Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

ONU: Rússia veta resolução que considera que massacre de Srebrenica foi um genocídio

ONU: Rússia veta resolução que considera que massacre de Srebrenica foi um genocídio
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Rússia vetou, esta quarta-feira, no conselho de Segurança das Nações Unidas, um projeto de resolução que pretendia reconhecer como “genocídio” o massacre de julho de 1995 em Srebrenica, na Bósnia-Herzegovina.

O texto, apresentado pelo Reino Unido, foi considerado contraproducente pelo embaixador russo na ONU.

“A aprovação desta resolução, no Conselho de Segurança, seria contraproducente e levaria a uma maior tensão na região”, garantiu Vitaly Churkin.

O Presidente sérvio, Tomislav Nikolic, considerou o veto da Rússia como “um grande dia para a Sérvia” pois acredita que a resolução iria “estigmatizar todo o povo sérvio”.

A votação, nas Nações Unidas, acontece a poucos dias das cerimónias do 20º aniversário da morte de cerca de 8000 homens e rapazes muçulmanos, em idade de combater, depois da conquista do enclave pelas forças sérvias, na fase final do conflito na Bósnia-Herzegovina.

Milhares de pessoas juntaram-se aos sobreviventes do massacre e recriaram o caminho que lhes permitiu fugir. O veto da resolução não foi entendido pelos sobreviventes.

“É evidente que o genocídio ocorreu de uma forma sistemática. Foi um assassinato sistemático de milhares e milhares de pessoas e a deportação de um determinado grupo étnico, numa determinada área. É claro que isso se enquadra na definição de genocídio e se nós não pudermos apoiar isso então, honestamente, não percebo qual é o objetivo das Nações Unidas e desse género de organizações”, desabafa uma sobrevivente, Adisada Dudic.

No sábado a Bósnia recorda os milhares de mortos durante o Massacre de Srebrenica, a maior atrocidade na Europa desde o Holocausto, durante a Segunda Guerra Mundial.

Espera-se que milhares de pessoas assistam às cerimónias que incluem o funeral de 136 vítimas, identificadas recentemente.