Última hora

Polémica sobre exéquias fúnebres de Jonas Savimbi

Polémica sobre exéquias fúnebres de Jonas Savimbi
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Mais de 17 anos após a morte do líder histórico da UNITA a polémica continua. O Governo angolano depositou, terça-feira, os restos mortais de Jonas Savimbi numa unidade militar, no município do Andulo, província do Bié. O presidente da formação do Galo Negro, Isaías Samakuva, acusa as autoridades angolanas de decidirem tudo, de definirem o programa que levará ao enterro, agendado para sábado próximo, à revelia da família e do partido. Para além disso, não está a ser respeitado o que ficou acordado:

"Aquilo que ficou acordado foi que o corpo do Dr. Savimbi poderia ser trazido para o Quito na presença de todas partes que estiveram presentes na exumação. Mas não fomos informados sobre o que pretendiam fazer".

Já as autoridades angolanas acusam a direção da UNITA de impedir "os seus representantes" nas exéquias fúnebres "de estarem presentes no Andulo", para a receção dos restos mortais de Jonas Savimbi.

Savimbi foi morto em combate a 22 de fevereiro de 2002. Há anos que UNITA e familiares reivindicavam a transladação dos restos mortais.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.