EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Eleições em França: extrema-direita de Le Pen está no topo - mas o que acontece a seguir?

Marine Le Pen
Marine Le Pen Direitos de autor Thibault Camus/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Thibault Camus/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Robert Hodgson
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

As desistências e as votações táticas sugerem que ainda há muito a disputar na segunda volta das eleições legislativas em França, no próximo domingo.

PUBLICIDADE

Um em cada três eleitores franceses apoiou o Rassemblement National, da extrema-direita de Marine Le Pen, na primeira volta das eleições antecipadas convocadas pelo presidente Emmanuel Macron.

Mas o espetáculo ainda não acabou, dado o sistema eleitoral único que rege a eleição da Assembleia Nacional de França.

A votação foi convocada depois de a coligação liberal de Macron ter tido um desempenho desastroso nas eleições para o Parlamento Europeu, há três semanas, e pouco contribui para inverter a maré a favor do presidente sitiado.

Ao dissolver prontamente a câmara baixa do parlamento francês assim que os resultados da UE foram conhecidos, Macron desafiou efetivamente os cidadãos a decidirem se estão preparados para serem governados por um partido nacionalista que agora envia 30 eurodeputados para Bruxelas.

A resposta parece ser afirmativa. Com os novos aliados dos Republicanos divididos - também derrotados nas eleições europeias - o partido anteriormente conhecido como Frente Nacional aumentou a sua quota de votos em quase dois pontos percentuais, para 33,1%.

A França é um dos dois únicos países da Europa que não utilizam o sistema de representação proporcional nas suas eleições parlamentares; o outro é o Reino Unido.

Mas os dois sistemas não são exatamente iguais. A França ainda tem uma segunda volta das eleições, a 7 de julho, e, com 577 lugares em disputa, ainda há muito para jogar.

O Reino Unido, em contraste com os seus aliados do outro lado da Mancha, deverá eleger um governo trabalhista de centro-esquerda na quinta-feira (4 de julho), de acordo com o seu sistema de votação por círculos eleitorais.

Mas em França, os candidatos só podem ganhar um círculo eleitoral na primeira volta se obtiverem uma maioria absoluta apoiada por pelo menos 25% dos eleitores recenseados.

Historicamente, foram poucos os que o conseguiram - apenas cinco em 2022, quatro dos quais com o partido de esquerda de Jean-Luc Mélenchon, França Insubmissa (LFI). É um sinal da mudança sísmica que está a ocorrer na política francesa o facto de, desta vez, o Rassemblement National ter conquistado 39 lugares.

A maior parte destas vitórias na primeira volta situa-se no extremo norte de França, mas há também um grupo significativo no sudeste, que, apesar da reputação glamorosa da Côte d'Azur, alberga algumas das comunidades mais precárias do país.

A Nova Frente Popular - uma aliança construída em torno do LFI de Mélenchon, que ficou em segundo lugar com 28% dos votos nacionais - conquistou 32 lugares na primeira volta, na sua maioria círculos eleitorais em Paris e arredores.

Embora o resultado de Le Pen tenha sido o mais mediático, a votação da primeira volta viu, de facto, o centro virar tanto para a esquerda como para a direita.

E como fica a França, quando faltam apenas seis dias para a segunda volta das eleições?

Os restantes 501 círculos eleitorais serão objeto de uma segunda volta.

PUBLICIDADE

Todos os candidatos apoiados pelo equivalente a 12,5% dos eleitores registados podem passar à ronda seguinte. A afluência às urnas de ontem, que registou um recorde de duas pessoas a votar por cada três elegíveis, significa que são muitas.

Isto abre caminho a um exercício maciço de votação tática no próximo domingo (7 de julho). Mélenchon já se comprometeu a retirar os seus candidatos das eleições nos círculos eleitorais em que ficaram em terceiro lugar, para aumentar as hipóteses de derrotar o candidato do Rassemblement National.

Juntos pela República (Ensemble), o agrupamento liderado pelo partido Renascimento de Macron, fez o mesmo. "Perante a ameaça de uma vitória da extrema-direita, apelamos a todas as formações políticas para que atuem de forma responsável e façam o mesmo", declarou o Ensemble num comunicado no domingo à noite.

O atual ministro macronista da Indústria e Energia, Roland Lescure, que obteve 39% dos votos no seu círculo eleitoral, resumiu o dilema que muitos eleitores irão enfrentar no próximo fim de semana.

PUBLICIDADE

"Estou convencido de que, apesar das personalidades censuráveis que assombram o França Insubmissa, em primeiro lugar as mais proeminentes de entre elas, não vão tomar o poder", disse Lescure, que não é fã do incendiário Mélenchon.

"Apelo a todos os eleitores para que não hesitem em bloquear a extrema-direita, votando no candidato alternativo que ficou mais bem classificado na primeira volta", disse.

(Lescure enfrenta uma segunda volta num dos 11 círculos eleitorais que representam os cidadãos franceses que vivem no estrangeiro, no seu caso expatriados nos Estados Unidos e no Canadá - outra peculiaridade do sistema eleitoral francês).

A propensão dos liberais franceses para engolirem em seco e votarem na aliança de Mélenchon - cujos membros vão desde comunistas desconstruídos a um Partido Socialista encolhido que já foi o lar político do antigo banqueiro de investimento Macron - poderá determinar em grande parte se o presidente do partido Rassemblement national, Jordan Bardella, de 28 anos, será o próximo primeiro-ministro de França.

PUBLICIDADE

Os apoiantes do LFI, o que resta dos Republicanos e outros terão de fazer escolhas difíceis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rassemblement National não terá maioria absoluta, segundo as últimas sondagens

Eleições francesas: mais de 200 candidatos desistem da segunda volta

Expansão da direita radical nos governos europeus poderá moldar decisões na União