto de revisão constante".

PUBLICIDADE

Quando os agricultores saíram à rua, em janeiro, von der Leyen prometeu abrir o que chamou um diálogo estratégico sobre o futuro da agricultura. Um porta-voz da Comissão afirmou que o diálogo estratégico "não é um exercício de marketing" e que "não há necessidade de mencionar todas as iniciativas que a Comissão tomou anteriormente".

De acordo com outro funcionário da UE, que pediu anonimato, as iniciativas "Do prado ao prato" "são agora parte integrante do quadro político no âmbito do qual o diálogo estratégico está a decorrer" e o novo plano incorpora e mantém a "abordagem geral" do anterior.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tudo o que precisa de saber sobre os desafios do setor agrícola da UE

Agricultores continuam protestos na Europa sobre a política agrícola

Revolução agrícola na UE para enfrentar desafios futuros?