Última hora

Última hora

Vítimas mortais enterradas em valas comuns na Indonésia

Em leitura:

Vítimas mortais enterradas em valas comuns na Indonésia

Vítimas mortais enterradas em valas comuns na Indonésia
Tamanho do texto Aa Aa

Se por um lado procuram sinais de vida debaixo dos escombros por outro as autoridades indonésias começaram a enterrar cadáveres em valas comuns para evitar os riscos para a saúde pública.

O número de mortos - contam-se, nesta fase, mais de 840 - tem vindo gradualmente a aumentar desde que um violento sismo, seguido de réplicas e de um tsunami, abalou a ilha de Celebes na semana passada.

As cidades indonésias de Palu e de Dongalla foram duas das áreas mais afetadas pela fúria das ondas.

Enquanto aguarda pela ajuda humanitária, o país depara-se, em simultâneo, com uma vaga de pilhagens.

No terreno, o sentimento de impotência e frustração começa a ganhar força como explicou, em entrevista à Euronews, o jornalista Tony Cheng: "A frustração está a começar a crescer. Vimos o Presidente Joko Widodo a visitar a área, a prometer que a polícia e o Exército concentrariam os esforços 24 horas por dia. Claramente as pessoas em Palu sentem que não é suficiente, em particular à medida que os dias e as horas passam e se apercebem que não têm a ajuda de que precisam."

O executivo indonésio pediu ajuda à comunidade internacional. A União Europeia anunciou que serão desbloqueados cerca de 1,5 milhões de euros em ajuda humanitária para a ilha de Celebes.