Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O cinema europeu em Cannes

O cinema europeu em Cannes
Tamanho do texto Aa Aa

Cannes é, nesta altura do ano, palco do festival internacional de cinema, mas também do Marché du Film, considerado o mais importante mercado de cinema do mundo, onde está presente o subprograma MEDIA do Europa Criativa, um instrumento da Comissão Europeia para apoiar o Cinema e Audiovisual europeus. 20 filmes que fazem parte da seleção oficial do festival, incluindo um terço dos que participam na competição, tiveram o apoio deste subprograma. Entre eles estão filmes de Pedro Almodóvar, Ken Loach e de Jessica Hausner.

A Comissão Europeia apresentou este ano, em Cannes, a primeira edição do Dia "Women on the Move", com destaque para a realizadora espanhola Carla Simón.

"Claro que ainda há um longo caminho a percorrer, porque também compilámos dados, que mostram uma desigualdade clara, que tem de de ser abordada", realçou Lucia Recalde, responsável da unidade "MEDIA" da Comissão Europeia.

O filme "Verão 1993" de Carla Simón, apoiado pelo subprograma MEDIA do Europa Criativa, foi galardoado na Berlinale e noutros festivais. "O MEDIA é um selo de qualidade que ajuda imenso quando se recorre aos fundos nacionais, pois se eles souberem que o MEDIA selecionou esse projeto, isso significa, de certa maneira, que é bom", afirmou a realizadora Carla Simón.

Para incentivar mais produções europeias, a União Europeia planeia impor uma quota mínima de 30% para video on demand. Está apenas a ser discutido como medir isso, se pelo número de horas, episódios, ou outra forma. Espera-se um acordo até ao final do ano.

"Quanto ao facto de haver uma quota para filmes europeus, penso que é super importante dar a possibilidade a estes filmes de aparecerem e de serem vistos pelo público", sublinhou Simón.

"Por agora, empresas como a Netflix e a Amazon exibem menos de 20% de trabalhos europeus e não há tempo a perder. A quota de 30% entrará em vigor em toda a União Europeia no outono do próximo ano. Será que isso vai encorajar muitas mulheres na área do cinema? Só o tempo o poderá dizer", destacou o enviado especial da Euronews ao Festival de Cannes, Chris Burns.