EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Viena volta a ser considerada a cidade mais habitável do mundo em 2023

Viena é uma das quatro cidades europeias no top 10 do Global Liveability Index 2023 da revista Economist.
Viena é uma das quatro cidades europeias no top 10 do Global Liveability Index 2023 da revista Economist. Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  David Walsh
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Viena manteve a coroa de cidade mais habitável do mundo, segundo o índice anual da revista “The Economist." Outras cidades europeias não se têm saído bem.

PUBLICIDADE

Já alguma vez visitou uma cidade e saiu de lá com uma vibração tão boa que começou imediatamente a verificar as listas de imóveis e os anúncios de emprego quando regressou a casa?

Talvez qualquer pessoa que tenha visitado uma das dez principais cidades enumeradas pelo Global Liveability Index anual da revista "The Economist" se identifique com isso.

As listas de 2023 dão uma ideia de onde é preferível viver este ano e incluem cidades de todos os continentes. Nos últimos anos, tem havido entradas recorrentes de certas cidades no Top 10, fazendo-nos pensar se terão descoberto o segredo para viver melhor.

Como é que as melhores cidades são escolhidas?

Está claro que, ao compilar o Índice Global de Qualidade de Vida, para a equipa de Inteligência da “The Economist” não é apenas uma boa vibração que distingue as cidades.

A pontuação global - em cem - é determinada pela análise de uma série de fatores, incluindo a qualidade dos cuidados de saúde, a educação, o panorama cultural, as infraestruturas, etc.

Muitas das 173 cidades estudadas no âmbito do ranking registaram uma subida nas suas pontuações depois de as últimas restrições da Covid-19 terem sido atenuadas e de a vida ter recuperado uma certa aparência de normalidade pré-pandémica.

De facto, a pontuação média do índice em todas as cidades (excluindo Kiev) estudadas atingiu agora 76,2 pontos em cem, contra 73,2 há um ano, a pontuação mais elevada em 15 anos para a lista original de 140 cidades comparadas.

Estará a Europa a deslizar?

Apesar de uma mudança para melhor para a maioria das cidades após a pandemia, uma das mudanças notáveis no relatório deste ano em comparação com 2022 é o número de cidades europeias que estão a descer ainda mais na classificação.

Isto deve-se, em parte, à queda das pontuações em matéria de instabilidade, com algumas cidades a sentirem os efeitos da guerra na Ucrânia.

Frankfurt e Amesterdão saíram ambas do Top 10, tendo ocupado o 7º e o 9º lugares em 2022.

As cidades do Reino Unido foram das cidades europeias que registaram as descidas mais significativas. Edimburgo, que entrou no Top 50 pela primeira vez no ano passado, ocupando o 35º lugar, caiu para o 58º em 2023.

Do mesmo modo, Londres (34.º em 2022) e Manchester (32.º no ano passado) sofreram ambas más classificações este ano, caindo 12 e 16 lugares, respetivamente.

Numa escala global, as pontuações regionais melhoraram em toda a linha em relação às alcançadas em 2022. Apesar de algumas das suas cidades terem descido, a Europa Ocidental manteve a posição na sondagem, melhorando a sua pontuação de 91,4 no ano passado para 92,3 este ano.

A maior melhoria foi registada na região Ásia-Pacífico, que alcançou uma pontuação de 73,5, registando ganhos notáveis em relação ao valor do ano passado, de 69,1. Para além disso, oito das dez cidades que mais subiram na classificação são da região; a mais notável foi Wellington, na Nova Zelândia, que subiu 35 lugares e ocupa a 23ª posição.

Quais são as cidades que ficaram no Top 10?

10. Auckland, Nova Zelândia

Canva
AucklandCanva

Auckland, a maior cidade da Nova Zelândia, foi a cidade que registou a segunda maior melhoria no ano passado, tendo saltado uns impressionantes 25 lugares para alcançar a 10ª posição no índice deste ano.

10. Osaka, Japão

Canva
OsakaCanva

O fim das restrições impostas pela pandemia de Covid-19 deu um impulso significativo a muitas cidades da região Ásia-Pacífico. Osaka, a terceira cidade mais populosa do Japão e uma das mais multiculturais, foi uma das beneficiárias do aumento das pontuações nas classificações relativas à cultura e ao ambiente, graças ao levantamento das medidas da era Covid.

9. Toronto, Canadá

Canva
TorontoCanva

A cidade canadiana com a classificação mais baixa entre as dez primeiras, Toronto, é outra cidade com um desempenho consistente no que diz respeito às classificações anuais. Embora tenha descido um lugar, da 8ª para a 9ª posição em 2023, a sua classificação de estabilidade aumentou este ano, depois de os protestos contra as vacinas no ano passado terem causado uma queda.

