Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Polémica sobre exéquias fúnebres de Jonas Savimbi

Polémica sobre exéquias fúnebres de Jonas Savimbi
Tamanho do texto Aa Aa

Mais de 17 anos após a morte do líder histórico da UNITA a polémica continua. O Governo angolano depositou, terça-feira, os restos mortais de Jonas Savimbi numa unidade militar, no município do Andulo, província do Bié. O presidente da formação do Galo Negro, Isaías Samakuva, acusa as autoridades angolanas de decidirem tudo, de definirem o programa que levará ao enterro, agendado para sábado próximo, à revelia da família e do partido. Para além disso, não está a ser respeitado o que ficou acordado:

"Aquilo que ficou acordado foi que o corpo do Dr. Savimbi poderia ser trazido para o Quito na presença de todas partes que estiveram presentes na exumação. Mas não fomos informados sobre o que pretendiam fazer".

Já as autoridades angolanas acusam a direção da UNITA de impedir "os seus representantes" nas exéquias fúnebres "de estarem presentes no Andulo", para a receção dos restos mortais de Jonas Savimbi.

Savimbi foi morto em combate a 22 de fevereiro de 2002. Há anos que UNITA e familiares reivindicavam a transladação dos restos mortais.