EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Jogada arriscada ou estratégia calculada? O que dizem os analistas da decisão de Macron

Macron dissolve as a assembleia
Macron dissolve as a assembleia Direitos de autor Lewis Joly/AP
Direitos de autor Lewis Joly/AP
De  Sophia Khatsenkova
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A correspondente da Euronews em Paris, Sophia Khatsenkova, traz-lhe a análise da imprensa francesa à decisão de Macron de dissolver o parlamento.

PUBLICIDADE

A decisão de domingo do Presidente francês Emmanuel Macron de dissolver a Assembleia Nacional é “histórica e totalmente inesperada”, segundo a imprensa francesa.

É uma estratégia muito arriscada para Macron, de ganhar ou perder.

Recorde-de que o partido do Presidente francês, o Renaissance, perdeu a maioria parlamentar nas últimas eleições, em 2022.

Estas eleições antecipadas podem trazer ainda mais perdas para o partido de Macron.

A mudança pode ainda fazer de Jordan Bardella, o vencedor das eleições europeias de domingo, o novo primeiro-ministro de França, se a extrema-direita tiver bons resultados - levando ao que os franceses chamam de período de coabitação com o Presidente Macron.

Os analistas acreditam que esta pode ser uma jogada de Macron para forçar o tradicional partido de direita Les Républicains a forjar uma aliança com a sua coligação liberal.

Outros pensam que se trata de uma tática ainda mais maquiavélica: o Presidente poderá estar à espera que a extrema-direita chegue ao poder e se torne impopular antes das eleições presidenciais de 2027.

O líder francês apresentou estas eleições como uma escolha para os franceses: querem mesmo um governo de extrema-direita?

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quem é Jordan Bardella, o político francês de extrema-direita de 28 anos?

Democratas-cristãos e socialistas continuam em maioria no Parlamento Europeu

França: extrema-direita de Le Pen consegue vitória histórica, Macron anuncia eleições antecipadas