EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

UE quer agravar impostos aos automóveis elétricos chineses para tentar colmatar a concorrência desleal

A BYD, um produtor chinês de veículos eléctricos a bateria, pretende conquistar 5% da quota de mercado da UE.
A BYD, um produtor chinês de veículos eléctricos a bateria, pretende conquistar 5% da quota de mercado da UE. Direitos de autor Cyril Zingaro/KEYSTONE / Cyril Zingaro
Direitos de autor Cyril Zingaro/KEYSTONE / Cyril Zingaro
De  Jorge Liboreiro
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O inquérito anti-subvenções da Comissão Europeia aos veículos eléctricos chineses foi descrito como um dos mais importantes do seu género.

PUBLICIDADE

Os veículos eléctricos a bateria (BEV na sigla em inglês) fabricados na China serão em breve sujeitos a novos direitos de importação quando entrarem no mercado sem fronteiras da União Europeia, onde a procura por estes veículos mais amigos do ambiente aumentou nos últimos anos.

A Comissão Europeia anunciou esta quarta-feira a primeira decisão provisória no âmbito do seu inquérito anti-subvenções para os BEV fabricados na China, divididos por marcas:

  • BYD: 17,4%
  • Geely: 20%
  • SAIC: 38,1%
  • Outros fabricantes de veículos elétricos na China que colaboraram no inquérito, mas que não foram objeto de uma amostragem individual: 21%.
  • Outros fabricantes de BEV na China que não colaboraram no inquérito: 38.1%

As medidas serão introduzidas no início de julho se a China não apresentar soluções convincentes para remediar as suas práticas comerciais desleais de longa data.

O nível de tributação será acrescido à tarifa de importação existente de 10% e desafia as expectativas da indústria de 20%, o que sugere que as conclusões da Comissão são bastante prejudiciais.

Isto significa que tanto as marcas chinesas como as ocidentais que têm fábricas no país asiático serão afetadas pelo aumento das taxas, embora não de forma igual. A principal empresa sob escrutínio foi a BYD, sediada em Shenzhen, que pretende conquistar 5% do mercado de BEV do bloco.

Entretanto, a Tesla, um dos principais actores neste domínio, apresentou um “pedido fundamentado” e poderá obter a sua taxa personalizada ainda este ano.

"Esta decisão baseia-se em elementos de prova claros da nossa investigação exaustiva e no pleno respeito das regras da OMC. Iremos agora contactar as autoridades chinesas e todas as partes com vista a finalizar este inquérito", afirmou Valdis Dombrovskis, Vice-Presidente Executivo da Comissão responsável pelo comércio.

“O nosso objetivo é restabelecer as condições de concorrência equitativas e garantir que o mercado europeu continue aberto aos produtores de veículos eléctricos da China, desde que estes respeitem as regras comerciais acordadas a nível mundial”, acrescentou.

Bruxelas está profundamente preocupada com o facto de, devido às generosas injecções de subsídios de Pequim, as empresas europeias não conseguirem competir com os fabricantes chineses e acabarem por ser expulsas deste sector cada vez mais lucrativo, como aconteceu com os painéis solares.

As vendas de BEVs fabricados na China cresceram rapidamente: de 57 000 novas unidades vendidas em 2020 para mais de 437 000 em 2023, de acordo com o Eurostat, incluindo modelos de empresas ocidentais como a BMW, a Renault e a Tesla. Durante o mesmo período, o valor destas transacções aumentou de 631 milhões de euros para 9,66 mil milhões de euros.

Um estudo da Transport and Environment (T&E) indica que a quota de mercado das marcas chinesas no mercado de veículos elétricos da UE aumentou de 0,4% em 2019 para 7,9% em 2023 e poderá ultrapassar os 20% em 2027, se a tendência se mantiver.

A Comissão já estabeleceu a existência de auxílios estatais multifacetados na China, que assumem a forma de subvenções, empréstimos baratos, créditos apoiados pelo Estado, reduções fiscais, isenções de IVA e descontos nos preços de bens e serviços, entre outros.

