Última hora
This content is not available in your region

Greenpeace segue trajeto da "Chernobyl flutuante"

Greenpeace segue trajeto da "Chernobyl flutuante"
Tamanho do texto Aa Aa

Parece um navio, mas não é. Trata-se nada menos do que uma central nuclear flutuante construída pela Rússia. Chama-se "Akademik Lomonosov" e é alvo dos mais ativos protestos da Greenpeace, que tem seguido esta plataforma, rebocada na sua rota ao longo do Mar Báltico.

A central foi lançada às águas em São Petersburgo. O destino final é Pevek, uma remota localidade no extremo nordeste da Rússia, onde irá abastecer de energia cerca de 200 mil habitantes, assim como plataformas petrolíferas e estações de dessalinização.

Para tal, tem de contornar a península escandinava e parar em Murmansk, onde os dois reatores vão receber o combustível nuclear para produzir 70 megawatts de eletricidade.

Os ativistas da Greenpeace falam numa "Chernobyl flutuante". E não será a única, uma vez que a China se prepara para lançar uma estrutura idêntica em 2020.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.