Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Especialista considera que incêndios serão cada vez mais intensos

Especialista considera que incêndios serão cada vez mais intensos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O fogo que tem devastado a Califórnia está longe de ser um caso único nos últimos anos. A euronews entrevistou o especialista em incêndios florestais, Stefan Doerr, para tentar compreender o fenómeno.

Euronews: Porque é que os incêndios são cada vez mais intensos?

Doerr: As alterações climáticas têm influência e já foi provado que na Califórnia aumentou o número de incêndios, podemos dizer o mesmo do Canadá. Em termos globais, temos períodos de seca mais longos que favorecem a proliferação de incêndios. As alterações climáticas aumentam a intensidade dos incêndios, não quer dizer que vamos ter fogo em todo o lado, mas serão mais ferozes e irão colocar vidas em perigo.

As temperaturas médias aumentaram, a precipitação baixou em algumas zonas e há menos neve no inverno, o que torna o solo mais seco e cria as condições ideais para os incêndios. Juntando isto à seca extrema que tivemos no verão e aos fortes ventos que se fazem sentir e qualquer fonte de ignição pode propagar à vegetação circundante e causar estes incêndios.

Euronews: Este ano tivemos incêndios de grandes proporções em Portugal e na Grécia, o que devíamos fazer para combater o fenómeno a nível global?

Doerr: Devíamos mudar a forma como interagimos com os incêndios. Estamos a construir cada vez mais em zonas altamente inflamáveis. Por exemplo, a cidade de Paradise na Califórnia, onde podemos ver árvores em todo o lado. Árvores ao longo das ruas, árvores junto às casas, ainda por cima pinheiros, uma espécie bastante inflamável nestas condições.

Aconteceu o mesmo na Grécia este verão, morreram quase 100 pessoas numa pequena cidade, em Mati, que estava coberta de árvores. O que devíamos fazer é remover a vegetação inflamável das zonas urbanas e manter as zonas florestais longe das cidades, isto irá salvar muitas vidas no futuro.