EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Inútil": Conservadores europeus recusam-se a apresentar candidato principal nas eleições de junho

Os membros do Parlamento Europeu a favor da votação do Grupo ECR durante uma sessão plenária em Estrasburgo,
Os membros do Parlamento Europeu a favor da votação do Grupo ECR durante uma sessão plenária em Estrasburgo, Direitos de autor Alexis HAULOT/ European Union 2023 - Source : EP
Direitos de autor Alexis HAULOT/ European Union 2023 - Source : EP
De  Mared Gwyn Jones
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O partido de direita Conservadores e Reformistas Europeus (ECR) confirmou que não vai apresentar um candidato principal nas eleições europeias de junho, considerando o processo "inútil".

PUBLICIDADE

Em comunicado à imprensa, o partido afirmou que a decisão se baseia na sua posição de longa data de que o chamado processo Spitzenkandidaten não é adequado para o efeito.

A decisão foi tomada após a adoção do manifesto eleitoral do partido em Estrasburgo, na terça-feira à noite, numa reunião presidida pela sua presidente, a primeira-ministra italiana Giorgia Meloni, na qual participou também o antigo primeiro-ministro polaco Mateusz Morawiecki.

O processo Spitzenkandidaten, que prevê que cada grande partido político apresente um candidato principal para presidir à Comissão Europeia, foi arruinado em 2019, quando Ursula von der Leyen foi colocada no papel apesar de não ter feito campanha.

Esta decisão levou muitos, nomeadamente os conservadores de extrema-direita, a declarar o processo como morto.

"Ao recusar-se a nomear um candidato para a posição de topo, o ECR está a enviar um forte sinal de que o partido se mantém fiel à sua linha de nunca ter sido a favor do sistema Spitzenkandidat", lê-se na declaração do partido.

Acrescenta que o próprio partido de von der Leyen, o Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita, defendeu o processo antes de se desviar dele, "mostrando que toda a abordagem é inútil".

O eurodeputado checo Jan Zahradil, que se candidatou ao Spitzenkandidat do ECR em 2019 e agora é vice-presidente do grupo, disse no X: "Apoio totalmente a decisão de não avançar desta vez".

"Em 2019, o sistema "spitzenkandidat" falhou. Agora, é apenas um exercício redundante de flexão muscular do PE, que ultrapassa os Tratados, tentando exagerar o Conselho", acrescentou.

Mas fontes internas do partido, que falaram com a Euronews sob condição de anonimato, disseram que os 20 partidos membros do grupo tinham opiniões significativamente diferentes sobre a mudança, com algumas delegações a defenderem um candidato principal para liderar a campanha do partido antes de junho.

O partido ECR reúne 20 partidos de extrema-direita e conservadores de todo o bloco, incluindo o Fratelli d'Italia de Itália, o Vox de Espanha e o partido Lei e Justiça (PiS) da Polónia.

Prevê-se que ganhe cerca de 75 lugares, mais sete do que atualmente, nas eleições de junho, impulsionado pela popularidade dos Fratelli d'Italia, cuja líder Giorgia Meloni estabeleceu uma relação estreita com von der Leyen e ganhou o respeito do centro-direita europeu.

O PPE, de centro-direita, não excluiu a possibilidade de um acordo de cooperação com o ECR na próxima legislatura. Mas as linhas vermelhas do PPE em relação a potenciais parceiros significam que seria pouco provável que o fizesse se o ECR acolhesse o partido Fidesz de Viktor Orbán, que está atualmente sem grupo no Parlamento Europeu e que, segundo os rumores, está em conversações com o ECR.

Pacto Ecológico e migração em foco

Na declaração, o partido também afirma que o Pacto Ecológico - um pacote de legislação abrangente destinado a tornar a Europa o primeiro continente com impacto neutro no clima - "deve ser virado do avesso"

"O ECR quer apoiar uma estratégia climática mais equilibrada e localizada que não esqueça as pessoas comuns, dê prioridade ao bem-estar socioeconómico e deixe de negligenciar as preocupações dos agricultores, criadores e pescadores, cidadãos e empresas", acrescenta.

Nos últimos meses, o Pacto Ecológico tem sido alvo de críticas após uma onda de protestos em massa entre os agricultores europeus, que consideram que as exigências ambientais excessivas estão a reduzir os seus lucros. Os partidos políticos capitalizaram fortemente o seu descontentamento para ganhar pontos políticos antes do escrutínio de junho.

Apesar de os agricultores de todo o bloco também lamentarem o impacto negativo dos acordos de comércio livre nos seus meios de subsistência, o ECR também afirma que defenderá "melhores relações comerciais globais com uma ampla gama de parceiros e diversificação para reduzir dependências excessivas e fortalecer a competitividade".

No que se refere à migração, considerada uma das prioridades do partido, o PE apela a "uma estratégia global de segurança das fronteiras que abranja todos os pontos de entrada possíveis, incluindo as fronteiras aéreas, terrestres e marítimas".

Os eurodeputados do partido votaram predominantemente a favor do recente Pacto sobre Migração, aprovado por pouco no mês passado pelo Parlamento, apesar da revolta dos seus membros polacos.

PUBLICIDADE

O manifesto deverá também apelar à redução dos poderes de Bruxelas e à defesa da soberania nacional.

"O nosso primeiro objetivo será defender as nossas nações contra as tentativas de as privar de poderes. O nosso mantra é 'fazer menos, fazer melhor'", afirmou Meloni durante a reunião de terça-feira.

Morawiecki afirmou que a ECR defende "uma Europa feita de nações" e rejeitou a "mudança para um super-Estado com capital em Bruxelas".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Análise: Centro-direita europeu mantém a porta entreaberta aos populistas

Europeias 2024: Candidatos à Presidência da Comissão Europeia em debate

Reconhecimento do Estado da Palestina é único caminho para a paz, diz primeiro-ministro da Irlanda