EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Nápoles proíbe iates com mais de 75 metros para desagrado dos multimilionários

Superyachts over a certain length will be banned from docking in Naples, Italy.
Superyachts over a certain length will be banned from docking in Naples, Italy. Direitos de autor canva
Direitos de autor canva
De  Charlotte Elton
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O porto de Nápoles, em Itália, proibiu a entrada de embarcações com mais de 75 metros de comprimento este verão.

PUBLICIDADE

Nápoles acaba de proibir os superiates com mais de 75 metros de comprimento. A restrição será aplicada pela primeira vez este verão. Os multimilionários não estão contentes.

Alguns administradores do porto expressaram frustração com a regra, que foi introduzida por motivos de segurança.

“Existem regras e nós respeitamo-las, mas neste caso deve-se realçar que as repercussões desta regra são consideráveis”, disse Massimo Luise, um dos administradores do cais de Mergellina, ao Italy24.

“É uma pena para Nápoles, que é uma cidade especial cheia de cultura e tradição… que não possa receber mais hóspedes do calibre de Leonardo DiCaprio, Johnny Depp, Jeff Bezos e Jennifer Lopez.”

Canva
A cidade de NápolesCanva

Bernard Arnault, o segundo homem mais rico do mundo, com um património líquido de 140 mil milhões de euros, foi um dos primeiros a entrar em conflito com as novas regulamentações.

O seu iate Symphony, com 101 metros de comprimento e seis conveses, ficou "encalhado" no mar Tirreno na semana passada, depois de a tripulação ter sido informada de que não poderia atracar na cidade do sul de Itália.

O magnata da moda, que é CEO da empresa de artigos de luxo LVMH e cofundador da Louis Vuitton, terá que se ocupar a bordo... E opções não faltam, incluindo um cinema ao ar livre e uma piscina com fundo de vidro.

O Corriere della Sera noticiou que o magnata dos media Barry Diller também renunciou a Nápoles como destino de férias.

Arnault também vendeu o seu jato privado

No ano passado, o empresário francês Bernard Arnault também vendeu o seu jato privado depois de ativistas climáticos lhe terem seguido o rasto no Twitter.

“63 multimilionários franceses emitem tanto CO2 quanto 50% da população”, escreveu a conta ‘I Fly Bernard’ responsável pelo rastreamento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Conflitos e instabilidade põem em risco a época turística na Geórgia

Deve usar protetor solar amigo dos recifes nas férias? Eis como proteger a sua pele de forma responsável

Vaga de calor na Grécia já fez seis mortos ou desaparecidos entre turistas estrangeiros