EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Mais de dois terços dos cidadãos da UE "provavelmente" vão votar nas eleições de junho, segundo uma nova sondagem

As eleições para o Parlamento Europeu realizar-se-ão entre 6 e 9 de junho.
As eleições para o Parlamento Europeu realizar-se-ão entre 6 e 9 de junho. Direitos de autor Jean-Francois Badias/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Jean-Francois Badias/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Jorge Liboreiro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Mais de dois terços dos cidadãos da UE afirmam ser "provável" que votem nas próximas eleições para o Parlamento Europeu.

PUBLICIDADE

As conclusões resultam da última edição do Eurobarómetro, o inquérito oficial do Parlamento Europeu, que recolheu as opiniões de mais de 26.000 pessoas nos 27 Estados-Membros.

Divulgada na quarta-feira de manhã, esta será a última sondagem do género a ser publicada antes das eleições legislativas, previstas de 6 a 9 de junho.

No total, 71% dos inquiridos declaram-se "propensos" a votar para escolher quem os representa no hemiciclo de 720 membros. Este valor representa um aumento de 10 pontos percentuais em comparação com o período que antecedeu as eleições de 2019. Nessa altura, a afluência às urnas atingiu 50,66%, pondo fim a uma trajetória de anos de declínio da participação.

Em contrapartida, 14% dizem que "não é provável" que votem, enquanto 13% permanecem "neutros".

Os cidadãos da Dinamarca (87%), dos Países Baixos (86%), da Suécia (81%), da Finlândia (79%) e da Alemanha (78%) registam as taxas mais elevadas de probabilidade de votar.

Em alguns países, a probabilidade de votar aumentou em comparação com 2019, incluindo a República Checa (de 39% para 58%), a Roménia (55% para 74%), a Áustria e a Polónia (52% para 70% em ambos), Chipre (44% para 60%) e a Eslováquia (de 47% para 62%).

A Bulgária destaca-se como o único Estado-Membro com uma diminuição significativa da intenção de voto, passando de 57% em 2019 para 50% em 2024.

Ainda assim, o aumento da probabilidade de votar é uma forte tendência em todos os países e é acompanhado por um crescente envolvimento nas próximas eleições: 60% dizem que estão "interessados" ou "muito interessados", um aumento de 11 pontos desde a primavera de 2019.

Por outro lado, 27% dizem que não estão "muito interessados" e 13% dizem que não estão "nada interessados".

O Eurobarómetro também pediu aos cidadãos que classificassem a "importância" que atribuem às eleições: 53% dos inquiridos consideram as eleições de "grande importância", 36% de "importância média" e 10% de "pouca importância".

O aumento da atenção surge num momento crucial para o bloco, em que a Ucrânia luta para conter os avanços russos no campo de batalha, o conflito entre o Irão e Israel ameaça transformar-se num confronto mais amplo e as preocupações económicas colocadas pela China se transformam em acusações generalizadas de dumping.

A imprevisibilidade da situação mundial parece pesar muito nos eleitores: 81% dos cidadãos afirmam que "o atual contexto internacional torna o voto ainda mais importante".

Os números demonstram que "os europeus estão conscientes de que o que está em jogo nas urnas é muito importante", disse Roberta Metsola, presidente do Parlamento Europeu. "Estas eleições serão cruciais porque vão decidir a direção que vamos tomar."

Imagem "positiva" do Parlamento Europeu

O Eurobarómetro oferece uma visão geral da opinião dos cidadãos da UE sobre a instituição que vão eleger diretamente em junho que, no espaço de poucos meses, assistiu a votações importantes sobre a reforma da migração, a inteligência artificial e a liberdade dos meios de comunicação social, bem como a um processo judicial contundente contra a Comissão Europeia sobre a libertação de fundos congelados à Hungria.

No entanto, o hemiciclo também foi atingido por um escândalo prejudicial que envolveu um pequeno grupo de legisladores e assistentes que alegadamente aceitaram pagamentos em dinheiro do Qatar e de Marrocos em troca de um tratamento favorável. O chamado caso Qatargate desencadeou um frenesim mediático, com os jornalistas a seguirem todas as detenções, apreensões e confissões.

Mais recentemente, o Parlamento tem-se esforçado por conter as acusações de que alguns dos seus membros foram pagos para difundir propaganda pró-russa.

Apesar da má publicidade, a instituição conseguiu sair praticamente ilesa: 41% dos inquiridos têm uma imagem "positiva" do Parlamento, um aumento de cinco pontos desde a última sondagem realizada entre setembro e outubro.

É a primeira vez que a resposta "positiva" supera a "neutra".

PUBLICIDADE

Em termos de países, Portugal (66%), Dinamarca (59%), Irlanda (59%) e Luxemburgo (53%) registam as taxas mais elevadas de uma imagem "positiva".

A Hungria, país cujo primeiro-ministro sugeriu que o Parlamento Europeu deveria ser destituído de poderes, inclina-se para o lado "positivo" (46%).

O campo "negativo" não é maioritário em nenhum Estado-Membro, mas é visível na República Checa (29%), França (28%), Áustria (24%) e Eslovénia (22%).

No geral, 56% dos cidadãos gostariam que o Parlamento Europeu "desempenhasse um papel mais importante".

O inquérito a nível do bloco também pediu aos participantes para identificarem os quatro tópicos que gostariam que fossem prioritários durante a campanha política em curso.

PUBLICIDADE

A luta contra a pobreza e a exclusão social (33%), a saúde pública (32%), o apoio à economia e a criação de novos empregos (31%) e a defesa e segurança da UE (31%) estão no topo da lista, expondo as ondas de choque causadas pelas principais crises dos últimos anos: a pandemia de covid-19, a invasão da Ucrânia pela Rússia e a inflação recorde.

Outros temas proeminentes são a ação contra as alterações climáticas (27%), o futuro da Europa (26%), a migração e o asilo (24%), a democracia e o Estado de direito (23%) e a política agrícola (23%), todos eles amplamente debatidos pelos legisladores.

Os resultados são bastante semelhantes aos da sondagem exclusiva da Euronews realizada pela Ipsos em março, que colocava a luta contra a subida dos preços, a redução das desigualdades sociais e o apoio ao crescimento económico como as três principais prioridades.

Numa perspetiva mais filosófica, o Eurobarómetro colocou uma pergunta separada sobre os "valores" que os cidadãos gostariam que o Parlamento defendesse. A resposta? A paz e a democracia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Itália prepara-se para negociar com Bruxelas termos da trajetória do ajuste fiscal

Um arquiteto juntou-se a 17 famílias e nasceu a primeira cooperativa de habitação em Madrid

Como motivar a geração mais jovem a votar nas eleições europeias?