Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Argentina está em crise

Argentina está em crise
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Argentina está em crise, não há volta a dar. Apesar do regresso de Lionel Messi, a “albiceleste” está longe de convencer e neste momento está mesmo fora dos lugares de acesso ao mundial da Rússia. Tudo ficou pior com o banho de bola que a Argentina levou do Brasil na quinta-feira no Mineirão.

Se no Barcelona, Neymar está habituado a deixar o protagonismo para Messi, nas seleções é o brasileiro quem mais brilha. O argentino tem estado bem distante do seu melhor com a camisola da seleção e os resultados refletem isso mesmo, com a equipa a somar o quarto encontro consecutivo sem vencer.

O cenário está longe de ser negro, os argentinos estão a apenas dois pontos dos lugares de qualificação, mas não deixa de ser preocupante. Afinal de contas a equipa nunca mostrou capacidade para discutir o resultado em Belo Horizonte e até se pode dar por satisfeita por o Brasil só ter marcado três.

Tite continua o seu estado de graça no Brasil e a vitória frente à argentina foi a cereja em cima do bolo. Desde que assumiu o cargo de selecionador, o escrete canarinho tem cinco vitórias em cinco jogos, com 15 golos marcados e apenas um sofrido.

Neymar tem estado imparável e o seu golo frente à Argentina foi o 50º pela seleção. Com apenas 24 anos de idade é já o quarto na lista de goleadores do Brasil, atrás de Pelé, Ronaldo e Romário. O recorde de Pelé (77 golos) está seriamente ameaçado.

Para a Argentina, é verdade que ainda faltam sete jornadas na qualificação sul-americana mas a este ritmo, fica mesmo fora do mundial. O duelo frente à Colômbia, esta terça-feira, será decisivo.

O histórico é favorável à equipa da casa e é preciso recuar a 1993 para encontrar a derradeira vitória colombiana em Buenos Aires. Um triunfo histórico, por 5-0 da equipa de Valderrama, Asprilla e companhia. O apoio fervoroso dos adeptos argentinos pode transformar-se numa pressão insuportável.

Ninguém imagina um Campeonato do Mundo sem Lionel Messi mas a verdade é que o apuramento se conquista dentro das quatro linhas, e dentro das quatro linhas a Argentina tem sido uma equipa banal.