EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Von der Leyen recusa participar no debate entre líderes sobre os cargos de topo da UE

Ursula von der Leyen é a primeira candidata indiscutível à presidência da Comissão Europeia.
Ursula von der Leyen é a primeira candidata indiscutível à presidência da Comissão Europeia. Direitos de autor European Union, 2024.
Direitos de autor European Union, 2024.
De  Jorge Liboreiro
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Ursula von der Leyen não vai estar presente na reunião dos líderes da UE, segunda-feira, em Bruxelas, para discutir os cargos mais importantes nas instituições, após os resultados das eleições europeias.

PUBLICIDADE

Ursula von der Leyen, atual presidente da Comissão Europeia que pretende assegurar um segundo mandato depois do seu partido (PPE) ter vencido as eleições europeias, vai retirar-se da sala quando os dirigentes se reunirem, na segunda-feira, para uma discussão informal sobre os principais cargos da União Europeia.

Estas negociações são o capítulo imediatamente a seguir às eleições para o Parlamento Europeu e irão decidir a liderança política do bloco para os próximos cinco anos.

Os cargos em debate são o de presidente da Comissão Europeia, o de presidente do Conselho Europeu e o de Alto Representante para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança.

A distribuição deve ser feita - pelo menos, em teoria - de acordo com os resultados das eleições, tendo em conta o equilíbrio político, geográfico e de género.

Com o Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita, a obter uma vitória confortável de 190 lugares, a sua principal candidata, Ursula von der Leyen, está na primeira posição para garantir o apoio necessário dos 27 líderes e cimentar a sua recandidatura.

Mas será que os chefes de Estado e de Governo vão decidir o seu futuro na sua presença?

Não exatamente. Na segunda-feira, von der Leyen participará apenas na troca de pontos de vista com a presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, que tradicionalmente dá início a todas as cimeiras, e num debate sobre a agenda estratégica do bloco, uma declaração em preparação sobre as prioridades políticas para os próximos cinco anos.

Depois disso, Roberta Metsola abandonará a sala.

Jantar só com chefes de governo e de Estado

"Seguir-se-á um jantar, que será apenas para os líderes, onde o tema em debate serão os cargos de topo da União Europeia e onde a presidente não estará presente. É só para dirigentes", afirmou um porta-voz da Comissão, esta sexta-feira.

A presença, ou ausência, de von der Leyen durante a cimeira informal foi alvo de especulaçãonos últimos dias, em especial devido à sua rivalidade de longa data com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, que, na qualidade de anfitrião, define a agenda.

A sua relação de trabalho deteriorou-se após o chamado Sofagate, um fiasco protocolar que fez manchetes internacionais em 2021. Desde então, nunca mais recuperou.

Michel, cujo mandato é limitado por mandatos, foi acusado de tentar sabotar a reeleição de von der Leyen, algo negado pelo porta-voz de Michel.

Von der Leyen é muito apreciada entre os membros do Conselho Europeu, pelo que a sua seleção está quase garantida. Se não for já na segunda-feira, então deevrá ser a 27 de junho, quando os líderes da UE se reunirem para uma cimeira formal.

Depois disso, a sua nomeação será objeto de uma audição no Parlamento Europeu, onde precisará de 361 votos a favor do total de 720 eurodeputados. Esta segunda fase é mais complicada e envolverá intensas conversações com os principais partidos pró-europeus: os socialistas, os liberais e, possivelmente, os Verdes.

A presidência do Conselho Europeu deverá ser atribuída aos socialistas, enquanto os liberais, que sofreram perdas nas eleições, deverão ficar com o cargo de Alto Representante para a Política Externa.

O debate para este último cargo, que equivale a chefe da diplomacia da UE, poderá revelar-se difícil durante o jantar dos líderes, uma vez que dois dos atuais membros, Kaja Kallas, primeira-ministra da Estónia, e Alexander De Croo, primeiro-ministro demissionário da Bélgica, são considerados candidatos credíveis para Alto Representante.

Coincidentemente, Kallas e De Croo foram designados pela família liberal para liderar as negociações políticas na segunda-feirsa. Donald Tusk, líder da Polónia, e Kyriakos Mitsotakis, líder da Grécia, representarão o PPE, enquanto Olaf Scholz, chanceler da Alemanha, e Pedro Sánchez, primeiro-ministro de Espanha, falarão em nome dos socialistas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os Verdes não apoiarão von der Leyen sem convite para uma grande coligação

Socialistas só apoiarão von der Leyen se PPE bloquear extrema-direita

António Costa já foi ouvido pelo Ministério Público na Operação Influencer