Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Cardeal Barbarin conhece a sentença no dia 7 de março

Cardeal Barbarin conhece a sentença no dia 7 de março
Tamanho do texto Aa Aa

Terminou o julgamento do cardeal Phillipe Barbarin. O arcebispo de Lyon e os cinco outros antigos membros da sua diocese conhecem o veredito no dia 7 de março.

A sentença ainda não foi proferida, mas as vítimas sentem-se impotentes face às regras da justiça: "Estou escandalizado desde a decisão de ontem do procurador... agastado pelas interpretações dos advogados da outra parte. Mentiras e provas que são empurradas com as costas das mãos, para fazerem crer que estas pessoas fizeram tudo para nos ajudarem, para ajudarem o Alexandre. É simplesmente escandaloso, mas vamos ter que continuar a ouvi-los, não temos alternativa, é a regra do processo judicial", afirma Pierre-Emmanuel Germain-Thill, porta-voz da associação "La Parole Libéré".

O advogado da acusação, Jean Boudot, defende que não há como fechar os olhos aos sofrimento das vítimas: "Já ninguém pode dizer, com toda a publicidade que têm tido estes debates, "não sabíamos ou não tínhamos percebido que um menor, vítima de agressão sexual, iria viver isto de uma forma terrível durante anos".

O advogado de defesa, Jean-Felix Luciani, considera que este é um processo injusto para o cardeal Barbarin: "É preciso considerar os outros como um fim e não como um meio. Barbarin está a ser condiserado como um meio para denunciar não sei que sistema, não sei que instituição. É um homem com o seu sofrimento, com as suas ações, com os seus erros e com tudo aquilo que não merce e ele não mercia este processo penal".

O cardeal Barbarin compareceu em tribunal acusado de não ter denunciado as agressões sexuais cometidas pelo padre Preynat antes de 1991.

O processo, que incidiu essencialmente sobre os silêncios da Igreja levou a testemunhos aterradores sobre os atos do padre Preynat. Tanto Philippe Barbarin como os outros cinco arguidos negaram ter silenciado a atuação do padre, agora com 73 anos, que aguarda julgamento.

Bernard Preynat foi denunciado ao cardeal Decourtray, archebispo de Lyon na altura dos factos. Foi temporariamente afastado, mas continuou a exercer, em contacto com crianças, até setembro de 2015, altura em que o cardeal Barbarin lhe retirou todas as funções.

A repórter da Euronews, Valérie Gauriat acompanhou o julgamento, no tribunal de Lyon:

"O tribunal vai ler a sentença no dia 7 de março, daqui a dois meses. Um prazo que, segundo os advogados, não será demasiado para que os juizes possam analisar o conteúdo destes quatro dias de debates, que foram densos e complexos mas também de emoções fortes. Que os arguidos sejam ou não ilibados, o processo - que a defesa descreveu como um show mediático - terá tido, para os queixosos, o mérito de fazer luz, aos olhos do mundo inteiro, sobre os dramas que constituem as violências sexuais perpetradas contra as crianças. Por isso, a diocese de Lyon agradeceu hoje, através do seu porta-voz, a associação de vítimas "La Parole Libéré, que apresentou esta queixa, ainda que o cardeal Barbarin tenha preferido deixar discretamente a sala de audiência pela porta das traseiras".