EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Dirigentes da UE reúnem-se em Bruxelas para decidir cargos de topo. Estes são os principais candidatos - e um é português

Ursula von der Leyen e Kaja Kallas estão entre os candidatos aos lugares de topo da UE.
Ursula von der Leyen e Kaja Kallas estão entre os candidatos aos lugares de topo da UE. Direitos de autor Europea Union, 2023.
Direitos de autor Europea Union, 2023.
De  Jorge LiboreiroAida Sanchez Alonso
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

A distribuição dos cargos de topo é o próximo capítulo após as eleições para o Parlamento Europeu.

PUBLICIDADE

O jogo das negociações pós-eleitorais enfrenta o seu primeiro teste esta segunda-feira, quando os líderes da União Europeia se reunirem em Bruxelas para discutir, e possivelmente atribuir, os principais cargos do bloco.

Durante a cimeira informal, os 27 chefes de Estado e de Governo discutirão quem deverá ser o próximo Presidente da Comissão Europeia, Presidente do Conselho Europeu e Alto Representante para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança.

Tradicionalmente, as negociações têm sido um ato de malabarismo delicado: a distribuição dos cargos de topo tem de ter em conta as filiações políticas, as origens geográficas e o equilíbrio de género para garantir o maior apoio possível.

Em 2019, a seleção foi feita após vários dias de disputas, incluindo uma maratona que durou toda a noite e deixou os líderes visivelmente exaustos.

Desta vez, Bruxelas poderá ter um percurso mais fácil.

No rescaldo das eleições, surgiu um consenso mais rápido do que muitos tinham previsto: Ursula von der Leyen para a Comissão, António Costa para o Conselho e Kaja Kallas para Alta Representante.

"Esta é a direção a seguir", disse um diplomata, sob condição de anonimato. "Há um interesse claro em obter clareza e previsibilidade rapidamente".

Outro diplomata sugeriu que o ritmo acelerado com que o pacote foi reunido se deveu principalmente à falta de alternativas credíveis das partes.

Embora haja grandes esperanças de uma resolução rápida, o acordo final poderá não ser selado no jantar desta segunda-feira e ser adiado para a cimeira formal de 27 de junho.

Eis o ponto da situação.

Comissão Europeia: Ursula von der Leyen

Ursula von der Leyen quer liderar a Comissão Europeia num segundo mandato.
Ursula von der Leyen quer liderar a Comissão Europeia num segundo mandato.União Europeia, 2024.

Desde que anunciou a sua candidatura à reeleição , em fevereiro, Ursula von der Leyen tem sido considerada a principal candidata à Comissão Europeia. A alemã de 65 anos conduziu o executivo em crises sucessivas nos últimos cinco anos, assegurando simultaneamente que a atividade legislativa mantinha a sua ambição inicial.

A sua forma de trabalhar fortemente centralizada, o seu ambicioso Pacto Ecológico, a sua reação irrefletida aos protestos dos agricultores e, fundamentalmente, a sua resposta inicial à guerra entre Israel e o Hamas, em que foi fotografada a apertar a mão ao primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu, foram em tempos considerados obstáculos no seu caminho para um segundo mandato.

Mas a vitória esmagadora do seu Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita, nas eleições de junho, com 190 lugares, pôs de lado essas preocupações. Von der Leyen já encetou negociações com os socialistas e os liberais para construir uma coligação centrista para os próximos cinco anos, sem envolver formalmente os colegas de direita de Giorgia Meloni.

Von der Leyen, que é membro efetivo do Conselho Europeu, estará presente na cimeira de segunda-feira, mas recusará a sua presença quando se iniciar a discussão sobre os cargos de topo. Se obtiver a bênção dos líderes, terá de enfrentar mais tarde um interrogatório no Parlamento Europeu, em que precisará do apoio da maioria dos deputados recém-eleitos - 361 votos - para garantir o cargo.

Antes das eleições, Bruxelas fervilhava de especulações sobre possíveis alternativas a von der Leyen. Outros líderes do PPE, como o croata Andrej Plenković, o romeno Klaus Iohannis e o grego Kyriakos Mitsotakis, foram citados, juntamente com Roberta Metsola, a atual presidente do Parlamento Europeu.

PUBLICIDADE

O antigo primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, foi outra das alternativas que atraíram mais manchetes. Mas a proposta, amplamente atribuída a funcionários franceses como um estratagema para obter concessões de von der Leyen, foi sempre rebuscada: Draghi não está filiado em nenhum partido político e a sua nomeação iria perturbar completamente o jogo das negociações.

Conselho Europeu: António Costa

António Costa foi primeiro-ministro de Portugal.
António Costa foi primeiro-ministro de Portugal.União Europeia

Os Socialistas e Democratas (S&D) ficaram num distante segundo lugar nas eleições europeias, com 136 lugares. Mas o resultado não lhes retira as ambições.

