Acordo político na UE para sancionar os colonos israelitas extremistas

Os ministros dos Negócios Estrangeiros reuniram-se na segunda-feira em Bruxelas para debater a invasão da Ucrânia pela Rússia e a guerra entre Israel e o Hamas.
Os ministros dos Negócios Estrangeiros reuniram-se na segunda-feira em Bruxelas para debater a invasão da Ucrânia pela Rússia e a guerra entre Israel e o Hamas. Direitos de autor European Union, 2024.
De  Jorge LiboreiroMaria Psara
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Após semanas de divergências, a União Europeia chegou a um "acordo político" para sancionar os colonos israelitas extremistas, afirmou Josep Borrell, chefe da diplomacia do bloco, após a reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros, em Bruxelas.

PUBLICIDADE

"Discutimos as sanções (ao) Hamas. E chegámos a acordo sobre as sanções contra os colonos extremistas. Não foi possível no último Conselho da UE dos Negócios Estrangeiros. Desta vez foi possível. Foi acordado um compromisso sólido a nível de trabalho e espero que este se mantenha até à sua adoção plena em breve", anunciou Josep Borrell, em conferência de imprensa.

As sanções estão a ser preparadas há meses e foram travadas ao longo de semanas por um punhado de países, incluindo a Alemanha, a Chéquia e a Áustria, que se encontram entre os mais firmes apoiantes de Israel.

Mas a devastação na Faixa de Gaza e os relatos de violência perpetrada por cidadãos israelitas extremistas contra palestinianos, nesse enclave e na Cisjordânia, injetaram um sentido de urgência nas conversações. Os Estados Unidos, o Reino Unido e a França já tinha aprovado medidas similares a nível nacional.

O último obstáculo foi a Hungria, que, segundo os diplomatas, comunicou, na semana passada, que iria levantar a oposição, aumentando as esperanças de fechar o acordo político. Este terá de ser adotado pelos embaixadores permanetes dos Estados-membros. Só então as identidades dos colonos incluídos na lista serão divulgadas.

Os colonatos na Cisjordânia são ilegais à luz do direito internacional e são considerados um grande obstáculo à obtenção de uma paz duradoura no âmbito da solução de dois Estados.

A decisão faz parte de uma cuidadosa "coreografia" diplomática para coincidir com novas sanções contra o Hamas, organização palestiniana que o bloco classifica de terrorista.

Em reação aos atentados de 7 de outubro, que mataram mais de 1100 civis em Israel, a UE estabeleceu um regime de sanções específicas contra qualquer pessoa ou entidade suspeita de apoiar, material ou financeiramente, o Hamas e a Jihad Islâmica Palestiniana (PIJ). Seis financiadores foram acrescentados à lista, a 19 de janeiro.

Cemitério a céu aberto

Un novo relatório da "Classificação Integrada da Fase de Segurança Alimentar" (conhecida como escala IPC) revelou, esta segunda-feira, que a crise humanitária em Gaza é de extrema gravidade.

A escla IPC é uma ferramenta para melhorar a análise e a tomada de decisões sobre segurança alimentar e, segundo o relatório, "toda a população da Faixa de Gaza (2,23 milhões) está a enfrentar níveis elevados de insegurança alimentar aguda", estando metade da população na categoria de catástrofe. Na zona norte do enclave, a fome é "iminente".

O conflito militar, a escassez de ajuda humanitária e o acesso limitado ao abastecimento alimentar, aos cuidados de saúde, à água e ao saneamento são factores que estão na origem da deterioração.

"A escalada das hostilidades provocou danos generalizados nos bens e infra-estruturas indispensáveis à sobrevivência. Cerca de 50% dos edifícios - e mais de 70% nas províncias do norte - foram danificados ou destruídos", refere o relatório.

Antes de entrar na reunião, Josep Borrell, responsável pela política externa da UE, traçou um quadro sombrio da situação no terreno.

"Antes da guerra, Gaza era a maior prisão a céu aberto. Hoje é o maior cemitério a céu aberto. Um cemitério para dezenas de milhares de pessoas e também um cemitério para muitos dos princípios mais importantes do direito humanitário", disse Borrell aos jornalistas.

O chefe da diplomacia disse, ainda, que iria propor um "debate de orientação política" sobre a revisão do Acordo de Associação UE-Israel, que está em vigor desde 2000. No mês passado, os governos da Espanha e da Irlanda, dois dos mais críticos contra o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, uniram forças e pediram uma "revisão urgente" do acordo.

Mas na reunião desta segunda-feira, pelo menos seis Estados-membros opuseram-se à revisão - Alemanha, Itália, Áustria, Chéquia, Bulgária e Hungria -, disseram vários diplomatas à Euronews, falando sob condição de anonimato.

Um diplomata referiu que a maioria dos Estados apoiou a ideia de convidar o ministro dos Negócios Estrangeiros de Israel, Yisrael Katz, para discutir esta e outras questões em Bruxelas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel lança ataque no hospital Al-Shifa e faz vários mortos

Hamas acusa Israel de atacar multidão que esperava por alimentos em Gaza

Netanyahu promete "terminar trabalho em Rafah". Pelo menos dez mortos em ataque no centro de Gaza