EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Estar (lá) ou não estar? Bruxelas em desacordo sobre a presença de von der Leyen

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, durante uma cimeira da UE em Bruxelas, a 27 de outubro de 2023.
A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, durante uma cimeira da UE em Bruxelas, a 27 de outubro de 2023. Direitos de autor AP Photo/Omar Havana
Direitos de autor AP Photo/Omar Havana
De  Alice TideyGerardo Fortuna
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os dirigentes da UE, reunidos em Bruxelas na próxima semana, vão começar a discutir quem deve ocupar os lugares de topo, incluindo o cargo de chefe da Comissão, que Ursula von der Leyen ocupa há cinco anos e que gostaria de prolongar por mais um mandato.

PUBLICIDADE

Deverá Ursula von der Leyen participar na reunião dos dirigentes da UE em que se discutirá a sua eventual recondução como Presidente da Comissão? Esta é a última questão que parece estar a dividir o Conselho Europeu e a Comissão.

A 17 de junho, os dirigentes da UE reúnem-se num jantar informal para discutir o próximo ciclo institucional de cinco anos e, sobretudo, debater sobre os cobiçados cargos de topo da UE, como os próximos presidentes do Conselho Europeu, do Parlamento e da Comissão, bem como o próximo Alto Representante para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança.

Ursula von der Leyen, a atual chefe da Comissão e principal candidata do partido de centro-direita PPE, que obteve um confortável primeiro lugar nas eleições europeias do passado fim de semana, considera que deve participar nesta reunião que decidirá o seu futuro.

"Compreendemos que se trata de um jantar informal dos membros do Conselho Europeu, do qual faz parte a Presidente da Comissão, pelo que esperamos que ela esteja presente", afirmou um porta-voz da Comissão aos jornalistas na segunda-feira.

Os líderes da UE, que constituem o resto do Conselho Europeu, não têm tanta certeza.

De acordo com um diplomata da UE, que falou sob condição de anonimato, a maioria dos 23 Chefes de Estado, ou de Governo, com quem o Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, manteve conversações preferia que ela não estivesse presente.

"A grande maioria dos dirigentes prefere que o debate se efetue à porta fechada, sem a presença de candidatos, de modo a permitir uma troca de impressões franca", afirmou o diplomata.

Um segundo grupo, mais pequeno, não manifestou qualquer preferência, enquanto um "grupo muito pequeno" é a favor da presença de von der Leyen, segundo o diplomata.

Von der Leyen enfrenta um caminho mais difícil para ser nomeada

Esta é apenas a terceira vez que se realiza uma reunião informal deste tipo para os dirigentes discutirem quem deve ocupar os cargos mais importantes da UE.

Os antigos presidentes da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso e Jean-Claude Juncker , participaram nas reuniões de 2014 e 2019, respetivamente, mas ambos já se tinham excluído da corrida.

Von der Leyen, no entanto, está ativamente a fazer campanha para um segundo mandato como presidente da Comissão, o poderoso braço executivo da UE.

De acordo com o sistema spitzenkandidaten, em que o candidato escolhido pelo partido antes das eleições deve assegurar o cargo se obtiver o maior número de lugares, Von der Leyen deverá ser eleita.

O PPE conquistou 185 dos 720 lugares do Parlamento Europeu, quase mais 50 do que os seus rivais mais próximos, os Socialistas e Democratas, de esquerda.

Mas a nomeação real permanece nas mãos dos líderes, que podem, como fizeram em 2019, decidir não respeitar o sistema spitzenkandidaten e tirar um nome da cartola, resultando, precisamente, na nomeação de von der Leyen em vez do então candidato principal do PPE, Manfred Weber.

Entre os nomes que circulam em Bruxelas como possível substituto de von der Leyen, que terá caído em desgraça com o Presidente francês Emmanuel Macron, está o do antigo Primeiro-Ministro italiano e Presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi.

A nomeação dos líderes para o cargo de Presidente da Comissão é apenas o primeiro obstáculo. O nomeado tem de ser aprovado por uma maioria de legisladores europeus, o que von der Leyen conseguiu em 2019 com uma maioria muito reduzida de apenas nove votos.

Von der Leyen, cujo flirt com partidos eurocépticos de extrema-direita durante a sua campanha não passou despercebido aos tradicionais aliados pró-UE do PPE, poderá ter ainda mais dificuldade em conseguir isso desta vez.

Charles Michel vai, entretanto, abandonar o cargo em outubro, uma vez que o seu mandato de dois anos e meio consecutivos, previsto nos Tratados para o cargo de Presidente do Conselho Europeu, está no limite.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições europeias: os vencedores e os vencidos em Bruxelas e em toda a Europa

Presidente da Argentina recebe medalha de ouro em Madrid, sem direito a honras de Estado

Barcelona vai acabar com o Alojamento Local. Em Portugal, medidas do “Mais Habitação” são revogadas