Última hora

Ministra alemã da Defesa defende zona de segurança na Síria

Ministra alemã da Defesa defende zona de segurança na Síria
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em Estrasburgo, Donald Tusk apelou à ação do Parlamento Europeu em nome do fim imediato das manobras do Exército turco na Síria.

O presidente cessante do Conselho Europeu diz que o contrário significa sofrimento humano inaceitável, a vitória do Daesh e uma ameaça séria para a segurança europeia.

"O Conselho Europeu condenou a ação militar unilateral da Turquia no nordeste da Síria. Ninguém se deixa enganar pelo chamado cessar-fogo. A Turquia precisa de terminar de forma permanente a ação militar, de retirar as forças e de respeitar a lei humanitária internacional", sublinhou Donald Tusk.

A ministra alemã da Defesa, Annegret Kramp-Karrenbauer, propôs a criação de uma zona de segurança na Síria, com a participação da Turquia e da Rússia. Mas mesmo no seio do Governo germânico persistem dúvidas.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Heiko Maas, disse que são precisos mais detalhes sobre o plano de Annegret Kramp-Karrenbauer: "Temos as mesmas perguntas dos nossos aliados. Informei novamente a minha colega com a pasta da Defesa sobre esta matéria. Levará seguramente a discussões no seio do Governo alemão."

A ministra da Defesa defendeu a proposta e disse que a zona de segurança deve permitir continuar a luta contra o Daesh e apoiar a reconstrução civil na região.

"Não podemos apenas falar sobre a Europa não ser um espetador. É preciso iniciar a discussão com propostas próprias", insistiu Annegret Kramp-Karrenbauer.

Em Berlim, os protestos contra a invasão turca fizeram-se ouvir nas ruas. A chanceler alemã, Angela Merkel, apoia a proposta da ministra da Defesa, classificando-a de "promissora"

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.