EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Como evitar os PFAS: cinco objetos a evitar para minimizar a exposição aos "químicos eternos"

Estas são as 5 principais fontes de PFAS "Forever Chemicals" em sua casa e como as evitar
Estas são as 5 principais fontes de PFAS "Forever Chemicals" em sua casa e como as evitar Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Imane El Atillah
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Há vários objetos comuns que contêm os chamados PFAS ou "químicos eternos" e que devem ser evitados.

PUBLICIDADE

As substâncias per e polifluoroalquílicas (PFAS), conhecidas como "químicos eternos", são utilizadas em várias indústrias, da eletrónica à indústria aeroespacial.

No entanto, esses poluentes também entraram nos produtos de consumo quotidiano, suscitando a preocupação do público devido aos seus efeitos nocivos para a saúde.

"Os PFAS são produtos químicos fabricados pelo homem, não existem naturalmente, temos de os fabricar em laboratório", disse à Euronews Shelley Liu, professora associada da Icahn School of Medicine at Mount Sinai.

"São muito úteis porque têm propriedades resistentes à água, repelentes de óleo e resistentes a nódoas, pelo que se pode imaginar que são muito utilizados na indústria e também em produtos de consumo", acrescentou.

Estes produtos químicos tóxicos podem também estar presentes na água, no solo e no ar, aumentando a exposição das pessoas.

Investigações recentes identificaram a presença de PFAS na água da chuva em quase todo o planeta, tendo sido encontrados na água da torneira e, cada vez mais, em produtos como frutas e legumes.

"Em geral, os PFAS têm uma ligação muito forte entre o carbono e o flúor e, por isso, são muito difíceis de decompor", afirmou Liu.

"O seu corpo não o decompõe e alguns destes químicos PFAS podem durar no seu corpo durante anos, talvez três a cinco anos", acrescentou.

Evitar a exposição a estes químicos pode ser um desafio, uma vez que a exposição ocorre através da utilização de produtos contaminados e que contêm estes químicos ou mesmo através da respiração de ar contaminado.

Estudos recentes descobriram também que estes produtos químicos eternos podem entrar na corrente sanguínea através do contacto com a pele.

Os PFAS são tóxicos para os seres humanos. Há vários estudos que os associam a um risco acrescido de cancro, perturbações hormonais, problemas reprodutivos e outros problemas de saúde.

Liu acrescentou que a exposição aos PFAS também está associada a funções mais fracas do sistema imunitário, a uma menor resposta às vacinas e a níveis mais elevados de colesterol.

"O facto de se ter uma exposição elevada não significa necessariamente que se vai contrair a doença, mas que o risco é maior", afirmou.

Embora evitá-los completamente possa ser quase impossível, uma vez que se encontram em quase todo o lado, as pessoas podem reduzir a sua exposição evitando alguns produtos do dia a dia que podem conter PFAS.

Panelas antiaderentes

Muitos tachos e panelas antiaderentes são revestidos com uma forma de PFAS, incluindo um chamado PTFE, que ajuda a evitar que os alimentos se colem.

PUBLICIDADE

Quando estes revestimentos são aquecidos, riscados ou começam a desgastar-se, podem decompor-se e libertar PFAS nos alimentos que estão a ser preparados.

Para reduzir a exposição, Liu disse que as pessoas devem optar por alternativas como o aço inoxidável ou substituir regularmente os utensílios de cozinha antiaderentes antigos.

Embalagem de alimentos

Os PFAS são por vezes utilizados em materiais de embalagem descartáveis para alimentos, como sacos de pipocas para micro-ondas, embalagens de fast food e caixas de pizza, devido à sua capacidade de resistir à gordura e ao óleo.

Estudos revelaram que as pessoas que comem regularmente fora de casa têm níveis mais elevados de PFAS no sangue do que as que comem frequentemente refeições caseiras, o que sugere que estes químicos podem ser transferidos da embalagem para os alimentos.

PUBLICIDADE

No entanto, alguns países e empresas estão a tomar medidas para restringir a presença destes químicos tóxicos nas embalagens de alimentos.

No início deste ano, a venda de embalagens contendo PFAS foi proibida nos EUA, de acordo com a Food and Drug Administration (FDA).

