Última hora
This content is not available in your region

Esperança de vida ultrapassa os 90 anos em 2030

Esperança de vida ultrapassa os 90 anos em 2030
Tamanho do texto Aa Aa

A esperança de vida vai estar em alta nos países desenvolvidos em particular entre as mulheres. Portugal encontra-se no topo.

Um estudo publicado na revista de ciência médica The Lancet conclui que a longevidade média vai chegar aos 90,8 anos em 2030 nas mulheres da Coreia do Sul, e aos 74, 1 no caso dos homens.

A investigação aponta para que, embora a esperança de vida suba nos 35 países estudados, o maior crescimento surgirá na Coreia do Sul, na Eslovénia e em Portugal.

Dados do Instituto Nacional de Estatística divulgados no final do ano passado indicam que para o triénio 2013-15 a esperança média de vida, à nascença, dos homens em Portugal era de 77,36 anos e para as mulheres de 83,23. De acordo com o estudo uma mulher nascida em 2030 teria portanto uma esperança média de vida superior aos 87 anos.

Segundo a The Lancet, em 2030 a esperança de vida à nascença das mulheres sul-coreanas terá ultrapassado os 90 anos (90,8), seguindo-se as francesas (88,6 anos), e as japonesas (88,4 anos). Nos homens, o primeiro lugar do “ranking” pertence também à Coreia do Sul (84,1 anos), seguindo-se os australianos e os suíços (84 anos).

De acordo com os investigadores o aumento da esperança de vida vai ter grandes implicações nas áreas da saúde e assistência social, que terão de se adaptar, e exigirá medidas políticas de apoio ao envelhecimento saudável. Será necessário, dizem, aumentar o investimento na saúde e na assistência social, e possivelmente rever a idade de reforma.

“Até recentemente, na mudança do século, muitos investigadores acreditavam que a expectativa de vida nunca ultrapassaria os 90 anos”, disse o autor principal do estudo, o professor Majid Ezzati, do Imperial College de Londres, realçando a importância de novas políticas para apoiar a crescente população mais idosa e de modelos alternativos de cuidados, como cuidados domiciliários apoiados na tecnologia.

O estudo, elaborado pela Organização Mundial de Saúde, pelo Imperial College de Londres, pela universidade inglesa de Northumbria e a universidade de Washington, recorreu a técnicas estatísticas idênticas às utilizadas nas previsões meteorológicas e desenvolveu 21 modelos para prever a esperança de vida (outras projeções usam apenas um modelo), combinando-os.

O aumento da esperança média de vida será menor na Macedónia, Bulgária, Japão e Estados Unidos para as mulheres, e na Macedónia, Grécia, Suécia e Estados Unidos para os homens.

Os Estados Unidos serão o país com menor crescimento da esperança média de vida à nascença, sendo que a esperança média de vida atual também já é das mais baixas dos países desenvolvidos.

O estudo também calculou quantos anos viveria uma pessoa com 65 anos em 2030 e considerou que as mulheres viveram mais 24 anos em 11 dos 35 países e os homens mais 20 anos em 22 países.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.