A família de centro-esquerda tem na mira a presidência do Conselho Europeu, um cargo que não tem poderes legislativos mas que adquire especial relevância em tempos de crise, quando os líderes se reúnem de emergência para tomar decisões fundamentais.

O atual titular é Charles Michel, um liberal belga, que não pode ser reeleito depois de cumprir dois mandatos consecutivos de dois anos e meio. A liderança de Michel tem provocado divisões: a sua tentativa falhada de concorrer como candidato nas eleições europeias do início deste ano saiu furada e expôs os perigos de nomear alguém relativamente jovem (e ambicioso) para dirigir o Conselho Europeu.

PUBLICIDADE

Os socialistas sentiram uma abertura e avançaram com o nome de um veterano: António Costa, o político de 62 anos que foi primeiro-ministro de Portugal entre 2015 e 2024. Durante o seu mandato, Costa foi muito apreciado pelos seus colegas dirigentes pela sua atitude construtiva e caráter acessível.

Mas a sua permanência no poder foi interrompida em novembro de 2023, quando se demitiu depois de vários membros do seu gabinete terem sido acusados de corrupção e tráfico de influências na concessão de projetos de extração de lítio, hidrogénio verde e centros de dados. Costa é suspeito de ter permitido alguns destes negócios irregulares.

Pouco depois da sua demissão, o Ministério Público admitiu ter confundido o nome de António Costa com o do Ministro da Economia, António Costa Silva, na transcrição das escutas telefónicas. Este e outros erros prejudicaram o processo judicial, criando a impressão entre os diplomatas em Bruxelas de que o nome de Costa acabará por ser limpo.

Se os dirigentes da UE tivessem dúvidas, uma alternativa socialista poderia ser a dinamarquesa Mette Frederiksen, mas esta negou qualquer interesse num cargo de topo. Mario Draghi também tem sido apontado para o Conselho, sendo que a sua seriedade seria uma mais-valia.

PUBLICIDADE

Alta Representante: Kaja Kallas

Kaja Kallas pressionou a UE a adotar sanções mais duras contra a Rússia.
Kaja Kallas pressionou a UE a adotar sanções mais duras contra a Rússia.Virginia Mayo/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.

A família liberal Renovar a Europa, que passou de 102 para 80 lugares nas eleições europeias, também quer assegurar um lugar de topo, apesar do seu desempenho dececionante.

Os socialistas estão concentrados no Conselho, deixando os liberais com o cargo de Alto Representante para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança. O cargo tem vindo a ganhar importância à medida que o bloco se debate com crises globais, mas a sua eficácia continua a ser limitada pelo princípio da unanimidade.

O atual titular é Josep Borrell, um socialista convicto que tem frustrado frequentemente os diplomatas por sair do guião e exprimir pontos de vista pessoais que não são partilhados pelos 27.

A geografia será o fator-chave na escolha do seu sucessor. Com a Comissão e o Conselho a serem dirigidos, respetivamente, para a Europa Ocidental e para a Europa do Sul, a ideia é que o Alto Representante seja atribuído a um representante do Leste.

PUBLICIDADE

O duplo critério da Europa liberal e da Europa de Leste reduz consideravelmente a lista de candidatos e coloca a primeira-ministra estónia, Kaja Kallas, na linha da frente. Nos últimos dois anos, Kallas tornou-se uma voz de liderança na resposta da UE à invasão russa da Ucrânia, instando o bloco a adotar sanções mais duras contra o Kremlin e castigando os aliados ocidentais que não entregam as munições prometidas a Kiev.

As suas políticas já foram consideradas demasiado duras e centradas no Báltico, mas a realidade brutal da guerra mudou o debate a seu favor. É agora uma séria candidata a ser a próxima chefe da política externa da UE. Se for nomeada, terá de provar que também é capaz de falar de forma convincente sobre outras regiões, como a África, o Médio Oriente e a América Latina.

"Ela não é uma linha vermelha para ninguém", disse um diplomata. "A posição de Alto Representante é largamente determinada pelo mandato dado pelos Estados-membros."

Outro candidato liberal é o belga Alexander De Croo, que se demitiu recentemente do cargo de primeiro-ministro, mas as suas origens na Europa Ocidental podem jogar contra ele. Radosław Sikorski, um antigo eurodeputado que agora é ministro dos Negócios Estrangeiros da Polónia e é um defensor declarado da Ucrânia, encaixa-se no perfil de Alto Representante. No entanto, está filiado no PPE, pelo que a sua nomeação faria com que os líderes voltassem ao quadro com as várias opções.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

4.500 pessoas marcham em Bruxelas em protesto contra a ideologia de extrema-direita

Von der Leyen recusa participar no debate entre líderes sobre os cargos de topo da UE

Presidente da França em risco de perder influência ao nível da UE