A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Baterias de sódio: O sal produz energia

Baterias de sódio: O sal produz energia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Nas ruas de Dresden, na Alemanha, András Kovács, um físico húngaro, conduz um carro elétrico. Na mente, András tem uma ideia pioneira: “Queremos que os carros do futuro funcionem com a ajuda de uma bateria de sódio. Em comparação com as baterias atuais, a de sódio duplica a energia. Além disso, pode acelerar o carregamento. Os veículos elétricos podem recarregar-se totalmente em apenas cinco minutos”.

A bateria de sódio duplica a energia. Além disso, pode acelerar o carregamento.

O jornalista da euronews, Julián López Gómez, questiona-se: “Quais são os desafios técnicos destas baterias, parcialmente feitas com sal?”

András, também diretor executivo da empresa Broabit, teve de desenvolver e testar células de alta potência, capazes de aumentar a capacidade, a segurança e a vida útil da bateria. Queria também que fossem mais baratas a produzir do que as baterias de lítio existentes.

András Kovács explica: “Os elétrodos da bateria foram desenvolvidos em dois passos. Em primeiro lugar, fizemos os ânodos de sódio metálico. Portanto, esta é realmente a primeira bateria com base em sódio metálico. Preparámos os cátodos com uma técnica especial de processamento a seco. São necessários três dias para secar quimicamente os cátodos tratados das baterias atuais. Com esta tecnologia, os elétrodos são produzidos em estado seco. A produção é mais rápida”.

A ideia teve um reconhecimento adicional em Lisboa, no final de outubro.

András ganhou o “Prémio “Innovation Radar”“:https://ec.europa.eu/digital-agenda/en/innovation-radar, que distingue criadores e projetos com forte potencial inovativo na Europa. O júri reconheceu a sua vontade de revolucionar o setor dos veículos elétricos. Na corrida estiveram 14 projetos.

Stavriana A. Kofteros, membro do júri do Prémio “Innovation Radar”, adianta: “Para começar uma revolução, para haver uma verdadeira inovação, é preciso que alguém tenha uma grande visão, que nada pode parar. Não podemos focar-nos em pequenos passos, que juntos, vão melhorar detalhes do que já existe. Uma grande inovação é capaz de mudar a situação do mercado. Para isso, é preciso uma pessoa inovadora, com muita energia, muita paixão e muito compromisso”.

“Innovation Radar” é uma iniciativa da Comissão Europeia para ajudar a desenvolver as ideias inovadoras para que cheguem ao mercado.

Roberto Viola, diretor geral da DG Connect, explica a necessidade do galardão: “Este prémio era necessário porque a excelência deve ser recompensada. Os sonhos merecem ser reconhecidos e premiados. Temos de trabalhar juntos nessa direção. É importante que os jovens cientistas tenham desafios. Precisamos de ideias, porque sem ideias não vamos longe. Mas é necessário também potencial de mercado. Sem isso não se vai a lado nenhum. Quando se trata de inovação, é preciso unir as duas partes. Uma boa ideia e uma boa forma de introduzir essa ideia no mercado”.

Tal como muitos cientistas europeus, András tem um longo caminho pela frente:
“A nossa pesquisa em laboratório está concluída. Estamos a construir a fábrica-piloto, que deverá estar pronta no próximo ano. Esperamos ser capazes de lançar o produto no mercado dentro de dois a três anos, para que possa equipar veículos elétricos ou mesmo aviões. O tempo exato para o lançamento vai depender dos investidores que estão interessados em trabalhar connosco”.