EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Eleições no Reino Unido: líderes partidários fazem última tentativa para conseguir votos

O líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer, ao centro, chega com o Primeiro-Ministro do País de Gales, Vaughan Gething, à direita, para uma visita ao recinto de eventos West Regwm Farm, em Carmarthenshire
O líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer, ao centro, chega com o Primeiro-Ministro do País de Gales, Vaughan Gething, à direita, para uma visita ao recinto de eventos West Regwm Farm, em Carmarthenshire Direitos de autor Stefan Rousseau/live
Direitos de autor Stefan Rousseau/live
De  Mared Gwyn Jones
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O primeiro-ministro Rishi Sunak pediu aos eleitores que se abstivessem de entregar um "poder sem controlo" aos trabalhistas.

PUBLICIDADE

A campanha para as eleições gerais no Reino Unido está a chegar ao fim, com os líderes partidários espalhados por todo o país numa última tentativa de angariar votos.

À medida que o tempo para convencer os indecisos se vai esgotando, figuras de topo do Partido Conservador admitiram uma provável derrota. Ainda assim, pediram aos eleitores que votassem de forma tática, numa tentativa de limitar a margem de vitória dos trabalhistas. O próprio Sunak apelou aos eleitores para que "impeçam uma supermaioria trabalhista" e evitem que o partido se apodere de "um poder sem controlo".

Durante a visita do primeiro-ministro a Hampshire, no sudeste de Inglaterra, na terça-feira, um dos seus aliados mais próximos - o secretário para o Trabalho e Pensões, Mel Stride - afirmou que o Partido Trabalhista estava no bom caminho para garantir a "maior maioria alguma vez alcançada por qualquer partido".

O líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer, criticou o apelo como uma tática deliberada para tentar "levar as pessoas a ficar em casa em vez de votarem".

Menos de 48 horas antes de os eleitores votarem, Boris Johnson fez uma aparição surpresa na campanha dos conservadores - a sua primeira presença no terreno até agora - acusando Starmer de tentar "apresentar o governo trabalhista mais esquerdista desde a guerra".

Mas o antigo primeiro-ministro não compareceu ao lado de Sunak, o que alimentou a especulação de profundas divisões no seio do partido.

Em resposta às declarações de Johnson, Keir Starmer disse que os seus opositores conservadores tinham trazido para a campanha "o arquiteto do caos e da divisão" numa última tentativa de garantir eleitores.

O Partido Trabalhista tem uma vantagem de 20 pontos percentuais nas sondagens sobre os conservadores, no que pode ser uma das maiores maiorias de qualquer governo do pós-guerra no Reino Unido.

O antigo primeiro-ministro Boris Johnson discursou numa ação de campanha do Partido Conservador.
O antigo primeiro-ministro Boris Johnson discursou numa ação de campanha do Partido Conservador. Thomas Krych/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

Starmer optou por encerrar a campanha atravessando o País de Gales, a Inglaterra e a Escócia.

Durante uma paragem de campanha em Carmarthenshire, no País de Gales, onde o partido está empatado nas sondagens com o partido nacionalista galês Plaid Cymru, Starmer disse aos apoiantes que uma vitória dos trabalhistas na quinta-feira significaria que os governos de Cardiff e Londres "trabalhariam juntos, não em conflito". Os trabalhistas governam no País de Gales há mais de três décadas, desde o início da devolução.

Nigel Farage, que espera entrar na Câmara dos Comuns naquela que será a sua oitava candidatura, passou o último dia de campanha no seu círculo eleitoral de Clacton-on-Sea, em Essex.

O partido de Farage, o Reform UK, subiu nas sondagens desde que este anunciou a sua candidatura e espera-se que consiga 15% dos votos a nível nacional. Mas o sistema de "first-past-the-post" do Reino Unido - em que o candidato que obtiver mais votos no seu círculo eleitoral local é eleito - significa que o Reform UK pode obter nenhum ou muito poucos dos 650 lugares na Câmara dos Comuns.

Farage baseou a campanha numa posição de linha dura contra a imigração, com promessas como o congelamento de toda a migração não essencial e a proibição de acesso a benefícios sociais para os migrantes.

Mas a campanha de Farage perdeu algum fulgor após uma entrevista recente em que afirmou que o Ocidente tinha provocado a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Ed Davey, o líder dos Liberais Democratas, participou numa corrida de tratores em Wiltshire no último dia de campanha. Também já foi visto a fazer paddle e bungee jumping na campanha, no que descreveu como uma tentativa de incentivar os eleitores a fazer algo que "nunca fizeram antes", votando nos Liberais Democratas.

PUBLICIDADE

Escrita na parede

Suella Braverman, a ex-secretária do Interior que foi demitida por Rishi Sunak no ano passado, disse na quarta-feira que o Partido Conservador tinha de "ler o que está escrito na parede" e "preparar-se para a realidade e a frustração da oposição".

Braverman é candidata a substituir Sunak como líder do Partido Conservador, se na quinta-feira se verificar a derrota contundente prevista nas sondagens.

O crescimento lento, a crise do custo de vida e a sensação de que os serviços públicos estão a degradar-se em todo o país estão entre as preocupações mais profundas dos eleitores no período que antecedeu a votação.

Keir Starmer, que está na linha da frente para se tornar o próximo primeiro-ministro, disse na quarta-feira que o Partido Trabalhista é uma escolha que vai permitir "virar a página" de 14 anos de "caos, divisão e fracasso".

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Porque é que a UE deve estar atenta às eleições no Reino Unido?

Eleições no Reino Unido: custo de vida e falta de habitação na mente dos eleitores

Maré vermelha em Madrid para receber os campeões europeus