Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Eu quero viver, mas não posso devido à situação na Venezuela"

"Eu quero viver, mas não posso devido à situação na Venezuela"
Direitos de autor
REUTERS/Angus Berwick
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

É só mais um aspeto da crise profunda em que a Venezuela está mergulhada: há anos que falta quase tudo inclusive os medicamentos mais básicos para tratar quem precisa.

Rosa Materano sofre de insuficiência renal e vive um calvário para comprar a medicação de que necessita, mas considera-se uma pessoa com sorte porque ainda está viva ao contrário de muitos.

"Pergunto-me a mim mesma, o que podemos fazer, nós os pacientes? Porque os pacientes querem viver. Eu quero viver, mas não posso devido à situação", lamenta Rosa, em declarações à Euronews.

Os médicos têm vindo a exigir salários dignos e suprimentos.

Um pão de milho é tudo quanto o filho hospitalizado de uma mulher com quem nos cruzámos vai poder comer neste dia no hospital.

Os médicos alertam para o aumento da mortalidade devido à crise. Estão ainda mais preocupados com o aumento da mortalidade infantil.

"Faltam cerca de 90% de material médico e fármacos. Exames de laboratório que antes fazíamos, já não se fazem. Cerca de 10% fazem-se nos centros de saúde. Há sobretudo uma escassez entre 90 a 95% por cento na alimentação que tínhamos para os nossos pacientes. Sentimo-nos de mãos atadas, impotentes. Não temos como dar resposta às necessidades do nosso povo", disse à Euronews Carlos Prosperi, médico no Hospital José Maria Vargas, em Caracas.

No modesto bairro de Unión de Artigas encontrámos Maria Yomaira. É diabética e sofre também de osteoporose. Leva os dias a tentar encontrar a medicação de que precisa.

"Nalguns sítios pedem-me para pagar em dólares, mas como imagina não tenho dólares. Onde é que os poderia encontrar? Sou formada em enfermagem e ganhava muito pouco", revela Maria Yomaira ao nosso enviado especial, confidenciado que alguma da medicação consegue pagar graças à ajuda que lhe envia o filho, emigrante no Chile.

O Presidente Nicolás Maduro tentou várias alternativas para evitar o agravar da crise na Venezuela, mas sem sucesso.

Héctor Estepa, o nosso enviado especial à capital venezuelana, conta-nos que "Juan Guaidó, reconhecido pelos Estados unidos e pelo Parlamento Europeu como presidente interino, anunciou a criação de um corredor humanitário na fronteira para permitir a entrada de medicamentos e comida."

"Nicolás Maduro queixa-se das sanções internacionais, afirma estar a ser vítima de um golpe e desconfia da abertura desse corredor humanitário. O Presidente receia que seja a porta para uma intervenção militar estrangeira", revela o jornalista da Euronews, em Caracas, no dia em que Donald Trump assumiu "ser uma opção" em consideração o envio de tropas americanas para a Venezuela.