Esperança de vida: Onde se vive mais e menos na Europa?

A esperança de vida cresce há várias décadas na União Europeia
A esperança de vida cresce há várias décadas na União Europeia Direitos de autor Canva
De  Camille Bello
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A esperança de vida não pára de crescer na Europa, na última década. Quais são os países de UE onde se morre mais cedo e aqueles onde se vive mais?

PUBLICIDADE

As estimativas da esperança de vida são um instrumento crítico para acompanhar o bem-estar da sociedade, mas para os decisores políticos, as tendências são também fundamentais para o desenvolvimento de políticas governamentais.

A França, por exemplo, está a enfrentar o desafio de uma população com maior longevidade e a consequente pressão sobre o sistema de segurança social. Para enfrentar o desafio, o governo francês aprovou - com muita resistência - uma série de reformas destinadas a aumentar a idade da reforma e a encorajar os indivíduos a trabalhar mais tempo.

Mas a França não está sozinha com o envelhecimento da sua população, e não são eles que vivem mais tempo. Em toda a UE, a esperança de vida tem estado numa trajetória ascendente desde há várias décadas.

Quem vai viver mais tempo na UE?

Em 2021, a esperança média de vida à nascença na UE era de 80,1 anos, mas os últimos números são relativamente mais baixos quando comparados com 2020 e 2019, provavelmente como resultado do súbito aumento da mortalidade devido à pandemia da COVID-19, segundo dados do Eurostat, o serviço de estatística da UE.

Em 2019, a esperança de vida à nascença atingiu um máximo histórico de 81,3 anos, mas caiu depois para 80,4 em 2020.

Apesar do ligeiro revés - do qual é provável que recuperemos em breve - a linha de longevidade tem vindo a subir desde que a UE começou a registar dados no início dos anos 2000, e as estatísticas oficiais revelam que a esperança de vida aumentou, em média, em mais de dois anos por década desde os anos 60.

Globalmente, em todo o bloco, as mulheres vivem mais tempo do que os homens (82,9 anos - 77,2 anos em 2021), mas as pessoas em certos países - e mesmo regiões - vivem mais tempo do que noutros.

Do mesmo modo, nem todas as nações experimentaram os mesmos progressos ao longo dos anos - ou até caíram, em alguns casos particulares, nas suas estimativas de esperança de vida.

O país com a maior esperança de vida à nascença é aEspanha, com uma média de 83,3 anos, seguido pela Suécia (83,1 anos), Luxemburgo, e Itália (ambos 82,7 anos).

A previsão de esperança de vida mais baixa regista-se na Bulgária (71,4 anos), Roménia (72,8 anos), e Letónia (73,1 anos).

As diferenças país por país são interessantes, mas talvez ainda mais fascinantes sejam as comparações de regiões dentro dos países que pontuam mais do que a média na escala de vida longa.

Em Espanha, por exemplo, espera-se que as pessoas nascidas na região da Andaluzia vivam cerca de 81,7 anos, mas espera-se que as que vivem na região da capital, Madrid, vivam 85,4 anos, uma média de mais quatro anos.

Tendências semelhantes são observadas em Itália. Os italianos que vivem na ilha sul da Sicília podem esperar viver cerca de 81,3 anos, mas os que vivem no norte do Trentino, perto da fronteira com a Áustria, têm uma esperança de vida de 84,2 anos, uma diferença de quase três anos.

Que países melhoraram mais a sua esperança de vida à nascença?

Os estónios foram os que mais aumentaram a sua longevidade, ganhando 6,1 anos de esperança de vida entre 2000 e 2021. São seguidos pelos irlandeses (+5,8), luxemburgueses (+4,7), dinamarqueses (+4,6), e eslovenos (+4,5).

Os ganhos dos cinco primeiros são notáveis, especialmente quando comparados com outros países que não ultrapassaram tão bem as fronteiras da vida, ou simplesmente quando comparados com a média da UE, que registou um aumento de 2,5 anos.

