Brexit: O que pensam os eurodeputados

Brexit: O que pensam os eurodeputados
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os eurodeputados estão preocupados com a perspetiva de o divórcio entre Bruxelas e Londres se concluir sem acordo, numa altura em que o tempo se esgota.

PUBLICIDADE

Entre os deputados europeus, o pior cenário é também o não acordo. Em todos os quadrantes políticos há quem defenda que o facto de o tempo estar a esgotar-se não pode ser uma desculpa para deixar que algo de mau aconteça.

Manfred Weber, o líder do Partido Popular Europeu (PPE), afirma: "O não acordo é, depois desta votação na câmara dos comuns, mais realista do que nunca, mas toda a gente está pronta a dar o seu melhor para evitá-lo, isso é absolutamente claro. Do lado europeu as opções para lidar com Brexit estão em cima da mesa. Temos países que estão ligados à União Europeia, mas não são membros de pleno direito da UE, como a Noruega, a Suíça e outros, e o nosso grande problema é que precisamos de esclarecimentos dos nossos amigos britânicos, precisamos de esclarecer como será a relação sustentável a longo prazo".

O dirigente dos socialistas europeus (PSE), Udo Bullman, defende: "Talvez esta seja a ideia de base. Se foi iniciado um processo há dois anos, sob o lema "recuperamos o controlo "e que o parlamento agora se encontra paralisado, talvez se deva voltar a questionar as pessoas".

Para a vice-presidente do Parlamento Europeu, Mairead Mc Guinness,  "Agora que temos este resultado, as pessoas falam mais sobre um não acordo, mas os preparativos continuam a ser feitos, tanto a nível da UE quanto a nível dos Estados membros. Ainda não acho que alguém acredite que seja uma boa solução quer para os políticos quer para os cidadãos. Esperamos que possa ser resolvido no parlamento, porque se o tempo é um problema, como vamos lidar com isto? Não podemos permitir que algo mau aconteça só porque estamos a lutar contra o tempo".

E o tempo é, por agora,  a única certeza. Os dois meses e meio que faltam para o Brexit vão continuar a correr inexoravelmente.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pós-Brexit: bebidas com baixo ou nenhum teor alcoólico serão vendidas como "vinho" no Reino Unido

Oposição na Hungria apela à realização de eleições antecipadas

Borrell afirma ter “a certeza” que Rússia vai tentar interferir nas eleições europeias