EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Euro 2024: Futebol demonstra o seu poder de inspirar e dividir

Zona de fãs no Reichtstag em Berlim.
Zona de fãs no Reichtstag em Berlim. Direitos de autor Johanna Urbancik
Direitos de autor Johanna Urbancik
De  Johanna Urbancik & Donogh McCabe
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Um torneio de paixão, controvérsia e união. Das celebrações dos adeptos às tensões sociais, o futebol mostra o seu poder de inspirar e dividir.

PUBLICIDADE

O Campeonato da Europa da UEFA está a chegar ao fim no Olympiastadion de Berlim, onde Espanha vai defrontar a Inglaterra ou a Holanda para conquistar o troféu.

O nacionalismo no futebol pode manifestar-se de forma radical e divisiva, refletindo frequentemente tensões sociais mais vastas e sendo exacerbado por grupos políticos e pela cultura dos adeptos.

Ao longo do Euro, episódios de comportamento nacionalista marcaram vários jogos na Alemanha. Os adeptos húngaros e alemães foram acusados de fazer saudações nazis, enquanto os adeptos turcos foram vistos em cidades alemãs a fazer a saudação do "lobo cinzento", um símbolo associado ao nacionalismo turco.

Em Dortmund, os adeptos albaneses e turcos agitaram uma bandeira da "Grande Albânia". Uma fotografia de adeptos alemães a comprarem camisolas de futebol com o número "44" tornou-se viral depois de os meios de comunicação social terem assinalado a sua semelhança com os uniformes das SS nazis. Os equipamentos de futebol foram posteriormente proibidos pela Adidas.

Os adeptos croatas e sérvios entraram em conflito por causa de símbolos históricos e políticos, com acusações de discurso de ódio e gestos provocatórios. Os adeptos austríacos também suscitaram polémica ao exibirem uma faixa com o slogan "Defender a Europa", ligado ao movimento de extrema-direita "Movimento Identitário", conhecido pela sua posição anti-imigração.

Vários incidentes levaram a UEFA a sancionar os jogadores e a renovar os apelos a medidas mais rigorosas contra as expressões nacionalistas durante os eventos futebolísticos.

As tensões atingiram o auge quando a Áustria defrontou a Turquia, onde os adeptos austríacos terão entoado slogans nacionalistas.

Após a vitória da Turquia por 2-1, em 2 de julho, o jogador turco Merih Demiral fez a saudação "Lobo Cinzento", intensificando a polémica em torno dos sentimentos nacionalistas.

O gesto - que envolve os dedos médio e anelar, mantidos em contacto com o polegar - simboliza os Lobos Cinzentos, um movimento ultranacionalista na Turquia associado ao extremismo, ao racismo e à violência. Embora não seja universalmente proibido, o seu uso suscitou críticas das autoridades alemãs e levou à suspensão de dois jogos de Demiral.

Merih Demiral, da Turquia, festeja depois de marcar o segundo golo da sua equipa durante o jogo dos oitavos de final entre a Áustria e a Turquia no Euro 2024
Merih Demiral, da Turquia, festeja depois de marcar o segundo golo da sua equipa durante o jogo dos oitavos de final entre a Áustria e a Turquia no Euro 2024Ebrahim Noroozi/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

Orgulho nacional ou nacionalismo?

Demiral defendeu as suas ações como uma expressão de orgulho da identidade turca.

"A saudação, associada a sentimentos ultranacionalistas e a grupos extremistas como os Lobos Cinzentos, tem uma ligação histórica a atos de violência e intolerância".

"Apesar das afirmações de que é um símbolo do orgulho turco, a sua associação a atrocidades e ao nacionalismo de direita não pode ser ignorada. Aqueles que defendem a saudação esquecem-se frequentemente das suas implicações mais negras e do seu contexto histórico, incluindo a sua utilização durante massacres e ataques", afirmou um investigador turco que falou sob condição de anonimato devido a preocupações de segurança.

Os críticos argumentam que esses gestos perpetuam as divisões e promovem o nacionalismo excludente. Além disso, a defesa da saudação por indivíduos alinhados com partidos ostensivamente de esquerda, como o CHP (Partido Republicano do Povo), realça as contradições da política turca, onde os sentimentos nacionalistas podem transcender as linhas partidárias.

De acordo com o investigador, a controvérsia sublinha tensões sociais mais amplas na Turquia sobre a identidade, o nacionalismo e o legado de ideologias políticas como o kemalismo (também conhecido como Atatürkismo), que, apesar das aspirações seculares, também perpetuaram atitudes xenófobas e de exclusão.

Antes do jogo dos quartos de final da Turquia contra a Holanda, no fim de semana passado, a marcha dos adeptos turcos em Berlim foi dispersada pela polícia, devido à representação do gesto de muitos adeptos. Os adeptos, que tinham bilhete para o jogo, foram depois encorajados a dirigir-se ao estádio, onde foram recebidos por milhares de adeptos holandeses.

