Moderadores de conteúdos do Facebook apelidam o seu trabalho de "tortura” e avançam judicialmente

Nathan Nkunzimana é um dos cerca de 200 antigos moderadores de conteúdos do Facebook a processar uma empresa num processo judicial que poderá ter implicações a nível mundial.
Nathan Nkunzimana é um dos cerca de 200 antigos moderadores de conteúdos do Facebook a processar uma empresa num processo judicial que poderá ter implicações a nível mundial. Direitos de autor AP
De  Associated Press
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Funcionários olham para os horrores da Internet para que outros não tenham de o fazer. Agora, os moderadores de conteúdos do Facebook no Quénia estão a processar uma empresa por causa das condições de trabalho, num caso histórico.

PUBLICIDADE

Quase em lágrimas, Nathan Nkunzimana lembra-se de ter visto um vídeo de uma criança a ser molestada e outro de uma mulher a ser morta.

Todos os dias, durante oito horas, o seu trabalho como moderador de conteúdos para uma empresa contratada pelo Facebook exigia que ele passasse horrores a pente fino para que o mundo não tivesse de os ver. Alguns colegas, impressionados, gritavam ou choravam, referiu.

Agora, Nkunzimana está entre os quase 200 antigos empregados do Quénia que estão a processar o Facebook e a empresa local Sama por causa das condições de trabalho que podem ter implicações para os moderadores das redes sociais em todo o mundo.

É a primeira ação judicial conhecida fora dos Estados Unidos, onde o Facebook chegou a acordo com os moderadores em 2020.

Indemnização de 1,46 mil milhões de euros

O grupo trabalhava no centro subcontratado do gigante das redes sociais para a moderação de conteúdos na capital do Quénia, Nairobi, onde os funcionários analisam publicações, vídeos, mensagens e outros conteúdos de utilizadores de toda a África, removendo qualquer material ilegal ou prejudicial que viole as normas da comunidade e os termos de serviço.

Os moderadores de vários países africanos estão a tentar obter um fundo de compensação de 1,46 mil milhões de euros depois de alegarem más condições de trabalho, incluindo apoio insuficiente em matéria de saúde mental e baixos salários.

No início deste ano, foram despedidos pela Sama, que abandonou a atividade de moderação de conteúdos. Afirmam que as empresas estão a ignorar uma ordem judicial para que os seus contratos sejam prolongados até que o caso seja resolvido.

O Facebook e a Sama defenderam as suas práticas laborais.

Como "soldados” que dão o corpo às balas pelos utilizadores do Facebook

Com poucas certezas em relação ao tempo que o caso levará, os moderadores expressaram o desespero à medida que o dinheiro e as autorizações de trabalho se esgotam e se debatem com as imagens traumáticas que os perseguem.

Se nos sentimos confortáveis a navegar e a percorrer a página do Facebook, é porque há alguém como eu esteve naquele ecrã, a verificar: "Isto pode estar aqui?"", disse Nkunzimana, um pai de três filhos do Burundi, à The Associated Press em Nairobi.

AP
Ex-moderador de conteúdo do Facebook, Nathan Nkunzimana, disse que começou o seu antigo trabalho como moderador do Facebook com um sentimento de orgulho.AP

Nkunzimana, de 33 anos, disse que a moderação de conteúdos é como se fossem "soldados" a dar o corpo às balas pelos utilizadores do Facebook, com os trabalhadores a vigiarem os conteúdos nocivos que mostram mortes, suicídios e agressões sexuais e a certificarem-se de que são retirados.

Para Nkunzimana e outros, o trabalho começou com um sentimento de orgulho, sentindo-se "heróis da comunidade", disse ele.

Falta de apoio e uma cultura de secretismo

Mas à medida que a exposição a conteúdos alarmantes reacendia traumas passados para alguns, como ele, que tinham fugido da violência política ou étnica no seu país, os moderadores encontravam pouco apoio e uma cultura de secretismo.

Foi-lhes pedido que assinassem acordos de confidencialidade. Objetos pessoais como telemóveis não eram permitidos no trabalho.

Quando acabava o turno, Nkuzimana ia para casa exausto e fechava-se frequentemente no seu quarto para tentar esquecer o que tinha visto. Nem mesmo a sua mulher fazia ideia de como era o seu trabalho.

Hoje em dia, fecha-se no quarto para evitar que os filhos lhe perguntem porque é que ele já não trabalha e porque é que, provavelmente, já não podem pagar a escola.

O salário dos moderadores de conteúdos era de 392 euros por mês, sendo que os trabalhadores que não eram do Quénia recebiam um pequeno subsídio de expatriado.

Conselheiros mal formados

De acordo com Nkuzimana, a empresa contratada pelo Facebook, a norte-americana Sama, pouco fez para garantir que os moderadores recebessem aconselhamento profissional pós-traumático nos seus escritórios em Nairobi.

PUBLICIDADE

Segundo ele, os conselheiros não tinham formação suficiente para lidar com o que os seus colegas estavam a passar. Agora, sem cuidados de saúde mental, ele mergulha na igreja.

A Meta, empresa-mãe do Facebook, disse que os seus contratantes estão contratualmente obrigados a pagar aos seus empregados acima do padrão da indústria nos mercados em que operam e a fornecer apoio no local por profissionais formados.

