Última hora
This content is not available in your region

Chamas fora de controlo destroem casas em Mação

Chamas fora de controlo destroem casas em Mação
Tamanho do texto Aa Aa

O incêndio que começou este sábado em Vila de Rei alastrou no domingo de forma destruidora até Mação e já está a destruir casas em algumas aldeias da freguesia de Cardigos.

Na aldeia de Sarnadas já arderam três habitações. De acordo com a autarquia de Mação, pelo menos 15 aldeias estão ameaçadas pelas chamas.

A intervenção rápida dos bombeiros tem evitado o pior até ao momento, mas já se registaram pelo menos 20 feridos.

O vento forte e as elevadas temperaturas têm sido os maiores obstáculos à atuação dos operacionais, numa região dominada pelo eucalipto e pelo pinheiro.

Em declarações aos jornalistas ao fim da tarde em Marvão, Portalegre, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, apontou o foco ao combate às chamas e evitou fazer um primeiro balanço das operações.

"Haverá tempo para depois fazer balanços e comparações e retirar lições. Mas agora há uma prioridade muito clara que deve mobilizar todos. E o que desejamos todos é que haja uma normalização e estabilização de uma situação que abrange tantas populações", afirmou o chefe de Estado, assegurando estar a acompanhar em permanência a situação.

Para o combate àquele que é já um dos maiores incêndios do ano em Portugal estão mobilizados mais de 800 operacionais, apoiados por 255 viaturas e 15 meios aéreos. Segundo a Proteção Civil, no total das operações no país estão presentes mais de 1300 operacionais, 386 meios terrestres e 17 meios aéreos para combater os incêndios.

Paralelamente, o fumo dos incêndios florestais em Portugal e as condições atmosféricas, nomeadamente devido a um anticiclone, criaram uma “nuvem” que cobria hoje uma boa parte da Extremadura espanhola.

A União Europeia está também a contribuir com a produção de mapas satélite dos incêndios e já garantiu estar pronta para fornecer mais ajuda.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.