PUBLICIDADE

"Naar links! Naar rechts!

Numa celebração mais positiva, os adeptos holandeses estão a fazer ondas nas redes sociais com a sua dança entusiástica ao som do hino do partido holandês "Links Rechts", dos Snollebollekes.

A Euronews entrevistou Henk van Beek, presidente do Oranje Bus, um autocarro laranja de dois andares comprado em 2004 para viajar para o Euro em Portugal. Desde então, o autocarro tem acompanhado os adeptos holandeses a todos os torneios, incluindo destinos longínquos como o Qatar e o Brasil.

Henk van Beek a caminhar em direção ao autocarro da Laranja Mecânica em Berlim.
Henk van Beek a caminhar em direção ao autocarro da Laranja Mecânica em Berlim.Donogh McCabe

De acordo com van Beek, o autocarro não se destinava inicialmente a marchas de adeptos quando foi comprado há duas décadas. "Originalmente, era apenas para amigos - estacionar no centro da cidade, tocar música e ver o que acontecia. Pensámos que poderia durar seis ou oito anos", explicou.

"Em vez disso, tem estado connosco em todos os grandes torneios da seleção holandesa desde 2004, tendo mesmo sido necessário retirá-lo de portos em países como o Qatar e o Brasil, onde jogamos", acrescentou.

PUBLICIDADE

Na Internet, os adeptos holandeses chamaram a atenção com as suas danças sincronizadas, alimentadas pela canção "Links Rechts", que estreou originalmente em 2015.

De acordo com Henk van Beek, presidente do Autocarro Laranja Mecânica, o hino ganhou força durante um jogo fora de casa em 2016, na Suécia, onde 600 adeptos se juntaram atrás do autocarro. "A sua popularidade aumentou ainda mais durante a Taça da Europa feminina de 2017, nos Países Baixos, coincidindo com a vitória da equipa neerlandesa", observou.

"Tocámo-lo nas seis cidades durante o torneio e tornou-se um sucesso instantâneo. Agora, é um elemento básico de cada vez que nos reunimos, e vimo-lo crescer juntamente com o entusiasmo dos adeptos holandeses".

Henk van Beek.
Henk van Beek.Donogh McCabe

Van Beek, que também é DJ durante as marchas dos adeptos, partilhou: "Para além de 'Links Rechts', toco frequentemente outra canção holandesa muito apreciada de 1988, 'Wij houden van Oranje'. Estas canções personificam a nossa paixão pela cor laranja", disse à Euronews.

PUBLICIDADE

Quatro semanas de fuga?

Ao refletir sobre os torneios de futebol, muitos alemães recordam com carinho o "conto de fadas de verão" de 2006, quando a nação se reuniu em frente aos ecrãs para assistir ao Campeonato do Mundo masculino que levou a Alemanha até às meias-finais.

Sob o lema "o mundo como convidado em casa de um amigo", o ambiente parecia idílico, mesmo que apenas por um mês fugaz em 2006. No entanto, desde então, este querido "Sommermärchen" tem sido manchado por alegações de corrupção, lançando uma sombra sobre a integridade da decisão de acolhimento devido a suspeitas de pagamentos indevidos.

Os torneios de futebol, como o Euro e o Campeonato do Mundo, oferecem aos adeptos um breve alívio da realidade, proporcionando uma forma de escapismo. Por isso, não é de estranhar que as expectativas em relação ao Euro deste ano fossem elevadas, com a esperança de viver um segundo conto de fadas de verão - "Sommermärchen 2.0".

Nestes tempos turbulentos, creio que este torneio fomentou a unidade.
Henk van Beek
Um adepto holandês e um turco na marcha dos adeptos holandeses em Berlim.
Um adepto holandês e um turco na marcha dos adeptos holandeses em Berlim.Donogh McCabe

O torneio correspondeu a essas expectativas? De acordo com van Beek, sim. "Nestes tempos turbulentos, creio que este torneio fomentou a unidade", observa. No meio de alguns casos de nacionalismo, o torneio também provocou alegria, entusiasmo e camaradagem, com os europeus a fazerem novas amizades.

PUBLICIDADE

A atmosfera positiva foi tão contagiante que alguns adeptos chegaram mesmo a trocar de bandeira, vestindo camisolas de outros países depois de a sua própria equipa ter sido eliminada. Parece que o futebol conseguiu unir um pouco os europeus - mesmo que apenas durante quatro semanas -, as pessoas fizeram amigos e viveram o seu próprio conto de fadas do verão de 2024.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Retórica anti-imigração e antissemita no centro da desinformação relacionada com o Euro 2024

Euro 2024: Cristiano Ronaldo diz que este é o seu último campeonato europeu

Von der Leyen confirma ajuda europeia ao Egipto no valor de 40 mil milhões de euros