Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Turquia diz que mísseis russos destruíram hospital sírio

Turquia diz que mísseis russos destruíram hospital sírio
Tamanho do texto Aa Aa

Dois hospitais sírios foram destruídos, esta segunda-feira, por bombardeamentos aéreos.

Pelo menos 11 pessoas morreram durante os ataques contra uma unidade hospitalar, em Idlib, no noroeste da Síria, gerida pelos Médicos Sem Fronteiras.

O chefe da missão da organização para a Síria diz que os bombardeamentos foram premeditados e lamenta que a destruição tenha deixado 40 mil pessoas sem acesso à saúde.

Na província vizinha de Alepo, na cidade de Azaz, 14 pessoas morreram após um ataque contra um hospital pediátrico. O balanço é ainda provisório já que várias pessoas ficaram feridas.

De acordo com fontes oficiais turcas, a unidade hospital foi atingida por mísseis russos. Moscovo ainda não confirmou a informação.

Ancara teme que as milícias curdas se apoderem da cidade Azaz, o último reduto dos rebeldes antes da fronteira com a Turquia e já fez saber que não vai deixar cair a cidade.

De visita à Ucrânia, o chefe de governo turco condenou o ataque contra o hospital e rejeitou por fim aos bombardeamentos no norte da Síria contra as milícias curdas que acusa de estarem a ser instrumentalizadas pela Rússia.

“Isto mostra que mesmo depois do acordo de Munique, a intenção da Rússia não é respeitar um cessar-fogo, mas continuar a matar civis e a cometar mais massacres ao lado do regime sírio” afirma Ahmet Davutoglu.

Já Moscovo acusa Ancara de facilitar a entrada de grupos radicais na Síria com o objetivo de destabilizar o país.

O compromisso alcançado na passada sexta-feira em Munique para acabar com as “hostilidades” entra em vigor esta semana. Mas dada a situação no terreno os analistas temem que o acordo fique no papel.