Um porta-voz disse que a Meta não pode comentar o caso do Quénia.

AP
A Meta - empresa-mãe do Facebook diz que as empresas subcontratadas estão obrigadas a pagar aos empregados acima da média nos mercados onde operam.AP

Num e-mail enviado à AP, a Sama afirmou que os salários que oferecia no Quénia eram quatro vezes superiores ao salário mínimo local e que "mais de 60% dos trabalhadores do sexo masculino e mais de 70% das trabalhadoras viviam abaixo do limiar de pobreza internacional (menos de 1,74 euros por dia)" antes de serem contratados.

A Sama afirmou que todos os trabalhadores tinham acesso ilimitado a aconselhamento individual "sem receio de repercussões."

PUBLICIDADE

A empresa de subcontratação também considerou "confusa" uma recente decisão judicial de prolongar os contratos dos moderadores e afirmou que uma decisão posterior que suspendeu essa decisão significa que a mesma não entrou em vigor.

"Utilizar a desigualdade económica mundial"

Este tipo de trabalho pode ser "incrivelmente prejudicial do ponto de vista psicológico", mas as pessoas que procuram emprego em países com rendimentos mais baixos contemplam correr o risco em troca de um emprego de escritório na indústria tecnológica, disse Sarah Roberts, especialista em moderação de conteúdos da Universidade da Califórnia, em Los Angeles.

Em países como o Quénia, onde há muita mão-de-obra barata disponível, a externalização deste tipo de trabalho sensível é "a história de uma indústria exploradora que se baseia na utilização da desigualdade económica global em seu proveito, causando danos e não assumindo, depois, qualquer responsabilidade, porque as empresas podem dizer: ‘bem, nós nunca empregámos fulano, isso foi, sabe, o terceiro'", afirmou.

Além disso, os cuidados de saúde mental prestados podem não ser "a nata da cultura" e foram levantadas preocupações sobre a confidencialidade da terapia, disse Roberts, professor associado de estudos de informação.

PUBLICIDADE

A diferença no caso do tribunal do Quénia, segundo Roberts, é que os moderadores estão a organizar-se e a opor-se às suas condições, criando uma visibilidade invulgar.

A tática habitual neste tipo de casos nos EUA é chegar a um acordo, mas "se os processos forem instaurados em outros locais, poderá não ser tão fácil para as empresas fazerem isso.”

Discurso de ódio e conflitos online

O Facebook investiu em centros de moderação em todo o mundo depois de ter sido acusado de permitir a circulação de discursos de ódio em países como a Etiópia e Myanmar, onde os conflitos estavam a matar milhares de pessoas e os conteúdos nocivos eram publicados em várias línguas locais.

Procurados pela sua fluência em várias línguas africanas, os moderadores de conteúdos contratados pela Sama no Quénia deram rapidamente por si a olhar para conteúdos gráficos que chegavam dolorosamente perto de casa.

PUBLICIDADE

Os dois anos em que Fasica Gebrekidan trabalhou como moderadora coincidiram aproximadamente com a guerra na região de Tigray, no norte da Etiópia, onde centenas de milhares de pessoas foram mortas e muitos, como ela, pouco sabiam sobre o destino dos seus entes queridos.

Já a sofrer por ter de fugir do conflito, a jovem de 28 anos passava o seu dia de trabalho a ver vídeos "horríveis" e outros conteúdos maioritariamente relacionados com a guerra, incluindo violações.

No caso dos vídeos, tinha de ver os primeiros 50 segundos e os últimos 50 segundos para decidir se deviam ser retirados.

O sentimento de gratidão que tinha tido ao conseguir o emprego desapareceu rapidamente.

"Fugimos da guerra, depois temos de ver a guerra", disse Fasica. "Foi uma tortura para nós".

PUBLICIDADE

"O Facebook devia preocupar-se connosco"

Atualmente, não tem rendimentos nem casa permanente. Disse que estaria à procura de novas oportunidades se pudesse voltar a sentir-se normal.

Ex-jornalista, já não consegue escrever, nem mesmo para dar vazão às suas emoções.

Fasica preocupa-se com o facto de "este lixo" ficar na sua cabeça para sempre. Enquanto falava com a AP, não tirava os olhos de um quadro do outro lado do café, de um vermelho intenso, com o que parecia ser um homem em sofrimento. Isso incomodava-a.

Fasica culpa o Facebook pela falta de cuidados de saúde mental e de remuneração adequados e acusa a empresa de contratação local de a ter usado e deixado ir embora.

"O Facebook devia saber o que se está a passar", disse ela. "Deviam preocupar-se connosco."

PUBLICIDADE

O destino da queixa dos moderadores está nas mãos do tribunal queniano, com a próxima audiência marcada para 10 de julho.

A incerteza é frustrante, diz Fasica. Alguns moderadores estão a desistir e a voltar aos seus países de origem, mas essa ainda não é uma opção para ela.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Dona do Facebook em tribunal por danos à saúde dos mais novos

Quase 80% dos empregos das mulheres estão em risco devido à IA generativa, segundo uma nova investigação

As melhores ferramentas de IA para impulsionar a sua investigação académica