Última hora
This content is not available in your region

Atentado em Caxemira faz dezenas de mortos

Atentado em Caxemira faz dezenas de mortos
Tamanho do texto Aa Aa

Mais de quatro dezenas de polícias perderam a vida num ataque com um carro armadilhado, projetado contra o autocarro de uma coluna da polícia, na região de Caxemira, na fronteira entre a Índia e o Paquistão.

A explosão foi ouvida a vários quilómetros de distância. Trata-se do ataque mais mortífero dos últimos anos e faz crescer de novo as tensões entre a Índia e o Paquistão nesta região disputada pelos dois países.

Zulfiqar Hassan, da reserva central da polícia conta que "a coluna fazia o percurso entre Jammu e Srinagar quando foi atacada. Foram atingidos os veículos e os homens".

As autoridades indianas abriram uma investigação para averiguar a natureza da explosão e as circunstâncias em que ela ocorreu, apesar de não haver dúvidas que se trata de um ataque terrorista.

O grupo islamita radical baseado no Paquistão, Jaish-e-Mohammad, já reivindicou o ataque. O governo de Nova Deli diz que os atacantes vieram do Paquistão, mas Islamabad nega qualquer envolvimento.

Através do Twitter, o presidente indiano, Narendra Modi classificou o ataque como "desprezível" e manifestou-se preocupado com as consequências.

O Jaish-e-Mohammad é um dos grupos radicais mais poderosos a operar na região de Caxemira. Foi acusado de estar na origem do ataque contra o parlamento indiano em 2001, um dos momentos de maior tensão entre a Índia e o Paquistão. Na altura, Nova Deli enviou as tropas para a fronteira com o Paquistão.

A região de Caxemira, de maioria muçulmana, é foco de disputa entre a Índia e o Paquistão, há muitas décadas. Cada país detém uma parte do território. Ambos reclamam a totalidade. A disputa do território esteve na origem de duas guerras entre os dois países desde a independência da Índia do império britânico em 1947.

O ministro paquistanês dos Negócios Estrangeiros classifica a situação como "muito grave", mas rejeita qualquer envolvimento do governo paquistanês. A Casa Branca apela a Islamabad que acabe com o apoio e a proteção aos grupos terroristas que operam em solo paquistanês.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.