EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Infertilidade: uma doença que afeta cada vez mais homens e mulheres na Europa

Em parceria com The European Commission
Infertilidade: uma doença que afeta cada vez mais homens e mulheres na Europa
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Aurora Velez
Publicado a
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A infertilidade é uma doença que afeta cada vez mais homens e mulheres na Europa. Um estudo europeu inovador está a tentar perceber porquê.

Um projeto sueco e dinamarquês apoiado pela União Europeia estuda, há dez anos, o fenómeno da infertilidade. 

A euronews falou com Kristine Koppelhus, líder do projeto ReproUnion, da Medicon Valley Alliance.

Fertilidade dos Europeus está em quebra

"O projeto foi iniciado em 2010 por dois amigos. Eram também médicos e investigadores. Um do lado dinamarquês e outro do lado sueco. E trabalhavam com infertilidade masculina. Eles queriam ajudar os casais com problemas de saúde reprodutiva. É uma das doenças mais comuns nas pessoas entre os 25 e os 45 anos de idade. E está a aumentar. A situação é idêntica em muitos países europeus. A fertilidade está a diminuir. E precisamos de ter mais de dois filhos por mulher para manter a população atual. É isto que vemos em muitos países da Europa", explicou Kristine Koppelhus.

É importante recolher amostras para estudar a infertilidade

"O nosso grupo é muito singular. É o único sítio na Europa onde temos uma coorte binacional de casais inférteis. Seria fantástico se pudéssemos começar a recolher estes dados noutros países. E seria muito bom recolher dados de casais férteis, para podermos comparar os dados da população saudável com os dados das pessoas com problemas de infertilidade" indicou a responsável.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Porto sueco de Gävle implementa sistema pioneiro para poupar combustível e reduzir CO2

O que fazer em caso de terramoto?

Barcelona, Veneza, Bali: Como é que os destinos de eleição estão a gastar milhões em receitas fiscais turísticas