EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Crise no Médio Oriente ofusca cimeira da UE dedicada à economia

A crise do Médio Oriente vai dominar a reunião do Conselho Europeu.
A crise do Médio Oriente vai dominar a reunião do Conselho Europeu. Direitos de autor European Union, 2024.
Direitos de autor European Union, 2024.
De  Jorge Liboreiro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os líderes da União Europeia estão reunidos em Bruxelas para uma cimeira especial de dois dias centrada na competitividade económica do bloco.

PUBLICIDADE

Mas a agenda deverá ser ensombrada pela atual crise no Médio Oriente, que o Ocidente receia que possa em breve ficar fora de controlo e transformar-se num conflito regional mais vasto.

As preocupações têm vindo a aumentar desde o início da guerra entre Israel e o Hamas e agravaram-se dramaticamente depois de um ataque aéreo israelita ter atingido o consulado iraniano em Damasco, matando sete membros da Guarda Revolucionária Islâmica. Em retaliação, Teerão lançou o seu primeiro ataque de sempre em solo israelita com 300 drones, mísseis balísticos e de cruzeiro, a grande maioria dos quais foi interceptada por Israel.

O ataque abriu um novo capítulo na longa guerra de sombras entre as duas nações, com a UE e os EUA a prometerem reforçar as sanções contra o Irão, mas apelando a Israel para que evite um novo ataque que possa atiçar ainda mais as chamas.

Esta atmosfera de incerteza e tensão vai impregnar a reunião em Bruxelas, que foi inicialmente concebida como um mergulho de cabeça na economia do bloco, mas que desde então foi alterada para permitir uma discussão sobre política externa.

O primeiro dia da reunião, que terá início na quarta-feira à noite, após uma receção com o rei da Bélgica, abordará a situação em Israel, no Irão, na Faixa de Gaza e no Líbano, bem como a guerra na Ucrânia e as relações com a Turquia.

"O Conselho Europeu apela ao Irão e aos seus representantes para que cessem todos os ataques e insta todas as partes a exercerem a máxima contenção e a absterem-se de qualquer ação que possa aumentar as tensões na região", lê-se numa versão preliminar das conclusões, a que a Euronews teve acesso.

O Líbano é uma fonte de preocupação especial, dada a fragilidade do seu governo, os problemas financeiros e as divisões sectárias, que fizeram do país um terreno fértil para a influência iraniana. O Hezbollah, movimento islamista apoiado por Teerão e com um poderoso grupo paramilitar, participou no ataque contra Israel, disparando rockets através da fronteira.

Os diplomatas temem que o Líbano, onde vivem 1,5 milhões de refugiados sírios, possa ser arrastado para o conflito e desencadear um êxodo migratório para as costas europeias, que já é visível no vizinho Chipre.

O Estado insular registou mais de 2.000 chegadas nos primeiros três meses deste ano, um enorme aumento em comparação com as 78 registadas no mesmo período de 2023.

O projeto de conclusões sublinha o empenho da UE na estabilidade do Líbano e a "determinação em apoiar as pessoas mais vulneráveis" no país, mas não faz qualquer referência explícita à pressão migratória exercida sobre Chipre. No entanto, a linguagem poderá ser ajustada à medida que as discussões forem avançando na quarta-feira à noite.

O Conselho Europeu deverá ainda fazer eco da recente resolução do Conselho de Segurança da ONU e apelar a um "cessar-fogo imediato" em Gaza, onde mais de 33.000 pessoas foram mortas desde o início da ofensiva israelita. O Conselho Europeu exigirá a "libertação incondicional de todos os reféns" detidos pelo Hamas e a prestação de ajuda humanitária "completa, rápida, segura e sem entraves" aos palestinianos.

As conversações sobre política externa examinarão igualmente o estado atual das relações entre a UE e a Turquia, que continuam a ser uma prioridade estratégica para todos os dirigentes, apesar das tensões causadas pelas acusações de evasão às sanções, pelo retrocesso democrático e pelo litígio de décadas com Chipre.

Falando sob anonimato, um diplomata disse à Euronews que a Turquia é uma "questão vital" para Chipre, mas alertou para o facto de as relações com o bloco não deverem ser vistas apenas por esse prisma: "Há mais do que isso".

Na quarta-feira, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, fará um discurso virtual. Recentemente, criticou o Ocidente por não ter protegido os céus ucranianos dos ataques russos, da mesma forma que ajudou Israel a repelir o ataque iraniano. Nas primeiras semanas da invasão, Kiev pediu à NATO que impusesse uma "zona de exclusão aérea" sobre o país, mas o pedido foi repetidamente ignorado, uma vez que os aliados argumentaram que a intervenção militar poderia desencadear o artigo 5º da defesa coletiva e um confronto total com a Rússia.

"Os céus europeus poderiam ter recebido o mesmo nível de proteção há muito tempo se a Ucrânia tivesse recebido o mesmo apoio total dos seus parceiros na interceção de drones e mísseis. O terror deve ser derrotado completamente e em todo o lado, não mais nuns sítios e menos noutros", afirmou Zelenskyy nas redes sociais.

Com os assuntos internacionais a absorverem toda a energia na quarta-feira, a questão da competitividade económica passará para quinta-feira. O debate basear-se-á num relatório exaustivo elaborado por Enrico Letta, antigo primeiro-ministro italiano, que apresenta recomendações para aprofundar e reforçar o mercado único, tendo em conta a concorrência dos Estados Unidos e da China.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE quer alargar as sanções contra o Irão na sequência do ataque a Israel

Ativista italiana candidata às eleições europeias passa para prisão domiciliária na Hungria

Partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha expulso do grupo Identidade e Democracia