EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

É possível curar o jet lag? Os cientistas dizem que a resposta pode estar relacionada com a altura em que se come

O jet lag ocorre quando o relógio interno do corpo, conhecido como sistema circadiano, está dessincronizado com o ambiente que o rodeia.
O jet lag ocorre quando o relógio interno do corpo, conhecido como sistema circadiano, está dessincronizado com o ambiente que o rodeia. Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Euronews Travel
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Esta dica para as refeições é o truque para evitar o pior do jet lag, de acordo com um novo estudo.

PUBLICIDADE

Em breve poderá haver uma solução para o jet lag, uma vez que os cientistas estão a tentar descobrir a causa desta condição que ocorre quando os seres humanos viajam muito para leste ou oeste num curto espaço de tempo.

Tal como acontece com outros problemas relacionados com o sono, cada um tem a sua própria abordagem e conselhos. Mas um novo estudo dá suporte científico à ideia de que a alimentação é fundamental. Eis porquê.

O corpo funciona como um relógio

O jet lag ocorre quando o relógio interno do corpo, conhecido como ritmo circadiano, não está sincronizado com o ambiente que o rodeia. Também conhecido como dessincronose, é um conceito familiar para muitos; estar na "hora de Nova Iorque" no Reino Unido, por exemplo.

Mas se olharmos com mais atenção (como fizeram os cientistas no virar do século), verificamos que os seres humanos são, de facto, compostos por muitos relógios internos, pequenos relógios que estão presentes em quase todas as células e tecidos.

Estes relógios internos respondem a diferentes sinais. O relógio do cérebro toma nota da luz solar, enquanto os relógios dos órgãos periféricos - como os nervos - dependem da hora das refeições.

Mas pouco se sabe sobre a forma como os vários relógios do corpo interagem uns com os outros e o que os faz sincronizar-se.

Cientistas da Northwestern University e do Santa Fe Institute, nos EUA, tentaram responder a essa questão num novo estudo, publicado na revista Chaos.

"A maior parte dos estudos centram-se sobretudo num sinal de tempo específico ou num único relógio", afirma o autor do estudo, Yitong Huang. "Ainda existem lacunas importantes na nossa compreensão da sincronização de vários relógios com sinais temporais contraditórios".

Para saber mais, Huang e os seus colegas criaram uma estrutura matemática para recriar a complexa interação entre os sistemas do nosso corpo.

Quando se deve comer para evitar o jet lag?

O modelo dos investigadores ajudou-os a determinar o que agrava o jet lag.

Os sintomas comuns do envelhecimento - tais como sinais mais fracos entre os relógios circadianos e uma menor sensibilidade à luz - resultam num sistema mais vulnerável a perturbações e mais lento a recuperar, concluíram.

E dar prioridade ao seu estômago é a forma mais segura de se habituar.

"Fazer uma refeição maior no início da manhã do novo fuso horário pode ajudar a superar o jet lag", diz Huang.

"A mudança constante dos horários das refeições ou a realização de uma refeição à noite é desaconselhada, uma vez que pode levar a um desalinhamento entre os relógios internos."

Os cientistas estão agora a centrar a sua investigação nos fatores que tornam os nossos relógios internos mais resilientes, o que poderá levar a recomendações que previnem o jet lag em primeiro lugar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Itália, Eslovénia e Croácia: Nova linha de comboio oferece uma aventura ferroviária por apenas 8 euros

Cafés na Europa estão fartos de nómadas digitais que ocupam muito espaço

Baleias, ursos, linces: conheça os projetos que permitem aos turistas encontrar a vida selvagem de forma responsável na Europa