Na Bulgária, por outro lado, as pessoas estão a morrer mais jovens do que antes; a esperança de vida à nascença era 0,2 anos menos em 2021 do que em 2000. Pensa-se que o infeliz inverso é resultado de uma série de fatores, incluindo um sistema de saúde em dificuldades e taxas de mortalidade por AVC mais elevadas do que na maioria dos países da UE, de acordo com o Relatório de Saúde da Comissão Europeia.

Expetativa de vida aos 65 anos de idade

A esperança de vida aos 65 anos de idade refere-se ao número médio de anos que se pode esperar que uma pessoa com essa idade ainda viva.

PUBLICIDADE

É uma métrica interessante a considerar porque, por exemplo, a esperança de vida à nascença de alguém nascido em 1958 e que tem hoje 65 anos de idade, não considera variáveis contemporâneas, tais como melhores estilos de vida, avanços nos cuidados de saúde, e assim por diante.

Em 2021, a esperança de vida média aos 65 anos foi estimada em 19,2 anos; 20,9 anos para as mulheres, e 17,3 anos para os homens.

A França e a Espanha tinham a maior esperança de vida aos 65 anos em 2021 (21,4 anos) e a Bulgária tinha a mais baixa (13,6 anos).

Para as mulheres, a maior esperança de vida aos 65 anos era em Espanha (23,5 anos) e a mais baixa era na Bulgária (15,5 anos) enquanto que para os homens, a mais alta era na Suécia (19,6 anos) e a mais baixa era na Bulgária (11,6 anos).

Esperança de vida saudável: a métrica mais importante?

PUBLICIDADE

A esperança de vida saudável ao nascer é também um indicador importante da saúde da nossa população. Indica, talvez, a medida mais importante: se os nossos últimos anos são vividos com boa saúde.

Em 2020, o número médio de anos de vida saudável à nascença na UE era de 64,5 anos para as mulheres e 63,5 anos para os homens. Este número também registou uma evolução animadora; aumentou 2,6 anos entre 2011 e 2020, passando de 61,4 anos saudáveis para 64.

A Suécia é o país que vive mais anos saudáveis em todo o bloco da UE (as mulheres vivem, em média, 72,7 anos saudáveis, e os homens 72,8 anos saudáveis. Os suecos são seguidos por italianos e malteses, 68,7 (M) 67,2 (H) e 70,7 (M)  70,2 (H) anos saudáveis sem deficiência, respectivamente.

Curiosamente, a Dinamarca, apesar da sua elevada classificação na escala da longevidade, está muito atrasada no que diz respeito a anos saudáveis, ficando em 4º lugar, com as mulheres a viver 57,7 anos saudáveis, e os homens 58,1.

A Letónia é o país com o menor número de anos de vida saudável, tanto para mulheres como para homens, 54,3 e 52,6, respetivamente.

PUBLICIDADE

Porque é que a esperança de vida está a melhorar?

Estamos a viver mais tempo - e mais saudáveis - devido a uma série de fatores. Mas o mais importante é a redução da mortalidade infantil, definida como a morte de uma criança antes do seu primeiro aniversário, de acordo com o Eurostat.

As hipóteses de um recém-nascido sobreviver à infância aumentaram de 50% para 96% a nível mundial. Entre 2011 e 2021, a taxa de mortalidade infantil na UE caiu de 3,8 mortes por 1.000 nascimentos para 3,2 mortes por 1.000 nascimentos.

Ao alargar a análise aos últimos 20 anos, a taxa de mortalidade infantil diminuiu quase para metade (6,2 mortes por 1.000 em 1999).

Em 2021, as maiores taxas de mortalidade infantil na UE foram registadas na Bulgária (5,6 mortes por 1 000 nascimentos) e Roménia (5,2 mortes por 1 000 nascimentos), e as mais baixas foram registadas na Finlândia, Eslovénia, e Suécia (todos com 1,8 mortes por 1 000 nascimentos).

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Deputados alemães dão luz verde à legalização da canábis

Maior hospital do Alabama suspende fertilização in vitro

Padre e alegado companheiro detidos em Espanha por venda ilegal de Viagra