PUBLICIDADE

7. Genebra, Suíça

Canva
GenevaCanva

Continuando a tendência de queda das cidades europeias nas classificações, Genebra voltou a manter um lugar no Top 10 este ano. Embora tenha descido do 6.º para o 7.º lugar, a cidade suíça registou este ano um aumento dos seus resultados em matéria de educação. É geralmente classificada como uma das melhores cidades para viver, mas é também uma das mais caras, com a empresa de consultoria Mercer a classificá-la em terceiro lugar na sua lista global anual.

7. Calgary, Canadá

Canva
Calgary caiu do 3º lugar em 2022 para o 7º em 2023.Canva

A Europa não é o único continente a registar uma descida na classificação. Embora nenhuma cidade dos Estados Unidos apareça no Top 10, as cidades canadianas estão normalmente bem representadas. No entanto, em 2023, cidades como Calgary também caíram. Em 2022, ocupava o 3º lugar, mas este ano a maior cidade da província de Alberta desceu para o 7º lugar. A pontuação em matéria de cultura e ambiente foi a sua maior desvantagem, fazendo descer a pontuação global do índice, apesar das pontuações perfeitas em estabilidade, infraestruturas, educação e cuidados de saúde.

6. Zurique, Suíça

Canva
ZuriqueCanva

A maior cidade da Suíça, Zurique, desceu do 3º para o 6º lugar no último ano. Embora esteja incluída no Top 10 do Índice Global de Qualidade de Vida, Zurique - tal como Genebra - também foi classificada como uma das cidades mais caras do mundo para viver e trabalhar como expatriado, de acordo com o Inquérito ao Custo de Vida de 2022 da Mercer. No relatório anual da empresa de consultoria, ficou apenas atrás de Hong Kong.

5. Vancouver, Canadá

Canva
VancouverCanva

Vancouver não se moveu do 5º lugar, com a sua pontuação de estabilidade a subir em relação ao ano passado, depois de os protestos antivacinação a terem arrastado para baixo.

4. Sydney, Austrália

Canva
SydneyCanva

A pandemia de Covid-19 teve um impacto muito notável em cidades australianas como Sidney, mas o abrandamento das restrições levou-as a destronar as cidades europeias no Top 10. Para além de o seu sistema de saúde ter obtido uma pontuação perfeita, a educação e as infraestruturas da cidade também receberam pontuações de 100,0.

PUBLICIDADE

3. Melbourne, Austrália

Canva
MelbourneCanva

Tal como Sydney, a classificação de Melbourne foi prejudicada por pressões significativas em muitos aspetos da vida da cidade provocados pela pandemia de Covid-19. Várias vagas do vírus ameaçaram sobrecarregar o sistema de saúde da cidade, mas este ano, este fator em particular recebeu uma pontuação perfeita de 100,0 pela “The Economist", ajudando Melbourne a regressar ao Top 10.

2. Copenhaga, Dinamarca

Canva
Copenhaga ocupa a segunda posição no ranking.Canva

Em 2º lugar, por um ano consecutivo, está Copenhaga. A Dinamarca é consistentemente listada como um dos países mais felizes do mundo para se viver, e isso reflete-se certamente nas pontuações de cada categoria do relatório de qualidade de vida da revista “The Economist." Continua a ter pontuações elevadas em todos os domínios, incluindo pontuações perfeitas de 100,0 para a educação, infraestruturas e estabilidade.

1. Viena, Áustria

Canva
Viena reivindica uma vez mais a posição principal como a cidade mais habitável do mundo.Canva

Sem alterações no topo do ranking - Viena mantém a sua coroa como a cidade mais habitável do mundo por mais um ano. A capital austríaca dominou as classificações nos últimos dez inquéritos, ficando em primeiro lugar em oito deles. Só foi derrubada do seu lugar cimeiro por causa pela pandemia de Covid-19, quando muitos dos seus museus e restaurantes fecharam as portas.

O relatório refere que Viena continua a oferecer "uma combinação insuperável de estabilidade, boas infraestruturas, uma educação sólida e serviços de saúde, muita cultura e entretenimento". A única falha, segundo o relatório, é a falta de grandes eventos desportivos.

Menções honrosas

Apesar de a sua classificação ter caído na lista do ano passado, na sequência da invasão russa em fevereiro de 2022, Kiev regressou ao índice, embora com pontuações baixas. Os bombardeamentos e os ataques com mísseis à capital ucraniana fizeram cair as suas pontuações em termos de infraestruturas e estabilidade, mas regressou de forma significativa à classificação geral, embora apenas com um modesto 165º lugar entre 173 cidades.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Berlim: aeroporto de Tegel será transformado em cidade sustentável

Escritórios vazios em Madrid estão a ser transformados em casas

Conheça o primeiro reator do mundo que irá alimentar a Terra utilizando a mesma reação nuclear do Sol