EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Multinacionais comprometem-se a contratar milhares de refugiados

O logótipo da Amazon é visto na exposição Vivatech em Paris, em Paris, França, 14 de junho de 2023.
O logótipo da Amazon é visto na exposição Vivatech em Paris, em Paris, França, 14 de junho de 2023. Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A Amazon lidera o grupo, comprometendo-se a contratar pelo menos 5.000 refugiados nos próximos três anos na Europa.

PUBLICIDADE

As empresas multinacionais comprometeram-se a contratar milhares de refugiados, incluindo ucranianos que fugiram à invasão russa, nos próximos três anos na Europa.

Mais de 40 empresas afirmam que irão empregar, ligar ao trabalho ou dar formação a um total de 250.000 refugiados, sendo que 13.680 irão obter emprego diretamente.

"Cada número é uma história de uma família individual que deixou tudo, procurando segurança, procurando proteção e querendo ser capaz de se reconstruir o mais rapidamente possível", disse Kelly Clements, vice-alta comissária da ONU para os refugiados.

"Os compromissos que as empresas vão assumir na segunda-feira são absolutamente essenciais," acrescentou Clements.

Segundo Kelly Clements, 110 milhões de pessoas foram deslocadas em todo o mundo, das quais cerca de 12 milhões na Ucrânia.

Cerca de metade dos ucranianos deslocados vivem na Europa, naquele que é o maior movimento de refugiados na região desde a Segunda Guerra Mundial.

A Amazon lidera o grupo, comprometendo-se a contratar pelo menos 5.000 refugiados nos próximos três anos na Europa.

Seguem-se as cadeias hoteleiras Marriott e Hilton com 1.500 cada, a Starbucks e a ISS com 1.000, para além de compromissos mais pequenos de marcas como a Adidas, Starbucks, L'Oreal, PepsiCo e Hyatt.

"Isto é bom para nós como empresa, porque a oportunidade de adicionar diversidade à nossa força de trabalho continuará a tornar-nos uma empresa mais forte", disse Ofori Agboka, vice-presidente da Amazon que supervisiona os recursos humanos.

"A diversidade traz inovação, criatividade e diferentes perspetivas," considerou Ofori Agboka.

Segundo Agboka, a grande maioria dos postos de trabalho serão funções horárias em centros de distribuição e armazenamento e em transportes e entregas.

O gigante da venda a retalho online tem sido repetidamente acusado de maltratar os trabalhadores, que denunciaram condições extenuantes e de escravatura em vários locais.

A Amazon anunciou a redução de 27 000 postos de trabalho no início deste ano, no âmbito de uma vaga de despedimentos no mundo da tecnologia, após o aumento das contratações durante a pandemia de COVID-19.

Os postos de trabalho do Marriott serão maioritariamente postos de trabalho à hora, como empregadas domésticas, pessoal de cozinha e empregados da receção.

As empresas esperam que os refugiados possam preencher as necessidades de pessoal à medida que as economias recuperam da pandemia. Na Europa, o desemprego está no seu nível mais baixo desde a introdução do euro em 1999.

A eurodeputada Clements aplaudiu o acolhimento dos refugiados ucranianos na Europa, mas defendeu que deve ser oferecida proteção a outras pessoas que fogem de conflitos e crises em países como a Síria, o Sudão e o Afeganistão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Franceses marcham de guarda-chuva pelos refugiados

Iniciativas da União Europeia para combater o desemprego jovem

Como é que a tecnologia de IA pode perturbar o futuro mercado de trabalho