O objetivo da investigação, lançada formalmente em outubro, após o discurso de Ursula von der Leyen sobre o Estado da União, é determinar se esta assistência poderá, no futuro, causar "prejuízo" à indústria da UE. Por outras palavras, perdas insustentáveis de volumes de vendas, margens de lucro e quotas de mercado.

A decisão provisória anunciada na quarta-feira indica que a Comissão acredita que a ameaça é real e que são necessárias medidas radicais para evitar o pior.

É quase certo que esta medida desencadeará a fúria de Pequim. O país afirmou que não vai "ficar de braços cruzados" perante a introdução de taxas, apontando o dedo aos sectores da agricultura e da aviação da UE como alvos de retaliação.

PUBLICIDADE

A diferença de preços

Os direitos aduaneiros adicionais destinam-se a tornar os BEV fabricados na China mais caros para venda no bloco e a aproximar os seus preços finais dos dos seus rivais europeus, com o objetivo último de criar uma concorrência leal.

Resta saber até que ponto a diferença será reduzida.

As empresas chinesas vendem os seus elétricos na Europa a um preço muito mais elevado do que no seu país, um fenómeno que o Rhodium Group descreveu como o "prémio da UE". Este facto deixa-lhes uma ampla margem de manobra para acomodar os direitos aduaneiros, que poderiam ser absorvidos internamente sem conduzir necessariamente a um aumento dos preços no consumidor.

Para além dos auxílios estatais, os produtores chineses também beneficiam de baixos custos de mão de obra e de energia, de um acesso fácil às matérias-primas e de um ecossistema robusto para a produção de baterias. Além disso, a economia chinesa está a atravessar um período de abrandamento, alimentado pela fraca procura interna, o que fez com que as empresas dependessem ainda mais das exportações para o estrangeiro.

PUBLICIDADE

"Provavelmente, seriam necessários direitos aduaneiros na ordem dos 40-50% - possivelmente ainda mais elevados para os fabricantes verticalmente integrados, como a BYD - para tornar o mercado europeu pouco atrativo para os exportadores chineses de veículos eléctricos", afirmou o Rhodium Group num relatório de abril.

No entanto, a imposição de uma tarifa tão elevada seria arriscada para Bruxelas, uma vez que os Estados-membros continuam divididos quanto ao grau de exigência com que o bloco deve combater as práticas desleais de Pequim.

Em novembro, as medidas provisórias serão submetidas a uma votação entre os Estados-membros para as tornar permanentes. Neste caso, será necessária uma maioria qualificada para anular as medidas, um limiar que raramente é atingido, mas certamente não é impossível.

Todas as atenções estarão viradas para a Alemanha, um dos principais exportadores mundiais de automóveis que, ao longo de décadas, expandiu a sua presença na China e aumentou a sua dependência do mercado.

PUBLICIDADE

A Associação Alemã da Indústria Automóvel (VDA), apoiada por empresas como a BMW, a Mercedes-Benz e a Volkswagen, já deixou clara a sua oposição a tarifas adicionais, argumentando que estas não serão "adequadas para reforçar a competitividade da indústria automóvel europeia" e poderão desencadear um "grande conflito comercial".

A pressão da indústria, associada às divisões no seio da coligação tripartida do Chanceler Olaf Scholz, indica que Berlim votará contra as tarifas em novembro.

A Hungria, que atraiu investimentos da BYD, também é considerada um adversário garantido. Outros países de espírito liberal, como a Suécia e a Irlanda, manifestaram reservas, mas sem se oporem explicitamente aos direitos.

Do outro lado do debate, a França, cujas empresas de fabrico de automóveis estão menos expostas ao mercado chinês, é amplamente considerada como o principal apoiante. A Itália manifestou recentemente o seu apoio à iniciativa e apelou a que a UE seguisse o exemplo dos Estados Unidos, onde o Presidente Joe Biden anunciou a aplicação de tarifas de 100% aos elétricos fabricados na China.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Veículos elétricos poderão fomentar guerra comercial UE-China?

Fabricantes europeus de automóveis elétricos lutam para recuperar o atraso em relação à China

Chinesa BYD ultrapassa Tesla na venda de elétricos pela primeira vez