EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Debate televisivo: A França entrou finalmente em campanha eleitoral

Debate televisivo: A França entrou finalmente em campanha eleitoral
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pela primeira vez em França, os cinco principais candidatos à eleição presidencial enfrentaram-se em debate na televisão.

PUBLICIDADE

Pela primeira vez em França, os cinco principais candidatos à eleição presidencial enfrentaram-se em debate na televisão. O debate foi precedido de uma polémica sobre a ausência dos seis outros candidatos. Foi uma escolha da estação de televisão TF1.

Interrogados sobre os temas mais quentes da campanha, os candidatos foram avaliados por painéis de comentadores e pelo público. Os resultados foram imedidatamente divulgados pelos institutos de sondagens. Mélenchon e/ou Macron foram considerados os mais convincentes.

E Jean-Luc Mélenchon, o candidato do movimento “França Insubmissa” fez brilhar os seus talentos de orador e criou momentos fortes, como quando se dirigiu aos jornalistas que conduziam o debate: “Admirei os vossos pudores de gazelas, quando se diz que a campanha foi poluída pelos escândalos financeiros de alguns. Perdão. Eu não! Quero precisar isto. Aqui só há duas pessoas visadas. Nós três não temos nada a ver com isso. Não nos metam no mesmo saco”.

Depois, virou-se para Marine Le Pen:
“Você não pode pôr uma polícia do vestuário nas ruas. Tem intenção de proibir às pessoas de pintarem os cabelos de verde ou de vestirem saias muito curtas? E prosseguiu:
“Limitar os clandestinos? E como é que os conta? É uma velha discussão. Estamos a propôr redes cheias de buracos. Pode inventar quotas, bilhetes, .. vai atirá-los ao mar, bater-lhes? Isso não é sério”.

Emmanuel Macron marcou os espíritos sobretudo nesta troca de palavras com Marine Le Pen. Ela lançou o ataque: “Há alguns anos não havia burkinis nas praias – eu sei que o senhor os defende, senhor Macron”.
Ele respondeu: “Não por favor, Senhora Le Pen, você não fala por mim, eu não preciso de ventríloco. Garanto-lhe que estou bem e quando tenho qualquer coisa a dizer, digo-a claramente, é o meu hábito”.

O candidato do Movimento “Em Marcha”, que se diz nem de esquerda nem de direita, foi alvo de vários ataques e acabou por reagir com humor: “Ainda bem que cá estou, vocês iam aborrecer-se sem mim”.

A presidente da Frente Nacional não o poupou: “Sabe que mais, senhor Macron, o senhor tem um grande talento. Conseguiu falar sete minutos e eu sou incapaz de resumir o seu pensamento. Você não disse nada. É o vazio sideral!”

François Fillon, o candidato dos Republicanos, a contas com a justiça por causa dos empregos fictícios da família, procurou uma postura formal e esteve quase inaudível durante a primeira hora do debate, mas teve trocas acesas particularmente com Marine Le Pen: “O verdadeiro serial-killer do poder de compra dos franceses é Madame Le Pen com a saída do euro e o restabelecimento do franco”

A resposta veio, imediata: “Senhor Fillon, isso chama-se o projeto medo, como antes do Brexit e da eleição de Donald Trump.

O candidato do Partido Socialista, Benoit Hamon levantou várias questões a Macron sobre os lobbies e o financiamento da campanha:
“Pode o senhor garantir que entre as pessoas mais afortunadas que fizeram doações importantes a si ou à sua campanha não há diversos quadros da indústria farmacêutica, diversos quadros da idústria petrolífera ou química? Diversos quadros da indústria bancária? Só lhe pergunto isto. O senhor pode dizer-me isso?”.

Macron alegou que a identidade dos doadores está protegida pela lei.
O debate, que durou cerca de três horas e meia, foi favorável a Mélenchon e Macron. Está dado o pontapé de partida da campanha das presidenciais. Os franceses esperam já o próximo confronto, marcado para 4 de abril, desta vez com os 11 candidatos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente da Câmara de Paris nada no Sena para demonstrar limpeza do rio

Aumentam preocupações com as propostas económicas dos partidos antes das eleições francesas

Líder da extrema-direita opõe-se ao envio de tropas francesas para a Ucrânia