Última hora

Última hora

Governo do Sri Lanka alvo de críticas

Governo do Sri Lanka alvo de críticas
Direitos de autor
REUTERS/Athit Perawongmetha
Tamanho do texto Aa Aa

Um novo engenho explosivo eclodiu em Colombo. A explosão, desta vez sem feridos, ocorreu enquanto a polícia tentava desarmar a bomba.

Depois de já ter sido decretado o recolher obrigatório, o Sri Lanka está em estado de emergência. Uma medida que visa aumentar os poderes da polícia e dos militares, enquanto a busca pelos assassinos deste Domingo de Páscoa continua.

Vinte e quatro horas antes, oito explosões tinham já matado 290 pessoas e ferido outras 500.

As autoridades acreditam que os ataques sejam da autoria de um grupo jihadista local que já constava numa lista de vigilância.

O ministro da saúde e porta-voz do governo cingalês, Rajitha Senaratne, afirmou que "os serviços secretos internacionais informaram no dia 4 de abril que este incidente iria ocorrer no país, que haveria bombistas-suicidas a atacar vários locais. Em relatórios de talhados, disseram que os alvos seriam cristãos e católicos. igrejas, e também os destinos turísticos, hotéis".

As informações de pouco servem para quem agora começa a fazer o luto.

A inoperância do governo tem sido alvo de duras críticas. O governo, por sua vez, aponta o dedo aos serviços secretos nacionais.

"Neste momento, é uma situação terrível. Precisamos de muita reconciliação. Por um lado, temos pessoas que estão a sofrer muito . Por outro lado, há quem viva com medo do que possa acontecer a seguir.", conta um sacerdote local.

Na sequência dos atentados, a polícia deteve 24 suspeitos. Mais tarde viria a descobrir 87 detonadores de bombas escondidos numa estação de autocarros.

Nenhum grupo reivindicou ainda a autoria dos ataques. As investigações prosseguem e com elas a sensação de que a crise no Sri Lanka veio para ficar.