EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Da Síndrome de Paris aos preços altíssimos: o que esperar da Cidade das Luzes?

Um turista tira uma fotografia do Arco do Triunfo, que está atualmente a exibir um símbolo dos Jogos Paraolímpicos antes do evento
Um turista tira uma fotografia do Arco do Triunfo, que está atualmente a exibir um símbolo dos Jogos Paraolímpicos antes do evento Direitos de autor Christophe Ena/The AP
Direitos de autor Christophe Ena/The AP
De  Saskia O'Donoghue
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

À medida que os Jogos Olímpicos se aproximam, muitos de nós estão a pensar mais em Paris. Eis tudo o que precisa de saber antes de viajar.

PUBLICIDADE

A poucas semanas dos Jogos Olímpicos de 2024, muitos de nós estão a pensar um pouco mais do que o habitual na cidade anfitriã, Paris.

No entanto, antes deste popular evento desportivo, têm sido feitas muitas críticas às autoridades e aos empresários, que aumentaram os preços durante este período, e também à própria capital francesa.

A maioria das pessoas que chega a Paris pela primeira vez tem uma visão idealizada, esperando beleza em cada esquina, gastronomia de alto nível e pessoas atraentes com roupas perfeitas.

Como em qualquer grande cidade, nem sempre é esse o caso. Alguns turistas apanham um choque desagradável quando as expectativas não correspondem à realidade.

Há, de facto, um nome para esse sentimento: a Síndrome de Paris. E pode ser muito grave, com alguns turistas a sofrerem de um aparente estado de choque cultural grave.

A ponte Alexandre III é um dos locais mais populares de Paris.
A ponte Alexandre III é um dos locais mais populares de Paris. Léonard Cotte via UnSplash

O que é a Síndrome de Paris e como se manifesta?

É uma expressão cunhada por Hiroaki Ota, um psiquiatra japonês que trabalhou em França na década de 1980.

Aplica-se sobretudo a turistas japoneses - cerca de 1,1 milhões visitam Paris todos os anos - mas pode aplicar-se a pessoas de qualquer país.

Os agentes de turismo, o animé e as revistas de luxo tendem a vender Paris como um local "perfeito": uma bela metrópole, perfeita para uma pausa romântica ou uma viagem cultural com amigos.

Ao chegarem, muitas pessoas ficam desanimadas com o facto de a cidade ter um lado obscuro, com crime, barulho, prostituição e ruas sujas.

Enquanto alguns podem ficar simplesmente desiludidos, outros podem ter uma reação muito mais grave.

Nalguns casos, esse sentimento é tão agudo que pode criar sintomas visíveis, como náuseas, tonturas, alucinações e um ritmo cardíaco acelerado.

Todos os anos, cerca de 20 turistas japoneses são afectados por esta doença, disse um administrador na embaixada japonesa em Paris ao jornal britânico The Guardian, em 2006.

Turistas a passear no Jardim das Tulherias.
Turistas a passear no Jardim das Tulherias. Thomas Padilla/AP/File

Apesar das desvantagens, ainda vale a pena visitar Paris?

No fórum Paris do Reddit, os comentadores são muito abertos sobre as razões pelas quais os visitantes podem ser desencorajados de visitar a Cidade das Luzes.

Num tópico, um utilizador pergunta: "Parisienses, porque é que acham que quem visita a cidade pela primeira vez fica desiludido?"

As respostas vão desde "tantos carros e tanta gente" até ao facto de os visitantes "não serem tratados como 'o rei da Grã-Bretanha' pelos dois milhões de parisienses" e à "sujidade" das ruas.

PUBLICIDADE

Mas qual é a questão mais mencionada? Os visitantes de Paris assistirem à série da Netflix "Emily in Paris" antes de chegarem. A série de Lily Collins segue uma mulher norte-americana de 20 e poucos anos que embarca numa vida de romance, restaurantes e alta costura na capital francesa, aparentemente através de óculos cor-de-rosa.

Mas o Reddit está cheio de coisas positivas sobre Paris. Os utilizadores dizem que bebericar uma taça de champanhe - ou um kir royale - num café da avenida, comer um croissant ou ler um livro num parque é algo que nenhuma outra cidade consegue bater.

A polícia a passar junto da Torre Eiffel.
A polícia a passar junto da Torre Eiffel. Louise Delmotte/AP

É um mito dizer que Paris é cara?

Na sede da Euronews Travel, as nossas opiniões sobre Paris são bastante contraditórias.

Harriet Reuter Hapgood é uma fã.

PUBLICIDADE

"Adoro Paris. Acho que é a cidade que mais visitei. É uma cidade tão fácil de explorar, tanto a pé como de metro", diz Harriet.

"A variedade de museus é incrível... e também se pode comer barato. Acho que é um mito dizer que Paris é cara. Uma sanduíche de 8 euros do L'As du Fallafel, no Marais, é suficiente para o almoço e para o jantar. Todos os sabores de gelado do Berthillon, a um passo da livraria Shakespeare & Co, valem os 2,50 euros".

Rosie Frost está menos convencida.

"Foi uma experiência interessante, mas percebo que algumas pessoas fiquem desiludidas quando visitam, se tiverem uma visão de conto de fadas da cidade. Paris pode ser muito cara e achei os hotéis um pouco imprevisíveis", diz Rosie. "Encontrar comida com restrições alimentares também nem sempre é fácil. Foi divertido ir e ver um destino tão famoso, mas não sei se voltaria".

PUBLICIDADE

'As pessoas que não gostam de Paris não estão a visitá-la bem'

Olhar para além das principais atracções pode ser a chave para desfrutar da sua viagem a Paris.

"Toda a cidade é tão bonita e bem planeada que não precisa de subir à torre Eiffel ou entrar no Louvre: evite as filas, as multidões e os bilhetes e passeie pelos arrondissements, comprando a comida barata", sugere Harriet.

Ian Smith diz que, apesar das filas dos museus e dos restaurantes, por vezes cheios, Paris ainda vale a pena ser visitada.

"As pessoas que não gostam de Paris não estão a visitá-la bem. Claro, vá e visite as grandes atracções como o Louvre e o Arco do Triunfo, mas a verdadeira diversão em Paris é apenas estar em Paris. Vivi num subúrbio parisiense durante um ano e todos os fins de semana ia à cidade. Nem uma vez fiquei desiludido", diz Ian.

PUBLICIDADE

Se não planear demasiado a sua visita e deixar-se levar, pode muito bem ser uma excelente viagem.

"Pode passear por muitas zonas e tropeçar nos edifícios e igrejas bonitos que nem sequer são mencionados em nenhum guia porque a lista seria demasiado longa. Beber um copo de vinho, observar as pessoas, parar numa exposição ou num mercado e simplesmente absorver a cidade", acrescenta.

"(Paris) está repleta de coisas para fazer sem ter de planear e, por favor, considere deixar de lado os locais turísticos habituais (ou pelo menos alguns deles)."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ocupação hoteleira em Paris desce em flecha por causa dos Jogos Olímpicos

Quer umas férias na praia mas não suporta o calor? Estas são as escapadelas de verão mais frescas da Europa

De pequenos principados a países subestimados: porque é que deve visitar os locais menos populares da Europa