EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Países da UE pressionados a reforçarem defesa aérea da Ucrânia com doações

O Alto Representante Josep Borrell presidiu à reunião conjunta dos Ministros dos Negócios Estrangeiros e da Defesa no Luxemburgo.
O Alto Representante Josep Borrell presidiu à reunião conjunta dos Ministros dos Negócios Estrangeiros e da Defesa no Luxemburgo. Direitos de autor Alexandros Michailidis/Alexandros Michailidis
Direitos de autor Alexandros Michailidis/Alexandros Michailidis
De  Jorge Liboreiro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Os países da União Europeia que possuem sistemas de defesa aérea estão a ser pressionados para aumentar a sua ajuda à Ucrânia, naquele que foi um dos temas centrais da reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros e da Defesa, segunda-feira, no Luxembrugo.

PUBLICIDADE

A questão da assistência para defesa aérea adquiriu urgência depois de a Rússia ter renovado intensos ataques com drones e mísseis contra a Ucrânia, destruindo infra-estruturas críticas e edifícios residenciais e matando dezenas de civis.

Durante uma reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros e da Defesa, o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, aumentou a pressão política, pedindo a entrega das baterias de defesa aérea e das munições.

"Precisamos de chamar a atenção para a capacidade dos Estados-membros da União Europeia para aumentar o apoio à Ucrânia", afirmou Borrell à chegada para a reunião.

"Precisamos de fornecer intercetores às baterias que já existem e aumentar o número de baterias. E vamos ver o que os Estados-membros são capazes de fazer para fornecer. Porque nós, em Bruxelas, não temos", acrescentou.

Não excluímos que as infra-estruturas das nossas outras centrais nucleares e as redes de distribuição também estejam ameaçadas pelo terror russo.
Volodymr Zelenskyy
Presidente da Ucrânia

O governo da Alemanha disse que enviaria, este mês, uma terceira bateria Patriot (um sistema avançado fabricado nos EUA que pode intercetar projéteis) e criou uma iniciativa para encorajar outros países a doar defesas aéreas adicionais. No entanto, a promessa de Berlim não foi seguida de compromissos por mais países.

O presidente ucraniano, Volodymr Zelenskyy, avisou que a Rússia iria em breve expandir os ataques aéreos e pediu pelo menos mais sete sistemas Patriot, ou equipamento semelhante.

"Não excluímos que as infra-estruturas das nossas outras centrais nucleares e as redes de distribuição também estejam ameaçadas pelo terror russo", disse Zelenskyy aos líderes da UE, na semana passada.

"Só é possível travar esta situação através da defesa aérea - através de sistemas específicos como o Patriot, o IRIS-T, o SAMP-T, o NASAMS... Sistemas que vocês têm. São necessários na Ucrânia neste momento - necessários para impedir que Putin recorra a métodos terroristas", acrescentou o presidente.

Pressão sobre donos de Patriot

Esta situação aumentou o escrutínio sobre os governos da Espanha, Grécia, Países Baixos e Roménia, os outros Estados-membros da UE que possuem sistemas Patriot. Para além da sua eficácia comprovada, estes sistemas têm a vantagem de serem familiares ao exército ucraniano. No entanto, podem demorar até dois anos a ser fabricados, o que torna mais difícil a sua substituição a curto prazo.

A Polónia também tem dois sistemas Patriot, mas são necessários para a defesa do país, que faz fronteira com a Ucrânia e com o enclave russo de Kaliningrado.

Nesta altura, podemos dizer que nos desviámos de uma bala histórica, mas, infelizmente, muitas mais balas estão a caminho. Por isso, podemos alegrar-nos por um dia, mas temos de estar preparados para a batalha que se avizinha amanhã.
Gabrielius Landsbergis
Ministro dos Negócios Estrangeiros, Lituânia

A ministra dos Negócios Estrangeiros neerlandesa, Hanke Bruins Slot, afirmou que o seu país está a analisar "todo o tipo de possibilidades" e manifestou o seu apoio à nova iniciativa da Alemanha. Mas advertiu que seria "difícil" esgotar as reservas do país.

Questionado sobre se a Espanha iria contribuir, o ministro José Manuel Albares Bueno evitou uma resposta direta e disse que a Espanha estaria "sempre" ao lado da Ucrânia.

"Estamos muito conscientes da necessidade de sistemas de defesa aérea e, em particular, de sistemas Patriot. A Espanha fez sempre tudo o que estava ao seu alcance", acrescentou.

Pacote dos EUA em boa hora

A reunião ocorreu pouco depois de o Congresso dos EUA ter aprovado, ao fim de muitos meses de impasse, o projeto de lei que liberta 61 mil milhões de dólares (57,4 mil milhões de euros) para fornecer equipamento de guerra à Ucrânia. 

O avanço foi recebido com mensagens de celebração pelos líderes da UE, que se têm esforçado por compensar a ausência de apoio norte-americano e receiam que a escassez enfrentada pelas forças armadas ucranianas possa fortalecer a Rússia.

Mas o facto de a ajuda dos EUA estar de volta não significa que a UE deva recuar e reduzir os seus esforços, alertaram os ministros.

PUBLICIDADE

"Nesta altura, podemos dizer que nos desviámos de uma bala histórica, mas, infelizmente, muitas mais balas estão a caminho. Por isso, podemos alegrar-nos por um dia, mas temos de estar preparados para a batalha que se avizinha amanhã. Não podemos baixar os braços, não podemos parar a assistência", afirmou o lituano Gabrielius Landsbergis.

O Ministro da Defesa da Suécia, Pål Jonson, fez eco do apelo, apontando a evolução da guerra e os pequenos avanços efetuados pelas tropas russas nas últimas semanas: "O desafio está agora nas forças terrestres, a trajetória está a ir na direção errada", disse aos jornalistas.

A NATO também discutiu a questão, na semana passada, durante uma reunião por videoconferência, com representantes ucranianos. O secretário-geral, Jens Stoltenberg, afirmou que os aliados "planearam" as capacidades atuais dos sistemas aéreos e que seriam feitos novos anúncios "em breve".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Guerra na Ucrânia: qual o impacto do pacote de 61 mil milhões de dólares dos EUA?

Reino Unido anuncia aumento de gastos com Defesa para 2,5% do PIB

Zelenskyy agradece aos EUA depois da Câmara aprovar projeto de lei com ajuda à Ucrânia