A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Espanha vai de férias ainda sem governo

Espanha vai de férias ainda sem governo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Pedro Sánchez não conseguiu, pela segunda vez, o apoio do parlamento espanhol para a formação do governo.

As negociações com o partido de esquerda Unidas Podemos (UP) voltaram a falhar e Sánchez volta a tentar em Setembro. O PSOE e o Podemos têm agora um mês para a última tentativa de reduzirem as diferenças enormes que os separam da formação de uma coligação governativa.

O primeiro-ministro em exercício disse, no decorrer da segunda sessão de investidura falhada: "Se me obrigar a escolher entre a presidência de um governo que não sirva a Espanha e a optar pelas minhas convicções, eu não tenho qualquer dúvida: escolho as minhas convicções, escolho proteger a Espanha".

O líder do Podemos, Pablo Iglesias, pediu negociações com respeito: "Fizemos uma nova proposta. Ainda estamos a tempo de salvar esta sessão de investidura e ter um governo de coligação. Se o senhor não aceita a nossa proposta, volto a estender-lhe a mão. Não leve os espanhóis a eleições. Negocei conosco com respeito."

Se as negociações entre o PSOE e o Podemos voltarem a falhar em Setembro, o país vai a votos de novo no dia 10 de novembro, nas quartas eleições em quatro anos. Os líderes dos partidos representados do parlamento atribuem o fracasso do porcesso a Pedro Sánchez.

"Pedro Sanchez não é de fiar. Isto prova que ninguém no parlamento confia em Pedro Sánchez. Ele obteve mais votos contra do que a favor", diz Teodoro Garcia Egea, do Partido Popular (PP).

Ines Arrimadas, do Ciudadanos, afirma: "Espanha sairá desta situação, claro, mas o que ficou demonstrado hoje é que Sánchez faz parte do problema e não da solução deste país".

Para outros partidos da esquerda, mesmo os independentistas, foi mais uma oportunidade perdida.

"Toda a gente sabe o que pensamos e todos sabem o que temos feitos nos últimos dias. Resumindo, isto é um desastre!", desabafa Gabriel Rufian, da Esquerda Republicana da Catalunha (ERC).

Muitos socialistas acreditam que levando o país a novas eleições, o partido sairia reforçado, mas são poucos os que ousariam apostar nesta estratégia. Os espanhóis começam a ficar cansados e esta incapacidade de gerar compromissos está a desgastar a imagem dos partidos de esquerda.