Algumas cadeias de fast food, incluindo a Burger King, a McDonald's e a Wendy's, também anunciaram planos para eliminar ou eliminar gradualmente os PFAS das suas embalagens.

Ainda assim, evitar embalagens descartáveis e de take-away, optando por refeições caseiras ou utilizando recipientes rotulados como livres de PFAS, pode ser uma forma eficaz de reduzir a exposição a estes químicos.

PUBLICIDADE

Produtos de beleza

Os PFAS são normalmente adicionados a muitos produtos cosméticos.

Encontram-se frequentemente em produtos que prometem efeitos duradouros, como os protectores solares e as máscaras à prova de água. Também estão presentes noutros cosméticos como batons, sombras e vernizes para as unhas.

A inclusão de PFAS nestes produtos apresenta riscos significativos, uma vez que podem ser absorvidos através da pele para a corrente sanguínea, conduzindo potencialmente a vários problemas de saúde.

Para reduzir a exposição aos PFAS nos cosméticos, as pessoas podem considerar a utilização de produtos rotulados como livres de PFAS ou verificar as listas de ingredientes para os compostos de PFAS conhecidos.

PUBLICIDADE

Produtos de higiene pessoal, incluindo produtos para a menstruação

Os PFAS não se encontram apenas nos cosméticos, mas também numa vasta gama de produtos de cuidados pessoais, incluindo produtos para o período.

Estes químicos são utilizados para aumentar a durabilidade, a resistência à humidade e a capacidade de espalhamento de vários artigos, o que faz com que sejam regularmente utilizados em loções e cremes.

Alguns produtos para a menstruação, como absorventes e roupas íntimas menstruais, também usam PFAS para melhorar a absorção.

Um estudo de consumidores de 2022, realizado pelo sítio de vigilância Mamavation em parceria com a Environmental Health News, concluiu que uma série de produtos menstruais contém, em certa medida, químicos PFAS, com base em análises laboratoriais de produtos para o período.

PUBLICIDADE

Eles foram capazes de detetar a presença desses "produtos químicos eternos" em 48 por cento dos pensos higiénicos e de incontinência e 22 por cento dos tampões, incluindo dois que foram rotulados como "biológicos".

Um relatório de 2021 da Mamavation concluiu que 65% da roupa interior para o período testada continha PFAS.

Para minimizar a exposição, os consumidores podem procurar produtos de cuidados pessoais de marcas livres de PFAS.

Tecidos à prova de água e de nódoas

Um relatório da Toxic-Free Future, uma organização de investigação e defesa da saúde ambiental, concluiu que 72% dos produtos testados, rotulados como resistentes à água ou às nódoas, apresentavam PFAS.

PUBLICIDADE

Os tecidos que conferem a alguns artigos domésticos, como tapetes e sofás, propriedades à prova de nódoas podem ser tratados com PFAS, colocando muitas pessoas em risco de exposição dentro de casa através do contacto com a pele ou da inalação de poeiras destes produtos.

Do mesmo modo, artigos de vestuário como gabardinas e casacos impermeáveis devem frequentemente as suas propriedades impermeáveis a estes produtos químicos tóxicos.

Para evitar a exposição, as pessoas podem verificar se as marcas retiraram os PFAS do seu vestuário ou dos seus produtos domésticos ou considerar a possibilidade de evitar completamente os artigos à prova de nódoas e à prova de água.

Liu também referiu que, à medida que a sensibilização do público para os PFAS aumenta, poderá incentivar as indústrias a procurar alternativas para obter as mesmas propriedades de resistência à água e às nódoas sem utilizar estes "químicos eternos".

PUBLICIDADE

Ainda assim, a principal responsabilidade cabe aos países para regulamentar o uso de PFAS e limitar a contaminação.

"Não há muito que nós, como público em geral, possamos fazer, acho que muito disso depende de regulamentos", disse Liu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

OMS classifica talco como "provavelmente cancerígeno" para os seres humanos

Agências da UE sugerem maior vigilância da gripe das aves

Tampões contêm metais, incluindo chumbo, zinco e arsénico, segundo investigadores